Review: Kali Uchis – Solita

Nascida nos Estados Unidos, mas criada na Colômbia, Kali Uchis é um monumento multicultural, um mosaico de influências, cores e sons. Produzida por Tainy, compositor e produtor porto-riquenho que também trabalhou com Bad Bunny, J Balvin e Ozuna, “Solita” é uma midtempo que a encontra alternadamente fluindo entre o espanhol e inglês enquanto canta sobre abraçar a solidão – uma ode à independência, de rejeitar a pressão da sociedade para abraçar o amor próprio. É uma música sobre os prazeres de estar sozinha, com Kali Uchis abordando o mundo em seus próprios termos. “Prefiro dançar sozinha do que com o diabo”, ela disse sobre a faixa em um comunicado à imprensa. Os momentos mais emotivos do seu álbum de estreia, “Isolation” (2018), são cheios de luz. Mas ela não estava realmente sozinha, pois o LP apresentava talentos de uma grande equipe de colaboradores.

No entanto, “Solita” prova que a tragédia pessoal pode ser igualmente leve. Sob a batida de reggaeton, os vocais doloridos da Kali Uchis mostram que ela prefere ficar sozinha do que com alguém que a machuca. Embelezada com ecos de sintetizadores, a música continua mostrando sua abordagem onívora ao gênero. “Solita” reprisa “Loner”, a faixa de encerramento do EP “Por Vida” (2015), na qual Uchis cantou com determinação e negligência nas mãos de um namorado. “Solita” alude a maus-tratos semelhantes, descrevendo um relacionamento com “feridas abertas”. Aqui, ela permanece sufocante: “Enraizada em seus caminhos / Você nunca saberá, nunca verá / Quem sou eu hoje”. Ela muda para o espanhol durante o refrão, afirmando que sua decisão de terminar é a mais correta, mesmo que doa: “Dançando aqui sozinha, como eu gosto”. A cada repetição dolorosa da palavra “sola”, ela se prepara para confiar em si mesma. Ainda não há detalhes, mas provavelmente o seu próximo álbum de estúdio chegará em 2020.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.