Review: Madonna – Medellín (feat. Maluma)

Lançamento: 17/04/2019
Gênero: Pop latino
Produtores: Madonna e Mirwais Ahmadzaï
Compositores: Madonna Ciccone, Maluma Londoño, Mirwais Ahmadzaï e Edgar Barrera

Madonna é e sempre será um ícone global. Ela abriu o caminho para outras popstars e ofereceu no passado álbuns visionários que ficaram eternizados na cultura pop. Mesmo em seus momentos mais questionáveis, nós conseguimos ver uma mente artística por trás de sua música. Além disso, se qualquer artista mostrou sua capacidade de alternar entre diferentes estilos, essa pessoa é a Madonna. Sua mais recente reinvenção é chamada de “Madame X”; o título do seu próximo álbum de estúdio, e também o nome do personagem camaleônico que ela interpretará. Em uma narração, ela detalha quinze identidades e explica: “Madame X é uma agente secreta. Viajando ao redor do mundo. Mudando de identidade”. E parece que o olhar artístico da Madonna está no auge em “Madame X”, que conta com participação de artistas como Swae Lee e Quavo, bem como de estrelas sul-americanas como Anitta e Maluma – o último do qual é apresentado no primeiro single. Co-produzido por Mirwais Ahmadzaï, colaborador do “Music” (2000) e “American Life” (2003), “Medellín” é bem diferente de tudo que já ouvimos da cantora. Então, você seria perdoado por supor que se trata de uma tentativa de lucrar com a crescente popularidade do reggaeton. No entanto, não podemos nos esquecer que Madonna se apaixonou carinhosamente pela cultura latina há décadas, desde quando lançou “La Isla Bonita” em 1986. Ela abre a faixa sussurrando ritmicamente as palavras “one, two, cha-cha-cha”. O primeiro verso possui sintetizadores arejados e vocais fortemente auto-tunados, enquanto Maluma sussurra uma palavra ou duas entre suas frases.

Uma batida rítmica de reggaeton entra em cena no refrão e dá início à festa. Em quase 5 minutos, o ritmo de “Medellín” parece refrescantemente relaxado, embora contenha alguns clichês líricos e estereótipos relacionados à Colômbia. A música combina uma melodia cantada com uma batida de reggaeton; enquanto ela e Maluma trocam versos em espanhol. No entanto, para seu descrédito ela menciona o passado violento da cidade envolvendo o tráfico de drogas: “Nós construímos um cartel só para o amor / Vênus estava pairando sobre nós”. O refrão aparece depois do primeiro par de versos, mas na verdade é o pós-refrão em espanhol, que se torna a parte mais cativante. É uma faixa mid-tempo impulsionada por um ritmo latino decididamente sem pressa e versos inexplicavelmente melodiosos e melancólicos. Vocalmente, Maluma faz a maior parte do trabalho pesado, com versos repletos de insinuações e referências à sua cidade natal e a própria Madonna. Dito isto, “Medellín” pode acabar sendo um momento maior para Maluma do que para ela. A música se estende por muito tempo, ao passo que a letra é impressionista, romântica e menciona a cidade apenas por acaso. “Tomei uma pílula e tive um sonho / Voltei aos meus 17 anos / Me permiti ser ingênua / Para ser alguém que eu nunca fui”, ela canta nos versos iniciais. “Tomei um gole e tive um sonho / E eu acordei em Medellín”. Como um single introdutório para o álbum, “Medellín” é sensual e elegantemente produzida. Dito isto, é uma música que melhora depois de sucessivas escutas.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.