Review: Sam Smith – Dancing with a Stranger (with Normani)

Lançamento: 11/01/2019
Gênero: Disco-R&B, Pop
Produtores: Tim Blacksmith, Danny D, Stargate e Jimmy Napes
Compositores: Sam Smith, Jimmy Napes, Mikkel S. Eriksen, Tor Hermansen e Normani Kordei

Sam Smith voltou mais cedo do que imaginávamos. Depois de lançar “Fire on Fire” para a trilha sonora de “A Longa Jornada”, a sensação britânica vencedora de 4 Grammy Awards e 1 Óscar, retornou com um single chamado “Dancing with a Stranger”. No entanto, dessa vez ele não está sozinho – pois é auxiliado por Normani Kordei (ex-integrante do grupo Fifth Harmony). Os resultados são bastante positivos no geral. “Dancing with a Stranger” atinge a marca que deveria. Possui um trabalho de produção elegante e sintetizadores muito calorosos. Smith oferece vocais convincentes no primeiro verso, incluindo um falsete magistral. Ele continua brilhando no refrão cativante, cantando: “Olhe o que você me fez fazer / Eu estou com alguém novo / Ooh, baby, baby, eu estou dançando com um estranho”. Normani contrasta os vocais do Smith no segundo verso, afirmando: “Eu não iria nem sair hoje à noite / Mas garoto eu precisava tanto te tirar da minha cabeça / Eu sei exatamente o que preciso fazer / Porque eu não quero ficar sozinha hoje à noite”. Os dois cantam juntos o segundo refrão de forma bastante direta e altamente eficaz. O instrumental começa com estalar de dedos e de forma completamente nublada. Quando Smith abre o primeiro verso, a batida surge e permanece consistente e bem nivelada. Quando o refrão chegasse eu esperava que o instrumental fizesse uma reviravolta, mas o ritmo fica completamente sólido. Uma vez que nos aproximamos da ponte, o instrumental volta a fornecer estalar de dedos, enquanto traz o foco para as letras cantadas. Embora o tempo permaneça parado, os vocais de fundo e os sons fantasmagóricos preparam a canção para um grande final. Como a estrutura permanecendo sutil, “Dancing with a Stranger” exala um estilo sensual e sofisticado que funciona perfeitamente com a mensagem das letras.

Tudo reflete sobre temas que envolve solidão e arrependimento. Embora a faixa possa não ser vocalmente desafiadora e não destaque o alcance poderoso de ambos artistas, sua tranquilidade desencadeia um tipo de vibração luxuosa e encantadora. Isso prova que você não precisa cantar notas altas para mostrar suas habilidades vocais. O som misterioso e sombrio da produção – juntamente com a natureza cativante – permite que ambos se destaquem. “Dancing with a Stranger” faz uma mistura perfeita de disco e R&B com uma vibração soul e um refrão pop adequado. Onde Sam Smith às vezes cai sob um mar de falsetes, ele equilibra seus tons lindamente com os vocais quentes da Normani. O refrão não ocupa completamente a sua mente na primeira audição, mas se situa sutilmente em sua consciência depois de mais algumas escutas. Juntando-se à Normani, Smith resolveu se afastar um pouco de suas tristes baladas de piano e optou por um toque rítmico que eleva o som e as emoções que sempre transmitiu. “Dancing with a Stranger” encontra o artista procurando desesperadamente por uma cura para sua solidão. Ele se arrisca na pista de dança e cai nos braços de um estranho para uma rápida distração. Relativamente inspirada pela deterioração de um relacionamento enquanto Smith estava em turnê, a música destaca uma circunstância infeliz: faça o que for preciso para mascarar a dor. Os vocais da Normani são sufocantes e proporcionam uma extensão emotiva ao sentimento de perda e confusão do Sam Smith. Enquanto “Dancing with a Stranger” possui 3 minutos duração, é liricamente restrita se comparada com as narrativas do cantor. Mas atinge seu objetivo e pinta efetivamente uma história sombria de consertar o coração partido de alguém. Tudo é perfeitamente harmonizado em cada batida, nota e falsete desse carismático dueto.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.