Review: Tyga – Kyoto (2018)

Lançamento: 16/02/2018
Gênero: Hip-Hop
Gravadora: Last Kings Records / EMPIRE Distribution
Produtores: BatGangBeats, Bnchy, CashMoneyAP, Hitmaka, iDBeatz, Jess Jackson, LTTB, Nick Fouryn, Smash David e Ty Rose.

O mais recente álbum do rapper Tyga, é um registro superficial que sofre de uma grande falta de criatividade. É liricamente medíocre e possui uma produção sem graça na maior parte do tempo.

Seja como a voz de “Rack City” produzida por DJ Mustard, um duo ao lado do Chris Brown ou apenas como o ex-namorado de Kylie Jenner, Tyga nunca foi talentoso ou carismático o suficiente para se manter no topo das paradas. Quando ele anunciou em janeiro que lançaria um novo projeto, os fãs esperavam um álbum de rap. Entretanto, Tyga resolveu experimentar o R&B concentrando-se em cantar. Contendo quatorze faixas no total, o álbum possui as participações especiais de Gucci Mane, Kyndall, Tory Lanez e 24Hrs. Enquanto isso, a produção tem os gostos de Hitmaka, Jess Jackson e LTTB. Batizado em homenagem a uma cidade que fica a duas horas de Tóquio, “Kyoto” encontra o ex-rapper saindo de sua zona de conforto e oferecendo registros mais baseados em melodia. Aqui, ele fez uma mistura de piano e batidas tropicais, com a intenção de dar ao álbum uma sensação à la “More Life” (2017) do Drake. As ocasionais harpas de fundo também desempenham um papel importante na criação da vibe japonesa. Mas apesar da forte execução das batidas, os vocais são frequentemente carregados por uma enorme quantidade de auto-tune.

Ele assumiu um risco neste álbum, porém, isso não significa que foi uma manobra bem sucedida. Apesar de todas as suas conversas sobre saber cantar, Tyga se esforça para sustentar as melodias e parece bastante inseguro. Ele nunca foi habilidoso como letrista e aqui fornece muitos momentos dignos de constrangimento. Além disso, com base na capa não há muito o que esperar deste álbum. Se há uma capa simultaneamente intrigante e horrível, é a deste disco. Olhando para a imagem já podemos imaginar que o Tyga só vai falar sobre sexo. Ela é uma representação grosseira e vulgar de uma mulher inclinada sobre o corpo nu, com listras de tigre no primeiro plano da bandeira japonesa. “Kyoto” sofre por uma grande falta de imaginação e criatividade. É difícil encontrar uma faixa realmente boa por aqui. Há alguns refrões cativantes, mas no geral o Tyga mascarou o hip-hop com melodias altas e uma repetitividade incessante. Enquanto “Rack City” incorporava o rap da Costa Oeste dos Estados Unidos, “Kyoto” é preenchido por um punhado de músicas vagas e “tropicais”. Quase todas as músicas soam como faixas fillers do Drake de cinco anos atrás. Geralmente, é interessante quando um artista muda o estilo de sua música para um projeto específico.

Mas quando isso acontece há uma inspiração e conceito por trás, e apenas alguns deles conseguem satisfazer os fãs. No entanto, Tyga tentou cantar e fazer R&B, mas criou um álbum mais adequado para algum clube caribenho. Em outras palavras, “Kyoto” é um registro exaustivo e uma das piores experiências auditivas de 2018. Para efeito de comparação entre álbuns de rappers experimentais, este disco é mais próximo do “Rebirth” (2010) do Lil Wayne. Honestamente, o melhor que o Tyga poderia fazer era aproveitar qualquer magia que ele experimentou quando criou os hits “Rack City” e “Faded”. A faixa de abertura. “Temperature”, começa como uma promessa quando uma batida tropical se instala. Mas qualquer criatividade da produção é rapidamente abafada pelo canto intensamente sintonizado do Tyga. A linha de baixo e a produção dancehall nos remetem ao Drake, enquanto seus vocais cheios de auto-tune esmagam as batidas. Ademais, ele canta algumas linhas risíveis: “Garota, você nunca é minha / Eu perdi meu relógio e ainda encontrei tempo”. Em seguida, “Leather in the Rain” segue o exemplo com outra linha de baixo sobre uma batida tropical e um som EDM infundido no refrão.

Os vocais do Kyndall ajudam a complementar o minimalismo da canção, mas o conjunto geral não consegue ser memorável. Tyga costumava ser liricamente agressivo, mas sob a perspectiva de faixas como “U Cry” e “I Need a Girl, Pt. 3”, ele tentou destacar seu lado mais sensível. É uma pena que ele estraga tudo com seus vocais auto-sintonizados e versos constrangedores. O resto do álbum é praticamente a mesma música, feita de forma cada vez pior a cada nova iteração. É a mesma batida com a mesma entrega sensual. Tudo começa a piorar quando chegamos em “King of the Jungle” e “Hard2Look”. Ambas são inofensivas, confusas e não possuem ritmo algum. “Eu estou mentindo como o rei da selva”, ele canta na monótona “King of the Jungle”. O álbum decai cada vez mais e nunca consegue se recuperar. “Train 4 This”, por exemplo, pega emprestada a cadência vocal de “Dilemma”, a colaboração entre Nelly e Kelly Rowland. Porém, sua tentativa de parecer romântico cai por terra, quando ele fala sobre suas habilidades de agradar sexualmente uma garota usando duplos sentidos. Batidas de trap, melodias sintéticas e chimbais programados conduzem esta canção.

A décima faixa, estranhamente intitulada “Hot Soup”, é simplesmente horrível. Nesta canção, Tyga literalmente canta: “Ela vai me fazer sentir melhor, sim, como uma sopa de macarrão quente”. Nem mesmo os melhores recursos podem salvar este álbum de um desastre. Gucci Mane conseguiu combinar a crueza de suas letras com a produção mais suave de “Sip a Lil”. Porém, se ele não estivesse nesta música, ninguém teria sentido sua falta. Tory Lanez, por sua vez, conseguiu a proeza de estragar “Faithful”. Uma canção ruim sem nada particularmente excitante. Neste ponto do álbum, a única coisa boa é não ouvir apenas a voz do Tyga. Em todo o repertório, ele tenta dar o seu melhor para evocar memórias milenares do início dos anos 2000. Tanto que ele nomeou uma faixa de “Ja Rule & Ashanti”. Mas, infelizmente, é outra canção preguiçosa e sem inspiração. Tyga realmente não tem presença. No geral, “Kyoto” têm alguns arranjos agradáveis, mas o conjunto simplesmente não funcionou. É um álbum liricamente medíocre com uma produção sem graça na maior parte do tempo. Ou seja, é um registro decepcionante! Tyga é um cara que costuma imitar tendências, mas espero que ele volte com algo melhor em 2018.

  • 33%
    SCORE - 33%
33%

Favorite Tracks:

“Temperature” / “Leather in the Rain (feat. Kyndall)” / “Boss Up”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.