Review: Taylor Swift – Delicate

Lançamento: 12/03/2018
Gênero: Electropop
Produtores: Max Martin e Shellback
Compositores: Taylor Swift, Max Martin e Shellback.

Oálbum “reputation” (2017) da Taylor Swift culminou em uma era instável. Embora tenha vendido 1,2 milhão de cópias na primeira semana, recebeu críticas mistas e não repercutiu tanto quanto o “1989” (2014). Inteligentemente, em 12 de março de 2018, “Delicate” foi lançada como sexto single do álbum. A palavra “reputação” aparece logo no início de “Delicate”, uma canção suave e delicada, como o próprio título sugere. “Minha reputação nunca esteve pior, então / Você deve gostar de mim por quem eu sou”, ela canta. Esta faixa mostra a parte excitante de estar entrando num novo relacionamento. Apesar do filtro em sua voz, “Delicate” é o primeiro momento vulnerável do “reputation” (2017), ao passo que consegue se distanciar da agressão eletrônica das primeiras faixas. Além da produção electropop, Swift faz uso de batidas de dancehall, relaxantes harmonias e um refrão sussurrante. Liricamente, esta canção deixa claro que Swift está cansada de estar sendo má vista sob os olhos do público. Consequentemente, ela não quer que sua má reputação atrapalhe seu novo relacionamento. As letras detalham o início de um namoro e o quanto pode ser frágil se as coisas forem rápidas demais. Uma incerteza permeia pela música, conforme Swift menciona sua reputação e entra num estado vulnerável de questionamento. Dito isto, “Delicate” consegue capturar sua fragilidade lírica.

“Está tudo bem eu ter dito tudo isso? / Será que ainda é muito cedo para fazer isto? / Porque eu sei que é delicado / Não é? Não é? Não é?”, ela pergunta no refrão. Swift repete constantemente a frase “não é?”, demonstrando uma certa insegurança que se opõe ao seu lado melodramático e confiante. Toda a música é centrada em torno dessa pergunta. Embora comece com vocais sob efeito vocoder, “Delicate” é um dos momentos mais vulneráveis do registro. Depois dos vocais filtrados, uma batida dancehall entra em ação e nos conduz para o refrão sombrio e murmurado. A tendência tropical tornou-se extremamente cansativa nos últimos anos, no entanto, Taylor Swift fez um bom uso dela. De certa forma, é uma faixa reminiscente da era “1989” (2014). Apesar do ritmo acelerado, é infinitamente mais discreta que os singles anteriores. A produção eletrônica casou muito bem com as influências de dancehall e a transformou numa das melhores músicas do álbum. O efeito do vocoder no pré-refrão ajuda a deixá-la mais frágil e melódica. Por mais robótica que sua voz esteja, há algo particularmente convincente quando ela canta. Graciosa e honesta, “Delicate” é uma balada eletrônica com um refrão ressonante, que mostra um lado incrivelmente vulnerável da Taylor Swift. Uma das minhas faixas favoritas do “reputation” (2017).

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.