Review: Years & Years – Sanctify

Lançamento: 07/03/2018
Gênero: Pop
Produtor: Kid Harpoon
Escritores: Olly Alexander e Tom Hull.

Otrio Years & Years, formado por Olly Alexander, Mikey Goldsworthy e Emre Türkmen, surgiu na cena musical em 2014. Porém, foi em 2015 com o lançamento de “King” e o álbum “Communion” que eles realmente chegaram ao estrelato. Desde então, os britânicos lançaram outros singles de sucesso, incluindo “Shine” e “Desire”. Após um hiato que durou quase três anos, Years & Years finalmente retornou à indústria com uma canção. Depois de várias mensagens nas redes sociais, o trio lançou “Sanctify” em 07 de março de 2018. Uma faixa emocionante que veio acompanhada por um videoclipe imensamente conceitual. No vídeo eles combinaram visuais deslumbrantes com um ar de ficção científica. Eles estão vivendo numa sociedade chamada Palo Santo, onde o futuro é dominado por androides que usam os seres humanos como entretenimento. Olly Alexander é um dos seres humanos e aparece fazendo uma coreografia sensual sob uma cadeira. “Sanctify” começa com uma linha de baixo, batidas esqueléticas e reconhecíveis vocais de Alexander. Não demora muito para a música trazer o primeiro álbum do trio à mente.

De uma maneira boa, a canção não parece longe de qualquer coisa que escutamos no seu disco de estreia. Certamente, “Sanctify” é uma progressão natural do som apresentado no “Communion” (2015), porém, um pouco mais sombrio e escuro. O synthpop cativante marca presença, mas as batidas estão mais inclinadas para o dark-pop. Além disso, é uma canção que se baseia fortemente no pop dos anos noventa. Eles evitaram a música moderna em favor de algo mais nostálgico e pesado. O arranjo de R&B de “Sanctify” a fez soar ainda mais parecida com os sons do final da década de 90 e começo dos anos 2000. Produzida por Kid Harpoon, é uma canção inspirada, segundo Olly Alexander, por Justin Timberlake, Britney Spears e Christina Aguilera. “Então não quebre / Santifique meu corpo com dor / Santifique o amor que você anseia / Ah, e não vou, e não vou, e não vou me envergonhar / Perdoai meus pecados quando eu rezar”, ele canta no infeccioso no refrão. Embora não seja uma canção instantaneamente cativante como “King” ou “Shine”, é um single que se manteve fiel ao som do Years & Years.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.