Review: Rich Homie Quan – Rich as in Spirit (2018)

Lançamento: 16/03/2018
Gênero: Hip hop
Gravadora: Motown Records
Produtores: 30 Roc, Cassius Jay, Ch3f Cookup, Cheeze Beatz, D.I., Nard & B, Tasha Catour, Twon Beatz, Will-A-Fool, Xeryus G e Zaytoven.

“Rich as in Spirit”, a estreia oficial do rapper Rich Homie Quan, possui os mesmos temas que ele explorou nos primeiros dias da Rich Gang. É um álbum energizado e confiante que mostra seu esforço e talento.

Muita coisa mudou para o rapper Rich Homie Quan depois que ele fez sucesso com seus primeiros singles, se afiliou à gravadora Rich Gang do Birdman e ao seu ex-parceiro, Young Thug. Após quase dois anos sem lançar nada, ele assinou um novo contrato com a gravadora Motown Records, pela qual compartilhou a mixtape “Back to the Basics” (2017). Depois de muita especulação, Rich Homie Quan finalmente presenteou seus fãs com seu álbum de estréia, intitulado “Rich as in Spirit”. É um registro longo com um total de dezenove faixas e quase livre de recursos, com exceção da presença de Rick Ross na faixa “Think About It”. O título simboliza o valor que sua mente e espírito possui em comparação com o dinheiro. Inicialmente, Quan era nomeado por vários veículos de comunicação como um dos melhores artistas novos. No entanto, ele parou de lançar músicas e sumiu repentinamente da mídia, fazendo com que ninguém mais falasse sobre ele. Dois anos se passaram até que em abril de 2017 ele anunciou o lançamento de uma mixtape. Enquanto “Back to the Basics” (2017) era um trabalho sólido, parecia que Rich Homie Quan tinha perdido o interesse do grande público. Com um novo contrato de gravação, ele voltou aos estúdios e começou a trabalhar em seu álbum de estréia.

Mesmo depois de tanto tempo, ele conseguiu canalizar o início de sua carreira através das letras desse disco. Ele sabe que ficou muito tempo longe da indústria, então quer que o ouvinte saiba o que estava acontecendo. Instantaneamente, você pode ouvir a paixão de volta em sua voz. Depois de vários atrasos no ano passado, o seu aguardado primeiro álbum foi divulgado. Misturando influências sulistas com alguns elementos de pop, “Rich as in Spirit” supera todas suas mixtapes e pode ser considerado o seu lançamento mais forte até hoje. O repertório percorre com grande autoconfiança e mostra que o velho Quan está reenergizado. Ele fala sobre como suas perdas, arrependimentos e o que o definem como homem. Ao contrário de outros rappers, Quan assume total responsabilidade por quem ele se tornou. Pessoas tentaram orientá-lo e levá-lo para o caminho certo, mas ele recusava-se a ouvir conselhos. Foi surpreendente vê-lo lançando um álbum como este, uma vez que ele sempre foi um pouco arrogante. “Rich as in Spirit” é um registro emocional, porém, o fluxo de Quan mantém as coisas animadas. Desde o fim de sua parceria com Young Thug, uma longa batalha com sua gravadora e as controvérsias em torno de suas letras, Rich Homie Quan tem vivido dias difíceis. Portanto, esse álbum serve como uma resposta para esses meses turbulentos.

Musicalmente falando, ele trabalhou predominantemente com produtores estabelecidos de Atlanta, como Cassius Jay e Nard & B. O último foi um dos responsáveis por trás de “T-Shirt” do Migos e várias faixas das mixtapes do Future. Suas batidas costumam ser pulsantes e propositalmente desorientadoras. A primeira faixa, “Reflecting”, abre o álbum com uma batida sólida, enquanto Quan aborda suas jornadas e preocupações pessoais: “Eu não sabia que teria sucesso, agora sou famoso”. Ele certamente tem muita coisa para contar no decorrer de dezenove faixas. Músicas como “Fuck wit Me” destacam seu apelo pop, enquanto outras, como “Think About It”, ostentam suas habilidades como rapper. Essa última possui a participação de Rick Ross, o único recurso do álbum. “Eu comprei tudo o que sempre quis, mas ainda há espaços vazios”, ele recita. É uma canção aberta e transparente, que mostra Rich Homie Quan compartilhando momentos que quase o quebraram. O segundo single, intitulado “34”, é uma peça pesada com letras que justapõem as dificuldades de uma criação problemática com a fama. “Pode comprar Maybach, eu cresci sem cortinas / E quando eu entendi, eu vou manter minhas janelas enroladas de propósito”, ele diz, enquanto procura por uma maneira de preencher o seu vazio.

Embora seja um banger direcionado para as boates, Rich Homie Quan encontra uma maneira de contar sua história ao longo dessa música. Em “The Author”, ele afirma explicitamente que suas histórias são verdadeiras e não inventadas, e também ilustra o que mudou na sua vida depois que chegou à fama. Ele revitaliza seu fluxo enquanto fala sobre distribuir CDs na rua, fumar maconha no refeitório e comprar a casa em que cresceu. “Eu estava saindo prolixo do estúdio / Quando eles estavam no caminho para o café da manhã”, ele canta. “Quando eles estavam indo dormir / Eu ainda estava acordado”. Dessa vez, seu fluxo cai sobre sintetizadores aquosos e se espalha ao longo de uma linha de baixo pulsante. Da mesma forma que em “The Author”, Rich Homie Quan discute suas provações e tribulações nas três faixas seguintes, “Same Year”, “Never Fold” e “Long Enough”. Ademais, ele reflete sobre problemas familiares, abuso de drogas e adversidades com a polícia. Em “Same Year”, por exemplo, ele aborda uma série de infortúnios do passado e sua acusação por roubo quando tinha 21 anos de idade. Os sinos em “No No No” ecoam sob batidas programadas antes que tudo se dissolva num tom desbotado. Ele mergulha mais fundo em determinados assuntos – falando sobre sua avó e como ele lidou com a vida nas ruas.

Em “Perfect Flower”, Quan parece estar cantando uma balada de amor para alguém em especial. Ele parece vulnerável e implora pelo amor e atenção de tal pessoa. Tão entusiasmado quanto sua narrativa, é o seu talento para as melodias. “Achieving”, por exemplo, mostra alguns dos vocais mais polidos do rapper até hoje. Eu não gostei de “Changed” quando ouvi pela primeira vez. Eu achei ela superficial e muito parecida com outras faixas do hip hop moderno. Porém, quanto mais eu ouvia, mais ela se tornava suportável para mim. Depois do zumbido dos sintetizadores de “Understood”, Quan apresenta a interessante “4rm Me to U”. Sobre o som de uma guitarra, ele faz algumas reclamações para outros colegas de profissão. Em seguida, ele transita para “Simon Says”, uma das faixas com o melhor instrumental do registro. A dupla Nard & B realmente se superou quando produziu a batida desta canção, enquanto Quan fornece letras significativas na maior parte do tempo. Felizmente, neste álbum, o Rich Homie Quan fala sobre experiências reais que aconteceram com ele. “Rich as in Spirit” é um registro sólido que justifica algumas repetidas audições. Os fãs do rapper certamente ficaram contentes por vê-lo de volta à forma. Sua música falar por si mesma, portanto, esteja disposto a ouvir.

  • 77%
    SCORE - 77%
77%

Favorite Tracks:

“34” / “The Author” / “Think About It (feat. Rick Ross)”.

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.