Review: Travi$ Scott – STARGAZING

Onovo álbum do Travi$ Scott começa com “STARGAZING”, uma faixa atmosférica que rapidamente define um tom psicodélico. Construída sob um carrossel de notas cintilantes, ela atinge o pico quando ele grita: “Eu estava sempre no topo, então essa garota entrou e salvou minha vida”. Eu só posso deduzir que essa garota seja Kylie Jenner salvando sua vida das drogas. A sensação psicodélica casou perfeitamente com seu estado induzido por efeitos ilícitos. Sua voz se digitaliza e inclina-se para momentos melodramáticos e futuristas. Liricamente, abraça o sucesso e permite que ele derrame os horrores de sua educação. “Do nada, você veio aqui para salvar a noite”, ele diz. Os arpejos de sintetizador e o baixo pulsante crescem em determinados pontos e fornecem mais complexidade. É uma música tão experimental quanto cativante – uma peça psicodélica cheia de batidas dilacerantes. Dessa vez, ele realmente nos levou para um falso estado de euforia. “ASTROWORLD” (2018) foi batizado com o nome de um parque de diversões de sua cidade natal. Em “STARGAZING”, os portões do parque estão abertos, mas são substituídos por uma nova energia por volta de 2 minutos e meio, quando a orquestra desaparece e um instrumental mais otimista aparece. Basicamente, a música possui dois movimentos musicais distintos. O primeiro apresenta graves batidas e mergulha na música psicodélica. Enquanto isso, a segunda parte é mais urgente e orientada para o trap. As duas partes são separadas pelo som de uma montanha-russa, conforme a batida se transforma em algo mais expressivo e energético. É a partir desse momento que ele explica a inspiração por trás do título do álbum.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.