Review: Teyana Taylor – K.T.S.E. (2018)

Lançamento: 22/06/2018
Gênero: R&B,, Soul
Gravadora: GOOD Music / Def Jam Recordings
Produtores: Kanye West, Mike Dean, Che Pope, Mark Batson, BoogzDaBeast, Nathaniel Alford, Noah Goldstein, Plain Pat, Darkchild, Evan Mast, Andrew Dawson, Ely “The Creep” Rise, Nova Wav e Mykki Blanco.

Embelezado com o ouvido apurado do Kanye West para amostras, “K.T.S.E.” é uma ótima plataforma para o tremendo talento vocal da Teyana Taylor.

Oprimeiro lançamento da Teyana Taylor em quase quatro anos – intitulado “K.T.S.E.” (Keep That Same Energy) – vem como parte do projeto “Wyoming Sessions” do Kanye West. Nascida no Harlem, Nova York, ela tem 27 anos de idade, e também é atriz, modelo, dançarina e uma das artistas mais subestimadas da G.O.O.D. Music. Ela é uma cantora incrivelmente talentosa, com vocais amanteigados e um controle impressionante. Emparelhada com alguns samples antigos, ela realmente se destaca no álbum. Enquanto West mantêm a produção nas raízes da Taylor, ela canta sobre amor, sexo e prazer com muita indulgência e poder. Antes de assinar com a gravadora do rapper, ela teve dificuldades em se lançar através do seu antigo selo. Mesmo que você não esteja familiarizado com a sua música, há uma boa chance de você tê-la visto dançando no videoclipe de “Fade” do Kanye West. Além disso, Taylor também foi destaque em algumas faixas do álbum “Cruel Summer” (2012), uma compilação da G.O.O.D. Music. O “K.T.S.E.” foi o último disco lançado do “Wyoming Sessions”, ele sucedeu o”DAYTONA” (Pusha T), “ye” (Kanye West), “KIDS SEE GHOSTS” (Kanye West e Kid Cudi) e “NASIR” (Nas). Mas enquanto todos os outros eram álbuns de hip-hop com apenas sete faixas, o “K.T.S.E.” é um registro de R&B com oito canções. Além de toda sua grandiosidade, Teyana Taylor é uma artista talentosa com um alcance vocal inspirador.

Apesar de todo o drama que veio com o lançamento deste álbum, ela provou que não é uma cantora comum. “K.T.S.E.” é a exibição mais clara de seu talento, um triunfo onde ela transmite amor e paixão. Em um mundo dominado por artistas de R&B que conseguem produzir vinte faixas quase idênticas, a variedade aqui é revigorante. Como um dos mais diversos álbuns de R&B do ano, “K.T.S.E.” mantém uma estranha coesão graças ao fluxo. Raramente há pausas entre as faixas, mas por alguma razão a mistura de sons colabora positivamente. O álbum não é tão inovador quanto é extremamente confortável. As amostras de soul do Kanye West se encaixaram como uma luva, às vezes até melhor do que o habitual. Em “No Manners”, Taylor canta sobre estar em Copacabana com o marido. Uma breve e sólida introdução que não ultrapassa a marca de 2 minutos de duração. “Eu tenho um homem, mas não tenho boas maneiras”, ela canta. Além dessa linha central, Teyana Taylor expressa seu amor pelo marido sob um pano de fundo exuberante e algumas cordas de violino. A emotiva “Gonna Love Me” fala sobre a superação de alguns problemas em seu relacionamento. Os vocais lembram os da Jazmine Sullivan, enquanto ela jorra com desejo e luxúria. Essa faixa destaca os tubos expressivos e verdadeiramente ricos da Teyana Taylor. Ela segue através de uma sincera amostra de “I Gave to You” (The Delfonics), que foi colocada ao lado de um sentimento urbano dos anos 90.

