Review: Miguel – War & Leisure

Lançamento: 01/12/2017
Gênero: R&B, Funk Psicodélico
Gravadora: RCA Records
Produtores: Miguel, Mark Pitts, Wayne Barrow, Arden “Keyz” Altino, Jeff Bhasker, Detail, Jerry “Wonda” Duplessis, Eyal Federman, Steve Mostyn, Happy Perez, Salaam Remi, Raphael Saadiq, Sir Dylan, David Andrew Sitek e Sidney Swift.

Em seu quarto álbum, “War & Leisure”, Miguel Pimentel foi capaz de misturar diferentes temas num só lugar. Aqui, ele conseguiu abordar a política, liberdade, prazer, sexo e amor, sem perder a consistência. Sonoramente, o álbum também é variado, uma vez que possui sons de R&B, funk, soul e pop. Sua obsessão por sons psicodélico, efeitos sonoros, instrumentos em camadas e falsetes eletrizantes são outros pontos que marcam presença. “War & Leisure” mostra um Miguel mais confiante que mistura temas políticos com os prazeres da vida. Como explicado por ele, o seu quarto álbum é político, mas não abertamente. Como filho de um pai imigrante mexicano e mãe negra, Miguel estava ansioso para injetar um discurso político nas suas músicas sexualmente carregadas. Lidar com temas de cunho político, logo após lançar o excelente “Wildheart”, um álbum carregado pelo desejo carnal, foi uma jogada arriscada.

Felizmente, Miguel conseguiu equilibrar o álbum de forma coesa entre o político e o pessoal. Cada música mostra o seu imenso talento como cantor, compositor e produtor. Ele não precisa de sintonização automática para manter sua habilidade vocal, um fator que atrai o público mais tradicional. Em “Criminal”, a voz de Miguel flutua sobre poderosos riffs de guitarra elétrica, bateria pulsante, textura em camadas e grandes harmonias. É uma faixa com grandes acordes e um perfeito exemplo da borda mais agressiva do cantor. Em seguida, “Pineapple Skies” faz uma verdadeira homenagem ao Prince, graças ao delicioso e cativante riff de baixo. O primeiro single, “Sky Walker”, é um número de R&B espaçoso, infeccioso e vibrante, interpretado ao lado de Travi$ Scott. Aqui, os elementos de trap ajudam a tornar a música mais contemporânea, enquanto Miguel combina letras políticas com amor e luxúria.

Enquanto a escura “Wolf”, com Quiñ, apresenta uma progressão de acordes que inclina-se fortemente para o blues, “Harem” possui uma abordagem mais sedutora com resultados igualmente impressionantes. Nesta faixa, os vocais de Miguel estão ainda mais excêntricos, ao passo que o ritmo da música é guiado pela percussão e contos obscuros de sua vida amorosa. O segundo single, “Told You So”, é preenchida por diferentes cadências sonoras. Os sintetizadores e efeitos peculiares são componentes que lhe dão ainda mais potencial. Uma canção funk dinâmica extremamente cativante! Uma guitarra distorcida aparece em “City of Angels”, enquanto Miguel recita letras despreocupadas com referências à destruição e ao apocalipse. Em um dos versos, ele canta emocionalmente: “Eu fiquei para trás quando todos fugiram para Nevada / Você sabe que eu, fiquei para trás para procurar o seu sorriso, oh não / Esperando encontrá-lo nos escombros”.

Na nona faixa, “Caramelo Duro”, com Kali Uchis, Miguel entra em contato com suas raízes latinas. Uma canção dinâmica e atrativa, com refrão açucarado e cantada principalmente em espanhol, que mescla ritmos caribenhos com o R&B e soul. Em “Come Through and Chill”, uma colaboração com J. Cole e Salaam Remi, os vocais de Miguel estendem-se sobre um instrumental neo-soul e downtempo. Os riffs de guitarra e baixo fornecem uma excelente paleta sonora para a música. O verso de J. Cole possui um grande teor político e torna “Come Through and Chill” ainda mais memorável. “É esse o olhar da liberdade, agora? / Isso é o som da liberdade, agora?”, Miguel pergunta em “Now”. Uma canção introspectiva conduzida por sombrias progressões de acordes de uma guitarra. Liricamente, é uma faixa que retrata alguns problemas dos Estados Unidos, da mesma forma que evoca esperança para o futuro.

No primeiro verso, temos uma óbvia referência a Donald Trump: “CEO do mundo livre agora / Construa seus muros altos e largos / Faça chover para mantê-los do lado de fora / Isso não mudará o que nós somos por dentro”. Em suma, “War & Leisure” é uma coleção muito energética, impulsionada principalmente pelo carisma de Miguel e suas melodias arrojadas. Ele já havia provado em várias ocasiões ser um dos cantores e compositores mais talentosos da atualidade. E, de alguma forma, ele cumpriu mais uma vez com as expectativas dos seus fãs. Este álbum possui um conceito que legitimamente sente-se íntimo e divertido de se ouvir. Brilhante, agradável e infundido pela turbulência política, “War & Leisure” é um testemunho do talento criativo de Miguel Pimentel!

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.