Review: Tame Impala – It Might Be Time

OTame Impala continua rastejando em direção ao “The Slow Rush”, seu futuro próximo álbum de estúdio, com o lançamento de “It Might Be Time”. Altamente ornamentada, com efeitos distorcidos e um amor óbvio pelo rock psicodélico e art pop, é mais uma maneira do Tame Impala filtrar sua excentricidade – Kevin Parker desliza sobre a batida com uma grande auto-confiança. Como o título sugere, as letras lidam com o envelhecimento e a inevitável passagem do tempo. “Você está afundando”, ele canta. “Você não é tão jovem quanto costumava ser”. Seria quase um despertar rude se as palavras não se dissipassem em uma névoa sonhadora. As letras não estão muito longe dos temas sombrios do seu último álbum, “Currents” (2015). Dado que Parker é um fã conhecido do Supertramp, as teclas receberam comparações com “The Logical Song”. Em um ponto, a instrumentação corta abruptamente enquanto ele alonga suas palavras. “It Might Be Time” já pode ser considerado o seu single mais cativante desde “Let It Happen”. Seguindo uma trajetória sônica semelhante, ela desenvolve uma sensação atmosférica com camadas de sintetizador e elementos de rock eletrificados. Pairando com um desbotamento nebuloso, a estética suave é o clássico Tame Impala.

Essa estética é particularmente parecida com uma das maiores músicas de sua carreira: “The Less I Know the Better”. Seguindo suas reflexões pessoais, “It Might Be Time” aborda o conceito de tempo e como isso pode afetar enormemente um relacionamento. “Talvez seja hora de enfrentá-lo / Não é tão divertido como costumava ser”, ele canta. Kevin Parker parece estar lidando com várias mudanças. Com a idade e o crescimento, as coisas de alguma forma tendem a mudar. O que costumava ser bonito e divertido pode não ser mais. Nem sempre precisa ser uma mudança negativa, mas tudo muda; “Nada dura para sempre”. No refrão, Parker fala sobre suas próprias mudanças internas. Então, ele admite que a mudança é iminente e não há nada de errado com isso. Depois de lançar “Patience” e “Borderline”, Tame Impala precisava de uma recalibração. Felizmente, “It Might Be Time” tem um som mais carnudo do que as citadas. Uma mutação psicodélica, pop e eletrônica influenciada pelos anos 70, enfeitada com uma percussão propulsiva, linhas de piano e sintetizadores semelhantes a uma sirene.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.