Review: Zé Neto & Cristiano – Largado às Traças

Lançamento: 30/01/2018
Gênero: Sertanejo
Produtores: Philipe Pancadinha, André Vox e Victor Hugo
Escritores: Philipe Pancadinha, André Vox e Victor Hugo.

Criados na zona rural de São José do Rio Preto, São Paulo, José Neto e Irineu Vaccari chegaram à fama em 2012 depois que lançaram o seu primeiro disco. “Entre Amigos” (2012) trouxe diversas participações de outros artistas, incluindo Cristiano Araújo, George Henrique & Rodrigo e Israel Novaes. Mas somente em 2014, Zé Neto & Cristiano assinaram com a WorkShow, escritório de agenciamento artístico que também trabalha com Henrique & Juliano, Maiara & Maraísa e Marília Mendonça. Em 2015, a dupla gravou o primeiro DVD da carreira e foi a partir desse momento que se tornou conhecida no Brasil. Entre os maiores hits do duo paulista, encontram-se os singles “Seu Polícia”, “Sonha Comigo”, “Cadeira de Aço” e “Amigo Taxista”. Dito isto, “Largado às Traças” já pode ser considerada outro grande hit do Zé Neto & Cristiano. Lançada em 30 de janeiro, a faixa já figura entre as dez mais tocadas nas rádios brasileiras e Spotify. Entre as duplas sertanejas do momento, Zé Neto & Cristiano é certamente uma das mais talentosas. Ao contrário de boa parte dos seus colegas de profissão, os dois possuem uma escrita interessante. O conteúdo de suas canções, embora explorem sempre o mesmo tema, atinge um diferencial e utiliza metáforas melhores.

“Largado às Traças”, por exemplo, é provavelmente a melhor música do gênero lançada em 2018. Liricamente, Zé Neto & Cristiano cantam sobre solidão, porém, de uma forma bem mais consistente do que de costume. Sonoramente, o duo é acompanhado por violões, acordeão e tambores. Foi uma decisão inteligente gravar a canção de forma acústica, pois causou uma maior proximidade com o ouvinte. “Meu orgulho caiu quando subiu o álcool / Aí deu ruim pra mim / E, pra piorar, tá tocando um modão / De arrastar o chifre no asfalto”, Zé Neto canta nas primeiras linhas. Enquanto ele evoca sentimentos de tristeza, também injeta um certo humor com a frase “arrastar o chifre no asfalto”. Em seguida, o cantor faz algumas referências ao álcool insinuando que vai usar a bebida para escapar da realidade. “De novo, eu fechando esse bar / Afogando a saudade num querosene / Vou beijando esse copo, abraçando as garrafas / Solidão é companheira nesse risca faca / Enquanto cê não volta, eu tô largado às traças / Maldito sentimento que nunca se acaba / A falta de você, bebida não ameniza / Tô tentando apagar fogo com gasolina”, eles cantam no refrão. Além de fazer uso de letras mais inteligentes, Zé Neto & Cristiano conseguiram criar uma canção bem cativante!

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.