Os sons de laser em “Issues / Hold On” são um pouco perturbadores, mas não prejudicam a música de forma significativa. Uma balada consciente que apresenta algumas de suas letras mais vulneráveis . Ela credita o olhar inquieto de seu marido a uma cultura que promove a insegurança masculina, enquanto explica suas próprias dificuldades pessoais com auto-estima. O soul continua dominando esta canção que, por sua vez, é alimentada por uma amostra de “I Do Love You” (Clint Black & the Eastside Band). Kanye West fornece um verso sólido em “Hurry”, enquanto a batida e a melodia minimalistas são lideradas pelo baixo. Teyana Taylor se mantém suave, mas alguns sons de orgasmo são aleatoriamente jogados pela música. Em seguida, a confiante “3Way” traz a presença de backing vocals masculinos. Ela expressa sua liberdade sexual e detalha como está disposta a deixar seu marido desfrutar de um sexo a três. Ty Dolla $ign oferece um verso inofensivo sem créditos, ao passo que uma amostra de “How Can I Love U 2nite” do Sisqó é jogada na mistura. “3 Way” não é uma canção ruim, mas parece que está faltando algo no instrumental. Mesmo se estivessem optando por uma abordagem minimalista, Kanye West, Darkchild e Mike Dean poderiam ter acrescentado mais algumas artimanhas. A peça central do álbum é “Rose in Harlem”, pois mostra sua versatilidade como artista e prova o quanto ela é uma cantora multifacetada.

Dessa vez, Taylor canta e faz rap enquanto fala sobre falsos amigos da indústria e os obstáculos de sua carreira. Musicalmente, “Rose in Harlem” contém sample de “Because I Love You, Girl” (The Stylistics) e interpolações com o poema “The Rose That Grew from Concrete” do 2Pac e “Spanish Harlem” de Ben E. King. Além de ser a faixa mais obscura e agressiva do álbum, possui uma honestidade que pode ser apreciada. É um golpe direto para os céticos, onde Taylor evita falar sobre relacionamentos e canaliza um fluxo acelerado sem perder o tom. Os trompetes cortam a música, ao passo que ela canta sobre florescer nas ruas de concreto de Harlem. A maravilhosa amostra de “Because I Love You, Girl” alimenta a canção, enquanto Taylor canta sobre a traição de pessoas próximas à ela. É uma faixa de R&B e hip-hop onde ouvimos versos de rap rebaterem sobre uma batida old-school. Liricamente, Teyana Taylor vai direto ao ponto: “Mas eu não estou chamando nenhum nome / Não, sem promoção gratuita”. No primeiro verso, ela se concentra na falha para conseguir sucesso – “Oh não, que vergonha / 10 anos no jogo / Você não é quente? / Você não é pop ainda? / O que há com você?” – e como esperado, vemos o elemento narrativo se sobressair. A percussão rebuscada a acompanha o tempo todo, enquanto ela usa uma “rosa” como metáfora, assim como 2Pac fez no poema “The Rose That Grew from Concrete”.

Embora não exista uma música ruim no álbum, “Rose in Harlem” se destaca como um sucesso absoluto. Em contraste com a faixa anterior, “Never Would Have Made It” é uma ode às pessoas que lhe ajudaram em sua jornada. O escrutínio do seu romance é bastante liberal. Ela escapa do típico conceito de amor e nos dá um gosto do que ela acredita. Ocasionalmente, sua voz cai para um registro mais convencional, enquanto os fãs de gospel poderão notar a interpolação com a canção do Marvin Sapp. A última faixa, “WTP”, é talvez aquela mais inusitada, porque a batida é estranhamente house. Quando você compara com as amostras de soul das outras músicas, ela não parece se encaixar no álbum. Mas é uma canção pomposa que chega aos fãs contemporâneos com uma produção inspirada na música eletrônica. Através de sua amostra selvagem, ela nos fornece uma forte nostalgia dos anos 90 e adiciona um pouco de equilíbrio no repertório. Neste álbum, não espere uma mudança radical da Teyana Taylor. O tempero do álbum vem de algumas canções de destaque, mas como um todo, “K.T.S.E.” parece mais uma celebração para os fãs. O repertório está no seu melhor quando Taylor está na vanguarda, misturando estilos e ideias em um pacote coeso. É moderno e imprudente às vezes, mas não deixa de ser bom. Como o álbum é muito curto, ele não abre tantas margens para erros. Ainda assim, Teyana Taylor deve se orgulhar de seus esforços.

  • 78%
    SCORE - 78%
78%

Favorite Tracks:

“Gonna Love Me” / “3Way” / “Rose in Harlem”.

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.