Review: One Direction – Drag Me Down

Álbum: Drag Me Down – Single
Lançamento: 31/07/2015
Gênero: Pop Rock, Pop
Produtores: John Ryan e Julian Bunetta
Compositores: Jamie Scott, John Ryan, Julian Bunetta e Alfie Grant.

Lançada mundialmente em 31 de julho de 2015, “Drag Me Down” é o primeiro single do 5º álbum do One Direction e oficialmente o primeiro desde a saída de Zayn Malik do grupo. Escrita por Jamie Scott, John Ryan e Julian Bunetta, e produzida pelos dois últimos, a canção estreou no topo de diversas paradas musicais em sua primeira semana, incluindo o Reino Unido, França e Austrália. “Drag Me Down” é uma faixa de pop-rock mid-tempo, que apresenta um som mais maduro e prova que eles estão bem como um quarteto. É uma música que oscila e entrega um tema antigo para grupos pop: a valorização. Não é uma tema ruim, visto que as letras friamente incentivam e entusiasmam.

Ela começa com Harry Styles, que em vez de um riff de guitarra é auxiliado por uma seção de sintetizador e uma linha de baixo. Uma guitarra dedilhada só aparece estrategicamente quando Louis Tomlinson junta-se nos vocais. Em seguida, temos o pré-refrão que, com suas boas harmonias é, sem dúvida, uma das melhores partes da canção. Ele é movido por palmas consistentes que impulsionam os vocais de Liam Payne e Niall Horan em direção a um clímax. O refrão é muito cativante, como Harry canta: “Nobody can drag me down” e Louis entra fortemente com “Nobody, nobody”, juntamente com os dedilhados descolados de uma guitarra elétrica. A energia da música é realmente crescente e palpável, quando você menos perceber estará balançando a cabeça e batendo os pés conforme seu ritmo.

Basicamente, “Drag Me Down” cantarola junto com o vai e vem da guitarra e o baixo, sendo liricamente e melodicamente bem repetitiva e simples. É uma fórmula que eles usam há um bom tempo e vem dando certo, ou seja, continuarão explorando. É uma música infecciosa, musicalmente simples, com letras fáceis e um refrão explosivo. “Eu tenho um rio na alma e amor, você é um barco”, Harry declara com firmeza no primeiro verso, enquanto Liam é firme no refrão com a frase: “Todas essas luzes não podem me cegar / Com seu amor, ninguém me deixa para baixo”. Com relação aos vocais, você percebe que Harry andou tomando as notas altas de Zayn e particularmente excedeu expectativas.

Ele realmente mostra sua gama, cantando suavemente tanto as notas mais baixas como as altas, e ainda acrescenta um tom petulante no última refrão. A boa notícia para os fãs do grupo é que o quarteto soube aproveitar a ausência de um membro reservando momentos para cada um brilhar individualmente. A única desvantagem da música é que tanto o primeiro como o segundo verso contém as mesmas letras. Pelo menos ambos são cantados por diferentes membros, o que dá algum brilho ou distinção. Enquanto gerações passadas de boybands diminuíam suas forças, comercialmente falando, a cada novo disco lançado, o One Direction parece ainda manter-se forte mesmo depois de 4 álbuns de estúdio.

69

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.