Review: Katy Perry – Small Talk

Katy Perry provavelmente tem um novo álbum a caminho. Apesar de não ter sido anunciado formalmente, ela lançou um single em maio produzido pelo Zedd e agora retornou com “Small Talk”. Enquanto o visual mantém sua recente afinidade pelas estampas florais dos anos 70, a música em si prova ser antiquada para single. “Small Talk” reflete a ideia de quando um relacionamento termina e o ex-namorado se transforma em um completo estranho. É uma canção agridoce que lamenta a distância e o silêncio que cresce entre um casal quando eles se separam. “Nós passamos de estranhos para namorados e de volta a estranhos”, ela exclama no pré-refrão que antecipa a auto-realização sobre as conseqüências do término. Inicialmente, Perry questiona: “Não é estranho / Que você tenha me visto nua? / Nós tivemos conversas sobre ficar para sempre juntos / E agora falamos apenas sobre o tempo”. Isso captura perfeitamente a estranha tensão e o constrangimento que fica no ar depois que você termina com alguém. “Agindo como se não nos conhecêssemos / Fingindo, como se tivéssemos esquecido / Que éramos amantes / E agora não há mais nada além de conversa fiada”, ela canta no refrão borbulhante.

Co-escrita com Charlie Puth, “Small Talk” parece uma continuação saltitante de “Never Really Over”. Perry consegue abordar os momentos difíceis que ex-namorados experimentam depois da separação. A música foi lançada juntamente com um vídeo lírico de inspiração retrô que se concentra em dois colegas de trabalho que namoravam. Ela não mede as palavras quando se trata das inevitáveis ​​conversas que acontecem quando você se depara com um ex-namorado. Depois de um período de menor sucesso comercial, Katy Perry parece ter encontrado seu ritmo novamente, além de ter aperfeiçoado sua escrita. Onde “Never Really Over” contou a história de não querer desistir completamente de um parceiro, “Small Talk” serve como uma progressão natural, já que descreve a fase que vem depois. Uma música contemporânea com uma melodia impecável; o “blah blah blah” pode até ficar preso na sua cabeça. O ritmo é mais descontraído em comparação com “Never Really Over”, mas oscila o suficiente para te cativar. Mas é através dos sintetizadores cintilantes e das linhas de baixo que os vocais flutuam de forma envolvente. Um synth-pop midtempo que ganha vida no minuto final e floresce através de pulsantes sintetizadores. Apesar de não ter um refrão explosivo, é uma música despretensiosa e melódica. Katy Perry tem muito o que comemorar em 2019, especialmente depois de ganhar uma placa comemorativa de 100 milhões de certificações da RIAA – um feito que apenas outros quatro artistas conseguiram.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.