Review: Rae Sremmurd – SR3MM (2018)

O “SR3MM” acabou tornando-se a declaração pessoal mais clara do Rae Sremmurd até o momento. Sua música se tornou mais exuberante e suas cadências mais complexas. O formato triplo permitiu uma visão distinta das duas partes que formam o duo.

O“SR3MM” é o terceiro álbum de estúdio da dupla Rae Sremmurd. Trata-se de um projeto triplo que também inclui os álbuns solo de cada um dos membros, “Swaecation” do Swae Lee e “Jxmtro” do Slim Jxmmi. O álbum conta com participações especiais de Juicy J, Travi$ Scott, Future, Pharrell Williams, Young Thug e The Weeknd. Os primeiros hits do Rae Sremmurd foram vistos como completamente empolgantes e cativantes. Depois de “No Flex Zone” e “No Type”, o consenso era de que eles nunca seriam capazes de superar ambos hits. Instantaneamente, os críticos começaram a especular que tratava-se de 15 minutos de fama. No entanto, eles lançaram seu primeiro álbum de estúdio, “SremmLife” (2015) e, exatamente um ano depois, explodiram com a excelente “Black Beatles” do “SremmLife 2” (2016). Posteriormente, eles foram além das expectativas dos fãs ao lançar esse projeto ambicioso formado por três discos. Cada um dos álbuns possui nove faixas e produção executiva do Mike WiLL Made-It. Como um duo, Rae Sremmurd está melhor do que nunca. Esse audacioso esforço triplo é o seu melhor trabalho até agora, e os solidifica como estrelas do pop-rap. O bom de vê-los lançando discos solo é que podermos ter certeza do que ambos são capazes de trabalharem sozinhos. Mas um álbum triplo parece, fundamentalmente, uma escolha estranha para o Rae Sremmurd. Historicamente, eles têm como alvo os clubes de strip-tease e as rádios.

Então, o que acontece quando dois rappers que fazem músicas propositalmente pouco ambiciosas resolvem ampliar seus escopos? A maior surpresa deste projeto é o Slim Jxmmi, que se transforma em uma inesperada estrela ao longo do curso do “SR3MM” e do seu respectivo disco solo. Jxmmi não tem a sensibilidade melódica ou as aspirações de R&B do Swae Lee. Em vez disso, seu maior patrimônio é o carisma e esforço. Ele faz rap com tanta força, enfatizando cada sílaba, que surpreende de uma forma impressionante. Enquanto ele normalmente não fica responsável pelos refrões do Rae Sremmurd, ele prova ter algo de especial. A produção do “Jxmtro” é mais sombria e menos acessível do que a do “Swaecation”, e Jxmmi se inclina mais para as paisagens noturnas dos clubes de strip-tease. Mas ao apostar em seu som consagrado, Slim Jxmmi se encontra no centro de um sólido álbum de trap digno de replay. Fez sentido quando o “SR3MM” foi anunciado, considerando o sucesso do Swae Lee na memorável “Unforgettable” do French Montana, uma vez que poderia ser um passo adiante para ele se tornar um artista solo. Estranhamente, “Swaecation” acha nosso membro favorito incapaz de esticar seu carisma ao longo de seus 36 minutos. Sua atmosfera sonora é mais quente que a do “Jxmtro” ou “SR3MM”, e colorida por si só. Embora “Swaecation” possa não ser forte o suficiente para justificar seu tempo de execução, ele faz um trabalho crucial para expandir sua paleta emocional.

E apesar de ser divertido ver como Lee e Jxmmi trabalham separados um do outro, não é coincidência que uma das melhores músicas do “Swaecation” seja justamente aquela que apresenta o Jxmmi. Aparentemente, eles são mais eficazes quando têm um ao outro para se apoiar. Embora Rae Sremmurd não tenha letras essenciais, suas canções sempre deixam um impacto duradouro. E isso é essencial em um álbum triplo como este. “SR3MM” é onde o duo está no seu melhor, complementando um ao outro através do rap de Slim Jxmmi e das melodias auto-sintonizadas de Swae Lee. Com apenas nove faixas, há pouco espaço para erros. A maior parte do “SR3MM” apresenta abordagens esqueléticas e despojadas, evidentemente desmoronando nas tendências do Mike WiLL Made-It: riffs de teclado, bateria de inspiração trap, auto-tune, atmosfera escura, loops de sintetizadores e, obviamente, poderosas linhas de baixo. Quanto mais você ouve, mais o “SR3MM” parece uma mistura do que Swae Lee e Slim Jxmmi criaram individualmente. As maiores atrações aqui, no entanto, são as grandes diferenças musicais entre o “SR3MM” e os dois discos solo de cada um. Com a fórmula do Rae Sremmurd separada, os garotos puderam mostrar suas habilidades sem precisar abrir espaço um para o outro. Apesar de não ser uma faixa necessariamente ruim, “Up in My Cocina” não é a abertura explosiva que o álbum precisava. É uma canção que sofre com a qualidade das batidas quando é provado que Mike WiLL Made-It pode fazer melhor.

