Review: Demi Lovato – Tell Me You Love Me (2017)

Embora existam fantasmas do soul tradicional encadeados através do registro, a produção é firmemente moderna – cheia de sons eletrônicos e alusões ao hip-hop e R&B. É o tipo de música que se adapta perfeitamente a Demi Lovato.

Faz quase dois anos desde que Demi Lovato lançou o seu último álbum, “Confident” (2015). Ao prometer seu disco mais maduro e honesto, ela conseguiu sua primeira indicação ao Grammy. Canalizando o R&B, Demi Lovato nos deu o primeiro vislumbre de sua nova era quando divulgou “Sorry Not Sorry”. Mesmo com apenas 25 anos de idade, a ex-estrela da Disney já provou ser uma força do pop contemporâneo. O seu novo álbum, “Tell Me You Love Me”, é pop no termo mais definitivo da palavra. Cheio de melodias infecciosas e sons modernos, o registro possui uma qualidade bastante cativante. Lovato finalmente nos apresentou uma coleção coesa inspirada pelo soul e R&B, com uma brilhante visão de sua trajetória profissional e pessoal. Neste álbum, ela fornece vocais incríveis e nos guia através dos altos e baixos de seus relacionamentos. “Tell Me You Love Me” pode ser sonoramente subjugado, mas garante que os seus talentos vocais tomem o centro do palco – seu soprano felizmente amadureceu ao longo dos anos. Liricamente, o álbum destaca sua força e vulnerabilidade apresentando uma montanha-russa emocional, que nos faz olhar para si com uma perspectiva completamente nova. O citado single “Sorry Not Sorry” é um número de R&B influenciado pelo soul que dá o tom para o restante do repertório. Nesta canção, Lovato expressa corajosamente a necessidade de auto-elogios, enquanto tenta afastar-se de pessoas tóxicas. Ao longo da produção agressiva, que incorpora elementos de gospel, ela fornece uma completa gama vocal.

Há poderosos vocais por toda parte, além de tambores, natureza soul, piano e sintetizadores. Ela realmente mostra suas costeletas vocais – subindo ao mais elevado nível que consegue. Um dos seus melhores momentos acontecem no refrão, onde ela é apoiada por outros vocais de apoio. A interessante faixa-título é um soul mid-tempo que apresenta um trabalho de produção de alto nível. Com entrega ligeiramente frágil, Lovato admite que precisa de um relacionamento amoroso para encontrar a felicidade. Uma canção mais profunda que mostra sua vulnerabilidade quanto trata-se de relacionamentos amorosos. Introduzida imediatamente por um rico instrumento de metal, “Tell Me You Love Me” mostra perfeitamente a força de seus vocais. Enquanto ela oferece outra performance preenchida com poderosas notas altas, os versos capturam sua atenção e o refrão atinge o auge da produção. Em seguida, Lovato desencadeia seu lado mais divertido na despreocupada “Sexy Dirty Love”. Esta canção possui um senso de diversão e faz uma inesperada mistura de disco e funk. Uma peça instantaneamente cativante que permite mais algumas acrobacias vocais fora de série. “Você é minha nova obsessão / Abandone qualquer hesitação / Amor, seja meu novo vício / Me envenene lentamente com seu amor”, ela canta no pré-refrão. A balada “You Don’t Do It for Me Anymore” proporciona outro momento memorável. Essa canção assume um significado diferente, embora meio devastador e revelador.

Quando você se aprofunda nas letras, começa a perceber um tipo diferente de ruptura amorosa. Emparelhada com uma linda melodia de violino, essa canção mostra o seu registro mais baixo antes de subir a grandes alturas no poderoso refrão. “Daddy Issues” é um número uptempo cheio de instrumentos de metal que abre com uma hipnótica batida de tambor. Mais uma vez, Lovato usa influências do passado em sua vantagem, falando sem remorso sobre seu amor por um homem. Além da produção moderna e inclinação sexual, há um aspecto pessoal no seu interior. “Você é o homem dos meus sonhos / Pois você sabe como partir / Mas ainda acredito que você mudaria por mim”, ela canta de forma otimista. Lenta, sensual e sedutora, “Ruin the Friendship” fala sobre sair de uma amizade e cruzar os limites sexuais com tal pessoa. Uma música infecciosa auxiliada por vocais mais despojados. “Seu corpo está tão lindo esta noite / Eu estou achando que é hora de cruzar a linha / Vamos acabar com a amizade / Fazer todas as coisas que imaginamos”, ela canta antes da melodia hipnotizante aparecer. Além da insistente linha de baixo, “Ruin the Friendship” se beneficia de alguns trompetes. Uma vibração mais lenta continua em “Only Forever”, outra canção que brinca com a ideia de namorar um amigo. Enquanto a faixa anterior era sexual, “Only Forever” é mais crua e coloca os sentimentos sobre a pessoa em questão. A balada midtempo “Lonely”, com participação do Lil Wayne, apresenta uma Demi Lovato mais vulnerável, particularmente no afiado refrão.

Uma música urbana, contemporânea e temperamental com ondulados sintetizadores, que a encontra infeliz em seu relacionamento atual. A produção subjugada tingida de R&B produz uma essência de melancolia que acompanha sua voz. “Cry Baby” abraça o soul retrô, ao passo que Demi Lovato oferece uma voz mais robusta no refrão. Esta faixa contém bons timbres de guitarra, ao longo dos quais nos levam diretamente para um solo na segunda metade. O refrão é definitivamente o destaque – tanto de forma lírica como melódica. Depois da sequência de baladas, “Games” muda o ritmo ao fornecer fortes vibrações de R&B. Direcionada a um garoto que não quer se comprometer, esta faixa possui vocais mais robóticos que introduzem uma onda de R&B típica dos anos 90. Dirigida pela guitarra e um leve acompanhamento gospel, “Concentrate” contém letras mais sedutoras. Uma peça apaixonada com uma ligeira influência de country, onde Demi Lovato se mostra submissa. “Amor, vou fazer tudo que você quiser / Me prenda como se eu fosse sua escrava”, ela canta no refrão. O álbum encerra com a midtempo “Hitchhiker”. Uma canção lindamente escrita, influenciada pelo neo soul e liderada por linhas de baixo, guitarras, órgãos e vocais impecáveis. “Tell Me You Love Me” pode ser facilmente considerado o mais forte e coeso trabalho da Demi Lovato até à data. Um álbum rico em vibrações de R&B e soul, e um reflexo de quem ela é como artista. Possui um trabalho de produção que não pode ser negligenciado e mostra que vocalmente ela está ficando cada vez melhor.

  • 72%
    SCORE - 72%
72%

Favorite Tracks:

“Sorry Not Sorry” / “Tell Me You Love Me” / “Hitchhiker”.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.