Review: Troye Sivan – YOUTH

Álbum: Blue Neighbourhood
Lançamento: 13/11/2015
Gênero: Dream Pop, Eletropop
Produtores: Bram Inscore, SLUMS e Alex JL Hiew
Compositores: Troye Sivan, Bram Inscore, Brett McLaughlin, Allie X e Alex Hope.

“YOUTH”, canção escrita por Troye Sivan, juntamente com Alex Hope, Bram Inscore e Allie X, é o atual single do jovem cantor. Mais uma vez, ele mostra como fazer um canção pop insanamente pegajosa. Essa música é, sem dúvida, um destaque óbvio do excelente álbum “Blue Neighbourhood”. Ao contrário de algumas músicas do EP “TRXYE”, lançado em 2014, “YOUTH” é um pouco mais pop e menos experimental. Troye Sivan vem se destacando entre a nova onda de jovens artistas, por conta de suas letras genuínas que falam sobre questões profundas e sentimentos importantes para ele. Entretanto, em “YOUTH” ele muda um pouco sua direção lírica, para falar sobre temas mais comuns no universo pop. É raro encontrá-lo cantando sobre festas e coisas superficiais, mas, felizmente, ele faz isso da melhor maneira possível.

“YOUTH” é apenas sobre ser um jovem que quer aproveitar a vida, sem se importar com o que os outros falam. “E se, e se fugirmos? / E se, e se sairmos hoje? / E se nós dissermos adeus são e salvo?”, ele canta no verso de abertura. Este single é a representação perfeita da emoção em ser jovem e ingênuo perante o mundo. O videoclipe, lançado em 24 de fevereiro de 2016, se passa em uma festa e, nada mais é, que uma boa representação disso. Seu conteúdo lírico exala uma alegria edificante, juntamente com um brilho pop e uma batida que pode fazer qualquer um querer dançar. “Porque nós não temos tempo para envelhecer / Corpos mortais, almas eternas / Cruze os dedos, aqui vamos nós”, ele canta em uma das melhores linhas.

Musicalmente, “YOUTH” é uma canção eletropop que mantém semelhanças óbvias com o estilo habitual de Troye, pois possui potentes sintetizadores e batidas gaguejantes. O seu instrumental é incrível, sendo suave na superfície, mas entrelaçado em suas camadas. Enquanto os versos são simples, a música é dominada por uma linha de baixo profunda, uma lenta percussão e uma matriz de sintetizadores melódicos. Resumidamente, batidas de hip-hop e eletropop formam a espinha dorsal dessa música. Suas camadas estouram através de coros vocais, auto-tune, batidas pesadas e amostras manipuladas. É uma verdadeira injeção de otimismo sônico que faz o ouvinte querer repeti-la várias vezes.

Embora alegre, sua composição geral é escura, mas ainda assim, bastante acessível. O aleatório “My youth!”, gritado ao fundo, também é outra peça que adiciona um toque especial e infeccioso à música. A sua estrutura usa a mesma estratégia de outras como “FOOLS” e “Touch”, porém, de uma forma muito mais intensa. Um dos melhores momentos é quando a bateria cai contra o sintetizador no final do refrão. Nesse momento, enquanto os backing vocals repetem o gancho principal junto do cantor, a canção explode em um som bombástico e totalmente eufórico. Pode-se dizer que “YOUTH” é uma vitrine perfeita para os vocais graves de Sivan, visto a bela combinação de seu refrão e pós-refrão. É uma canção verdadeiramente viciante, experimente ouvi-la.

79

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.