Best New Music: Julia Holter – I Shall Love 2

Lançamento: 07/09/2018
Gênero: Art pop, Pop barroco
Produtores: Cole M. Greif-Neill e Julia Holter
Compositores: Cole M. Greif-Neill e Julia Holter.

Acantora Julia Holter liberou detalhes sobre o seu novo álbum, intitulado “Aviary”, que será lançado em 26 de outubro de 2018. Com 15 faixas e cerca de 90 minutos de duração, será o maior disco da cantora até hoje. É um registro que ela se considera feliz por poder criar. Holter descreveu a gravação como um processo terapêutico e afirmou que representa “a cacofonia da mente em um mundo em fusão”. Nos quatro álbuns que ela lançou até agora, Holter transitou por arranjos delicados que fazem um abundante uso de ritmos de jazz e instrumentação clássica. A primeira faixa do álbum a ser compartilhada é “I Shall Love 2”, um número experimental que cresce ao redor de um coração descoberto. A nervosa estética do vídeo, dirigido por Dicky Bahto, capta a experimentação e a crescente energia dessa canção. “I Shall Love 2” é um importante exemplo de como a música pode ser mesclada com outras coisas sem renunciar à sua potência. É difícil imaginar uma canção recente que seja tão transcendente como esta. Holter inicia as coisas de forma calma sobre um ambiente misterioso e indeciso. Ela soa indiscutivelmente livre e desencadeia algumas cordas crescentes, percussão cintilante e vocais espiritualizados. Holter suspira seus pensamentos e é respondida por uma instrumentação incrivelmente refinada. As melodias do sintetizador em espiral transformam a canção em uma experiência sonora texturizada com toques de música eletrônica.

A primeira parte apresenta palavras faladas, enquanto a bateria eletrônica, o piano e o violino aparecem de forma constante. O sintetizador passa por ela e, mais tarde, as trombetas e as cordas aparecem no fundo. Posteriormente, os tambores acústicos encobrem os efeitos eletrônicos. “Estou apaixonada / O que posso fazer?”, ela canta como se estivesse com medo. Apropriadamente, a música gasta a maior parte do seu tempo em uma meditação calmante. Há uma grande atenção ao arranjo que captura a vibração reconfortante de encontrar um parceiro. “I Shall Love 2” mostra que há beleza e força na tristeza, confusão e vulnerabilidade. Aqui, Julia Holter pega um conceito simples – a natureza universal do amor – e o transforma em algo grandioso. Sua instrumentação barroca consegue construir uma paisagem sonora incrivelmente edificante. Um canto tão direto como o dessa canção não teria funcionado sob uma entrega totalmente polida. E o final atinge o impacto catártico através da força arrebatadora de sua desordem desajeitada. Evidentemente, é difícil não ouvir frases como – “Estou apaixonada / O que posso fazer, quem se importa com o que as pessoas dizem?” – sem lembrar dos seus traumas pessoais. Mas uma das coisas que mais estimula essa música são as melodias orquestrais maravilhosamente profanas. “I Shall Love 2” é um momento particularmente poético com lindas harmonias e um mantra terapêutico cheio de autoconfiança. O resultado é uma profunda contemplação, um convite para os ouvintes se prepararem para o álbum!

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.