Review: CHVRCHΞS – Love Is Dead (2018)

“Love Is Dead” é intrinsecamente agradável, mas não possui o impacto dos registros anteriores. De qualquer forma, o núcleo baseado em ganchos pop, sintetizadores e os doces vocais de Lauren Mayberry permanecem inalterados.

Desde que o trio escocês CHVRCHES lançou seu álbum de estreia, “The Bones of What You Believe” (2013), eles vêm recebendo muitos elogios, por sua combinação de sintetizadores em camadas com letras sutilmente vingativas. Esse álbum foi merecidamente considerado um dos percussores do renascimento do synth-pop contemporâneo. Estranhamente, eles nomeiam Eurythmics, Death Cab for Cutie, Elliot Smith e Cyndi Lauper como suas principais inspirações. É difícil imaginar que uma combinação dessa poderia dar certo, mas realmente funciona. Em seu terceiro álbum, “Love Is Dead”, CHVRCHES mantém os elementos pop e tenta enfatizar sua simplicidade lírica, sem perder o poder da instrumentação em camadas. Além do aumento da sensação pop, esse disco marca uma nova era para a banda, pois trata-se do seu primeiro registro não produzido de forma independente. Dessa vez, Lauren Mayberry, Iain Cook e Martin Doherty trabalharam com Greg Kurstin em Los Angeles. Portanto, “Love Is Dead” é uma tentativa de ampliar o som da banda, trazendo um grande produtor externo para a jogada. Mas em sua essência, o álbum possui muito atributos que tornaram a banda inicialmente atraente. Dito isto, ele segue o mesmo padrão – para melhor e pior – dos seus dois discos anteriores. Para muitos grupos, a autoprodução de um álbum é algo que vem à medida que a carreira progride; uma espécie de recompensa pelo sucesso.

No seu melhor, álbuns auto-produzidos enriquecem o cenário criativo, permitindo que os artistas realizem plenamente sua visão e deixem o público indelevelmente surpreendido pela experiência. Na pior das hipóteses, eles são bagunças auto-indulgentes que deixam o ouvinte desejando que alguém estivesse no estúdio para dizer ao artista o que ele realmente deveria fazer. Mas ao adicionar o Greg Kurstin na mistura, CHVRCHES ainda depende em grande parte de sua fórmula confiável, com as linhas de sintetizador de Iain Cook e Martin Doherty apoiando os vocais cativantes da Lauren Mayberry. Kurstin colocou sua influência em faixas como “Miracle” – mas na maioria das vezes, qualquer uma das músicas poderia se encaixar nos outros álbuns da banda. De fato, ao empregar o conselho externo pela primeira vez, o trio expandiu seu desempenho. É o tipo de jogada comercial que inevitavelmente atrai pessimistas, mas ainda assim, é um LP que combina imensamente com o CHVRCHES. Enquanto as letras de Lauren Mayberry deixam a ambiguidade de lado, elas não permitem interpretações errôneas. É uma escolha interessante que provavelmente deixará os fãs confusos pela primeira vez. Na verdade, pode ser a coisa mais impressionante que a banda fez – expandindo a lacuna existente entre seu som e substância. Enquanto a música mantém uma sensibilidade indie e escocesa, o trio soa mais aberto do que nunca. Além do produtor que colaborou com Adele, Sia e Lily Allen, a banda também colaborou com Steve Mac – o cara por trás de “Shape of You” do Ed Sheeran.

CHVRCHES, como de costume, não tem medo de abordar temas complicados. Não é fácil discutir a crise dos refugiados ou espetar o fanatismo religioso em uma música pop, mas “Deliverance” e “Graves” conseguiram fazer isso. Durante todo o tempo, o doce soprano de Mayberry opera em equilíbrio com sua atitude feroz e escuridão lírica. A banda preencheu todas as lacunas que o título angustiado do álbum leva você a esperar. Além disso, a maioria dos singles e o conteúdo mais ambicioso descansam na primeira metade do repertório. “Graffiti” abre o álbum com a clareza e exuberância. Os vocais da Lauren Mayberry continuam encantadores e cristalinos, assim como o delicado vibrato apresentado aqui. “Quando nós seguimos em frente? / Eu não senti isso, ninguém me disse”, ela salta ritmicamente ao redor da música. Instrumentações melancólicas como essa aparecem com frequência no álbum. Uma canção que capta a dicotomia do ensino médio, ou talvez o equivalente escocês. No entanto, por outro lado, tenta capturar a bem-aventurança e a inocência da juventude. Mas “Love Is Dead” está longe de ser unidimensional, mudando suas emoções e lutando com a própria ideia do que o amor significa. O primeiro gosto do álbum foi “Get Out” – uma canção que mostra a banda presa num som que eles conhecem fielmente. Consequentemente, não empurra o trio para fora de sua zona de conforto. Uma faixa caleidoscópica e sintetizada que destaca-se como uma das coisas mais cativantes que a banda já lançou.

