Review: CHVRCHΞS – Get Out

Abanda escocesa CHVRCHES – dona da perfeita “The Mother We Share” – lançou o seu último disco em 2015. Portanto, já passou da hora de voltar com alguma novidade. Depois de trabalhar singles como “Clearest Blue” e “Empty Threat”, e participar de vários festivais pela Europa, eles voltaram para o estúdio a fim de gravar um novo material. Mas enquanto se aproxima do seu terceiro álbum de estúdio, o trio escocês está olhando ao mesmo tempo para duas direções diferentes. Segundo Lauren Mayberry, o próximo álbum da banda será “o material mais pop que já fizemos e também o mais agressivo e vulnerável”. O primeiro gosto deste trabalho é “Get Out”, single produzido por Greg Kurstin (famoso por trabalhar com Lily Allen, Sia, P!nk, Kelly Clarkson e, mais recentemente, com Adele). O resultado mostra que CHVRCHES está preso em um som que eles conhecem perfeitamente. Seguramente, não é uma canção que empurra o trio para fora de sua zona de conforto. Mas isso não quer dizer que “Get Out” seja uma música ruim, mesmo que o título seja eventualmente genérico. É uma canção caleidoscópica, eletrônica e sintetizada que destaca-se como uma das coisas mais cativantes que a banda já lançou. Ao lado de sintetizadores, Iain Cook, Martin Doherty e Lauren Mayberry adicionaram fortes handclaps e melodias extremamente infecciosas.

Mas dito isto, “Get Out” não contém qualquer concentração ou tempero particular. A doce voz da Mayberry constrói uma impressão maravilhosa, assim como costuma acontecer. Enquanto isso, o pesado e característico sintetizador destaca a delicadeza do seu timbre ao lado dos handclaps inconcebivelmente empolgantes. “Get Out” é uma fatia eufórica de synth-pop instantaneamente reconhecível. Liricamente, é uma canção honesta e igualmente emotiva. O drop do sintetizador é nostálgico e fornece um equilíbrio ideal – além de ser incrivelmente memorável. Ademais, os tambores acústicos adicionam uma força extra à música. “As reflexões que você costumava ver nunca se parecem comigo”, Lauren Mayberry canta docemente no pré-refrão, antes de explodir com a repetição frenética do refrão: “Saia, saia / Saia, saia, saia / Saia, saia, saia daqui / Podemos sair, sair / Sair, sair, sair / Sair, sair, sair daqui? / Boas intenções nunca são boas o suficiente”. Essas boas intenções, se é que você pode acreditar – nunca foram boas o suficiente. “Então, você quer dar uma volta? / E você quer me mostrar como? / Você é um caleidoscópio”, ela convida nas últimas linhas. Apesar de um pouco constante e previsível, o refrão é exatamente o que você esperaria. Em última análise, embora “Get Out” seja muito cativante e irresistível, eu espero que a banda traga algo mais inovador no álbum “Love Is Dead”- com lançamento previsto para maio de 2018.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.