Em seguida, o duo anseia por privacidade em “CLOSE”, uma colaboração com Travi$ Scott. Se o ouvinte está procurando a diversão do Rae Sremmurd, com a qual se acostumou em seus esforços anteriores, ele certamente irá encontrá-la nessa música. Com fortes tambores, vocais enérgicos e um ambiente espacial, Rae Sremmurd soube como trabalhar adequadamente. Com “CLOSE”, eles conseguiram expandir o seu pop-trap, mesmo que o refrão sofra pela falta de uma melodia memorável. Em “Bedtime Stories”, que brilha como um neon florescente, Lee flutua com seu falsete enquanto é apoiado pelos suaves vocais do The Weeknd. É gratificante ver o melodrama do Abel rastejando pelo universo do Rae Sremmurd. Enquanto Lee canta solenemente ao longo da música, Jxmmi direciona suas letras para uma pretendente: “Apaixonar-se é meu pior pesadelo”“Perplexing Pegasus” é com certeza uma das melhores e mais emocionantes músicas do álbum – nem precisa de uma longa descrição para ver o quanto ela é agradável. Mas além dos singles, há outro vencedor infalível neste álbum, ele se chama “Buckets”, uma parceria com Future. Um banger incondicional e minimalista que melhor se adapta à personalidade do Jxmmi. O refrão é estúpido e explícito, mas totalmente viciante. Musicalmente, trata-se de um retorno do Mike WiLL Made-It ao funk, composto por uma guitarra e um piano infeccioso. O mesmo vale para a viciosa “42”, que além de manter os pontos fortes do Rae Sremmurd, fornece uma batida muito animada.

Mas o posto de melhor música do álbum vai para “Powerglide”, uma colaboração com Juicy J. Musicalmente, este single utiliza amostras de “Side 2 Side”, uma antiga canção do grupo Three 6 Mafia, do qual Juicy J fazia parte. A base de “Powerglide” está na melodia efervescente que Swae Lee, em particular, usa para mostrar o seu talento. Sobre uma presença cativante e um fluxo lírico dinâmico, eles surpreendem positivamente. Desde o início, “Powerglide” sente-se escura e está configurada numa chave menor. As cordas rítmicas utilizadas como pano de fundo são um destaque a parte e a principal característica da produção. Ademais, os contundentes tambores foram muito bem combinados com o sintetizador e o baixo épico. Lee certamente possui os melhores vocais da dupla, principalmente quando emprega alguns falsetes na mistura. Ele lida com o atrativo e maravilhoso refrão, bem como os dois primeiros versos da música. Assim como em “Black Beatles”, inicialmente “Powerglide” parece ser uma música solo do Swae Lee. Slim Jxmmi apresenta o terceiro verso e oferece um afiado contraste sobre os vocais agitados do seu irmão. Enquanto isso, Juicy J fica responsável pelo quarto e último verso, inundando-o com várias referências à mulheres e sexo. Ademais, o rapper aproveita para prestar um rápido tributo a Lil Peep. “Powerglide” é uma música fantástica que mostra o talento do Rae Sremmurd para criar algo novo e revigorante na música trap. Mesmo sendo longo, é um banger incrivelmente agradável e muito bem concebido.

“Rock n Roll Hall of Fame”, por sua vez, traz naturalmente “Black Beatles” à mente. As guitarras inspiradas pelo reggae quebra qualquer monotonia e captura a grandiosidade da dupla. Swae Lee usa sua voz através da batida trovejante, até Jxmmi entrar em torno da marca de 2 minutos. Ele é um contraponto necessário para essa canção. Aqui, eles receberam um dos instrumentais mais dinâmicos do repertório – cada batida exala uma miríade de emoções. “T’d Up”, por sua vez, é um banger de hip-hop e trap com uma paisagem sonora misteriosa. Ela começa com uma introdução que inclui a assinatura do onipresente Metro Boomin. A produção foi ancorada por uma batida rígida e temperamental, enquanto os sintetizadores estão mais refrigerados. A linha de baixo sente-se totalmente padronizada pelos aspectos da produção do Metro Boomin. Mas, apesar de manter o ritmo e possuir uma melodia reluzente, “T’d Up” é carente de um gancho ou refrão atrativo. É uma faixa repleta de energia e intensidade, mas possui um papel limitado do Slim Jixmmi e não é tão divertida como os singles anteriores. Geralmente, as batidas esqueléticas, os sintetizadores cintilantes e a produção moderna são as plataformas ideais para os fluxos intricados do Rae Sremmurd. Em contrapartida, “T’d Up” carece de um fluxo musculoso e inteligente. Ao ouvir o “SR3MM”, você nunca sente que está escutando algo descartável ou fillers. A duração permite que o Rae Sremmurd ofereça todas as suas peculiaridades com grande vigor. Há realmente uma alegria contagiante neste álbum – seja pelo carisma do duo ou pela produção do Mike WiLL Made-It.

  • 81%
    SCORE - 81%
81%

Favorite Tracks:

“CLOSE (feat. Travi$ Scott)” / “Perplexing Pegasus” / “Powerglide (feat. Juicy J).

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.