Review: The Weeknd – Call Out My Name

Lançamento: 10/04/2018
Gênero: R&B Alternativo
Produtor: Frank Dukes
Escritores: Abel Tesfaye, Adam Feeney e Nicolas Jaar.

Em 30 de março de 2018, The Weeknd lançou um novo EP intitulado “My Dear Melancholy” e, entre as seis faixas do mesmo, temos “Call Out My Name”. Quando você ouve essa música pela primeira vez, rapidamente percebe uma certa semelhança com “Earned It”. Os versos mais lentos e o refrão pesado praticamente replicam a estrutura de “Earned It”. Certamente, o andamento de “Call Out My Name” corresponde aos seus trabalhos anteriores, enquanto você pode sentir a dor e escuridão em volta do cantor. Ela possui um gancho sensual e os mesmo sintetizadores sinistros que apareceram no álbum “Beauty Behind the Madness” (2015). Os ecos, acúmulos e clímax da batida exalam a autenticidade de The Weeknd. Liricamente, o canadense se concentra nas dores e lutas que vêm através de um relacionamento. Ele canta com profundidade a fim de tentar deixar de lado um namoro do passado. Há uma frase nesta canção que gerou bastante controvérsia na mídia, pois acredita-se que é referente à cirurgia de transplante de rim da Selena Gomez.

“Eu disse que não sentia nada, amor, mas eu menti / Quase cortei um pedaço de mim para a sua vida”, ele canta. Embora tenha sido a melhor amiga de Selena Gomez que tenha lhe doado um rim, a letra sugere que The Weeknd quase fez a doação. “Call Out My Name” possui uma energia muito sombria e escura, algo fortalecido pelo produção de Frank Dukes. A distorção climática da canção é estabelecida particularmente pelo piano, sintetizadores e o ritmo da bateria. Depois de mostrar equilíbrio e contenção no primeiro verso, o refrão cresce ao incorporar alguns vocais distorcidos. Ele canta suavemente ao longo de toda música, conforme os sombrios riffs do piano batem de forma instável. “Call Out My Name” define perfeitamente o clima do seu novo EP. A construção dessa música e os vocais de The Weeknd são dramáticos e obscuros, assim como todo o EP “My Dear Melancholy”. Embora não seja uma canção inovadora, “Call Out My Name” o vê retornando às suas raízes.

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.