Review: Christina Aguilera – Fall in Line (feat. Demi Lovato)

Lançamento: 16/05/2018
Gênero: Pop
Produtores: Jon Bellion, Raul Cubina e Mark Williams
Compositores: Christina Aguilera, Jonny Simpson, Mark Williams, Audra Mae, Jon Bellion e Raul Cubina.

Depois de seis anos de silêncio, Christina Aguilera fez um retorno à cena musical com o lançamento de “Accelerate”, uma faixa que obteve uma recepção mista. Em seguida, ela lançou uma balada emocional chamada “Twice”. Embora seja uma canção bem arrendondada, ficou aquém de suas melhores baladas. Agora, Aguilera recebeu o apoio de Demi Lovato numa canção que foca no emponderamento feminino. Intitulada “Fall in Line”, é um número pop que se concentra em mostrar a força das mulheres. Vocalmente, é exatamente o que você poderia esperar de um dueto de Christina Aguilera e Demi Lovato. Ambas são conhecidas por não restringir seus vocais e, no geral, “Fall in Line” possui uma produção bem progressiva. Logo depois de alguns segundos, Aguilera apresenta vocais controlados e algumas nuances no primeiro verso. Lovato assume a liderança no segundo verso, mantendo um equilíbrio antes de se soltar no refrão. Posteriormente, ambas unem forças, particularmente nas duas últimas iterações do refrão. Liricamente, elas não apontam o dedo para o sexo oposto e não há nada sexualizado. É uma canção inspiradora que usa o empoderamento como mensagem principal.

Christina Aguilera começa a música cantando: “Garotinhas, escutem bem / Porque ninguém me disse / Mas vocês merecem saber / Que neste mundo, vocês não são obrigadas a nada / Vocês não devem a eles / O seu corpo e a sua alma”. Durante o refrão, as duas proclamam: “Mas eu tenho vontade de mostrar minha forçar / E eu tenho o direito de falar o que penso / E eu pagarei por isso / Eles irão me queimar na fogueira / Mas eu tenho fogo em minhas veias / Não fui feita para entrar na linha”. Posteriormente, no final da canção, há uma voz masculina distorcida que diz: “1, 2, 3 / Direita — 2, 3 / Cale a boca / Mexa essa bunda para mim / Marche — 2, 3 / 1, 2, 3 / Quem te disse que você tem o direito de pensar?”. Essa voz masculina parece ser usada para retratar o que boa parte da sociedade machista e misógina pensa. Embora contenha alguns clichês, não dá para negar que o conteúdo lírico de “Fall in Line” é poderoso. Enquanto isso, suas harmonias vocais estão no ponto e conseguem inspirar as mulheres a serem independentes. Mas, mesmo com todos os pontos positivos a cerca de “Fall in Line”, parece que falta algo. Não há uma magia acontecendo e a produção é monótona e fraca. Elas tentam compensar essa falha com os vocais, mas em determinados momentos exageram em suas respectivas interpretações. Provavelmente, seria uma música mais agradável se fosse algo mais íntimo e contido!

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.