Ao lado de sintetizadores, eles adicionaram fortes handclaps e melodias infecciosas. A doce voz de Mayberry constrói uma impressão maravilhosa, enquanto o pesado sintetizador destaca a delicadeza do seu timbre. “Get Out” é uma fatia eufórica de synth-pop instantaneamente reconhecível. Liricamente, é uma peça honesta e igualmente emotiva. O drop dos sintetizadores é nostálgico e fornece um equilíbrio ideal, além de ser incrivelmente memorável. Ademais, os tambores acústicos adicionam uma força extra. “As reflexões que você costumava ver nunca se parecem comigo”, Mayberry canta docemente no pré-refrão. Apesar de um pouco repetitivo e previsível, o refrão é exatamente o que você esperaria. Em “Deliverance”, Mayberry olha francamente para o lado nocivo da religião na vida moderna, criando o que pode ser a faixa mais ousada da banda até hoje. “Isso é libertação / Se você nunca pode mudar?”, ela questiona. Para aqueles que são atormentados pela inevitável hipocrisia das pessoas, isso pode ser bom para refletir. Embora haja muitas faixas que nos remontam ao passado do grupo, há algumas músicas que precisam ser observadas por suas mudanças sonoras. CHVRCHES leva as coisas para baixo, talvez um pouco demais, com “My Enemy” – uma colaboração com Matt Berninger do The National. Uma faixa electropop despojada e significativamente mais solene que mostra uma discussão entre um casal. Mayberry dá um passo para trás e canta juntamente com o barítono profundo de Berninger, misturando perfeitamente a sua efervescência com a profunda ninhada dele.

A melodia cinética de “Forever” faz a banda explorar seu arrependimento sobre um relacionamento que acabou. Ela tira proveito de uma batida turbulenta para nos lembrar quão fundo o rancor pode ser. Em seguida, “Never Say Die” trabalha sobre o mesmo tema, embora de forma mais direta e confiante. Em qualquer transição para um novo território você encontrará alguns erros, e às vezes “Love Is Dead” mostra as dores dessa mudança. O quarto single, “Miracle”, por exemplo, atraiu comparações com algumas músicas da Imagine Dragons. É uma canção que aproveita o mesmo tipo de batida que levou a banda liderada por Dan Reynolds ao purgatório pop. Embora grande parte do álbum seja sobre o fim do amor, CHVRCHES trata de se aprofundar em alguns dos problemas que afetam a política atual. “Graves” envergonha aqueles que estão ignorando problemas como a crise dos refugiados, referenciando os corpos nas praias. “Oh baby, você pode desviar o olhar / Enquanto eles estão dançando em nossos túmulos”, Mayberry canta ironicamente. Como de costume, um ritmo otimista desmente o fato de que as letras apontam para algo tão sério como a imutabilidade da morte. A sombria “Heaven/Hell” continua falando sobre a vida como algo instável e temporário, com letras como: “Nós podemos levantar nossos óculos, dançando sobre as cinzas enquanto queima”. Os vocais da Mayberry ficam em segundo plano quando Martin Doherty toma a frente em “God’s Plan”.

A reviravolta vocal sugere que CHVRCHES é realmente capaz de se transformar quando necessário. As canções restantes continuam explorando temas mais sombrios, oferecendo um forte contraste com as vibrações aparentemente positivas das primeiras faixas. “Really Gone” é uma balada mais lenta que se encaixaria na década de 80 – uma sonoridade que a banda desenvolveu ao longo dos anos. O álbum culmina em “Wonderland”, uma conclusão abrangente em que o trio tenta estabelecer um equilíbrio entre a maldade do mundo e seus sonhos. “Não posso viver para sempre com a cabeça nas nuvens / Não posso prever o tempo com meus pés no chão”, Mayberry canta enquanto toca numa preocupação global. “Nós vivemos em um país das maravilhas / Como o sangue não está nas nossas mãos / Quando será o suficiente?”. No geral, “Love Is Dead” é outro bom testemunho do quão cativante CHVRCHES pode ser. As aparições vocais de Doherty e do convidado Matt Berninger oferecem uma pausa sombria do pop habitual de Mayberry. Mas a maior parte do repertório é dominada pelos seus doces vocais. O som da banda foi maximizado com ajuda do Greg Kurstin, enquanto o equilíbrio mantido pela agressividade e vulnerabilidade cria uma experiência emocional. Aumentar a faísca sobre os valores de produção foi certamente um passo ambicioso, mas o som predominante parece ser dois passos para trás – quando comparado com a magia, exuberância e qualidade do “The Bones of What You Believe” (2013) e “Every Open Eye” (2015).

  • 63%
    SCORE - 63%
63%

Favorite Tracks:

“Get Out” / “Never Say Die” / “Graves”.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.