Review: Justin Timberlake – Supplies

Duas semanas depois de lançar “Filthy” como primeiro single do seu próximo álbum, Justin Timberlake divulgou “Supplies”. Dessa vez, a produção é um pouco mais moderna e elegante – em seu interior, existem sintetizadores e influência de hip hop. No entanto, é outro single que não conseguiu me convencer. O refrão é repetitivo e desprovido de qualquer significado ou profundidade – uma música de R&B sonoramente irritante. Não possui um som impactante ou qualquer outro ponto que desperte atenção. Por trás do processo criativo temos o próprio Justin Timberlake, além do Neptunes (duo formado por Pharrell Williams e Chad Hugo). Em termos de melodia, “Supplies” é melhor do que “Filthy”, mas a produção orgânica não parece natural.

Dito isto, se resume em uma bagunça sonora embaraçosa e sem sentido. Ademais, o ritmo de trap onipresente na indústria atual, só a deixa menos relevante. É uma música simplesmente ruim que não me instigou a ouvir mais vezes. Liricamente, as coisas ficam ainda piores – ele promete ser um salvador após a morte da humanidade, se comparando a elementos essenciais de sobrevivência, como madeira e eletricidade. “Porque eu serei a luz quando você não conseguir ver / Eu serei a lenha quando você precisar de calor / Eu serei o gerador, me ligue quando precisar de eletricidade”, ele canta.

“Alguma coisa está desmoronando / E eu serei o que está com a cabeça no lugar / O mundo poderia acabar agora / Querida, nós viveremos no cenário de The Walking Dead”. Me pergunto como Justin Timberlake teve coragem de cantar algo tão risível. Ele está simplesmente tentando convencer sua mulher que é algum tipo de salvador do mundo. Quando você assiste o vídeo, tudo piora – aqui, ele assiste o mundo queimar em várias telas. Em seguida, somos colocados a frente de diversas cenas bizarras, que inclui jacarés pintados de branco, perseguição de carros, motins, imagens de ficção científica e um mundo pós-apocalíptico – é ridículo na melhor das hipóteses. A abordagem de “Supplies” é completamente diferente do seu estilo clássico. Obviamente, eu não esperaria que ele retornasse com uma “Cry Me a River” ou “My Love”, mas eu achava que tudo seria um pouco melhor do que isso.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.