Review: Kygo – Kids in Love (2017)

Lançamento: 03/11/2017
Gênero: Deep House, Tropical House
Gravadora: Sony Music / Ultra Music
Produtores: Kygo e Oliver Nelson.

Após surgir no mainstream com o remix de “I See Fire” (Ed Sheeran), o produtor norueguês Kygo cresceu em rápida ascensão. Em 2015, o gênero tropical-house era extremamente popular, mas dois anos depois, sua alta demanda diminuiu bastante. Kygo foi um dos pioneiros do tropical-house e ficou conhecido por singles como “Firestone” e “Stole the Show”. Com cerca de metade do número de faixas encontradas no disco de estreia, o segundo álbum do norueguês chama-se “Kids in Love”. Construir um material tão curto, acabou tornado sua escuta mais agradável e gratificante. A duração do registro estende-se por cerca de meia hora, possui um total de oito faixas e mais parece um EP. “Kids in Love” apresenta o tropical-house e a fórmula pela qual ele tornou-se tão conhecido, porém, com uma maior diversidade. Inesperadamente, Kygo resolveu seguir por passos estilísticos que pisam fora de sua zona de conforto. É um projeto que fornece uma mistura empolgante e evolutiva do trabalho anterior do DJ. Depois de destacar-se nas paradas musicais mundo à fora com “It Ain’t Me” (com Selena Gomez) e “First Time” (com Ellie Goulding), Kygo manteve-se ocupado durante 2017.

Em setembro do mesmo ano, ele lançou um EP com cinco faixas intitulado “Stargazing”. Felizmente, ele não preencheu o seu novo álbum com as faixas do EP, e criou oito canções completamente novas. “Kids in Love” vê o produtor afastando-se um pouco de suas raízes tradicionais, a fim de adotar um som ligeiramente mais diversificado. Provavelmente, as faixas de maior destaque são justamente àquelas em que Kygo faz melhor uso dos vocais fornecidos pelos artistas convidados. Dito isto, também há faixas que sentem-se muito familiares, enquanto falta originalidade e inspiração nas letras. O repertório começa com “Never Let You Go”, que apresenta os vocais entusiasmados do britânico John Newman. Esta faixa bombeia sobre um ritmo relaxante, percussão adequada, melodias de sintetizador, guitarras e acordes de piano. Em sua totalidade, é uma canção energética e pulsante que permite o álbum flutuar soberbamente para “Sunrise”, com Jason Walker. Nesta pista, Kygo retorna fortemente às suas raízes! A faixa começa com acordes de piano, cordas adicionais e uma simples percussão.

Os calorosos vocais de Walker lamentam sobre notas altas e alguns falsetes, ao passo que o sintetizador proporciona um ar de nostalgia. “Riding Shotgun”, com Oliver Nelson e Bonnie McKee, contém um ritmo relaxado e muito mais analógico do que o resto do álbum. Fortemente integrada com a profunda percussão e o baixo, esta faixa mostra com propriedade as habilidades de escrita de McKee e a produção adicional de Nelson. Na quarta faixa, “Stranger Things”, Kygo se junta inesperadamente com a banda OneRepublic. Uma canção eletrônica intricada com os vocais temperamentais e emocionais de Ryan Tedder. Desta vez, a produção sintetizada é reforçada por soberbas melodias de piano. Em seguida, o cantor americano Wrabel, cuja voz parece a do Sam Smith, conduz a próxima faixa, intitulada “With You”. Esta canção possui sintetizadores vintage, piano, cordas adicionais e percussão analógica que elevam facilmente os falsetes de Wrabel. O arranque do seu timbre e os instrumentos guiam o ouvinte para um estado de espírito verdadeiramente emocional. A produção de Kygo é mais brilhante durante a faixa-título, “Kids in Love”. Uma balada que mostra com propriedade o seu talento como pianista e produtor.

The Night Game lida com a maior parte dos vocais, enquanto Maja Francis fornece vocais de apoio no segundo verso. As guitarras, percussão e, principalmente, o piano movem esta faixa para um atraente e simples refrão. “Nós éramos jovens apaixonados, e ai nós crescemos / Mas você não vai me abraçar esta noite como se fôssemos jovens apaixonados?”, The Night Game canta aqui. É preciso dizer que o trabalho de produção de Kygo se destaca, especialmente por ele misturar a música eletrônica com o pop-rock. Enquanto a penúltima faixa, chamada “Permanent”, apresenta fortes, melódicos e dinâmicos vocais de JHart, “I See You” destaca-se por causa do canadense Billy Raffoul. Uma guitarra acústica é utilizada para abrir esta canção, mas, posteriormente, o piano e percussão adicionam um som de assinatura. No geral, “Kids in Love” é a prova de que Kygo é capaz de criar uma música house emocionante. As faixas de maior destaque, como “Sunrise”, “Stranger Things” e “Kids in Love”, são favorecidas pela química e sinergia entre Kygo e os vocalistas convidados. Ademais, não há dúvida de que podemos ver um senso de maturidade em torno do seu novo trabalho.

  • 61%
    SCORE - 61%
61%

Favorite Tracks:

“Sunrise (feat. Jason Walker)” / “Stranger Things (feat. OneRepublic)” / “Kids in Love”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.