Review: Anitta – Indecente

Lançamento: 26/03/2018
Gênero: Pop, Funk, Reggae
Produtores: DJ Yuri Martins, DVLP e Josh Gudwin
Escritores: Anitta, DJ Yuri Martins, Bigram John Zayas, Fuego, Luyo e Justin Quiles.

Em 26 de março de 2018, Anitta resolveu lançar uma nova música chamada “Indecente”. O videoclipe foi muito aguardado pelos fãs porque se tratava de uma gravação ao vivo na sua festa de aniversário. Gravado em uma tomada contínua, onde não há cortes e a câmera segue a cantora, o clipe se assemelha ao conceito de “Make Me Like You” da Gwen Stefani. O traje usado por Anitta foi inspirado pelo moda e música disco dos anos 70, especialmente o macacão vermelho com lantejoulas e as bolas de discoteca. No decorrer do vídeo, Anitta encontra com vários bailarinos e convidados, incluindo os cantores Pabllo Vittar, Nego do Borel, Jojo Maronttini, Di Ferrero, Kelly Key e Arthur Aguiar, e as modelos Isabeli Fontana e Izabel Goulart. Além disso, o seu marido também aparece no vídeo e lhe dá um beijo no final. “Indecente”, cantada totalmente em espanhol, foi produzida por DVLP, Josh Gudwin e DJ Yuri Martins e mixado por Josh Gudwin. É uma música sensual que faz uma mistura de pop, funk, trap e reggae, e fornece um refrão bem pegajoso.

Liricamente, Anitta se apresenta como um mulher obscena e maldosa que não se incomoda com a opinião alheia. As letras são simples, mas proporcionam uma escuta fácil e cativante. “Na frente das pessoas / Você me faz ser indecente / O quanto isso é bom / Ninguém pode dizer / Porque eu sou má de verdade / Má de verdade / E você gosta da maldade, dá pra ver”, ela canta no refrão. Basicamente, Anitta faz um jogo de sedução com um pretendente, enquanto o provoca com sua indecência: “Eu sou má, má de verdade / Me olhe na cara / Se você não está sendo sério, é melhor ir embora / Você não pode ficar na minha cama / Sou assim / Porque eu não confio em ninguém / Dá pra ver que você quer cair na minha / Você quer me provar”. Conduzida por teclados, guitarra e percussão, “Indecente” cativa pela melodia e instrumentação. Embora não cause o impacto de “Downtown” ou “Vai Malandra”, é uma faixa bastante grudenta. O envolvente refrão é o auge da música, especialmente pela inspiração reggae, backing vocal e posteriores batidas de funk.

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.