Review: Kanye West – On God

Com “On God”, a quinta faixa do seu novo álbum, “JESUS IS KING” (2019), Kanye West decidiu criar um hino gospel. Aparentemente, ele quer que todos pensem que é um novo homem – sem dizer palavrões ou fazer insultos. Entretanto, quando olhamos às letras atentamente, percebemos que ele não mudou muito. West abre “On God” mostrando apoio às mães solteiras e aos homens encarcerados, mas começa precipitadamente listar suas realizações pessoais. Consequentemente, a mensagem inicial é perdida imediatamente. Ele é inteligente o suficiente para usar Pi’erre Bourne, um dos principais estilistas do hip hop, mas a batida de “On God” é desfocada e obsoleta em comparação com suas colaborações imprevisíveis com Playboi Carti e Lil Uzi Vert. No geral, “JESUS IS KING” (2019) é uma bagunça lírica, alternadamente alienante e sem graça. West tentou mudar sua narrativa, insistindo que o seu sucesso aconteceu porque ele aceitou Jesus. Gemendo sobre o sistema tributário dos Estados Unidos e se esforçando para justificar os preços altos de suas linhas de tênis, “On God” é quase desconcertante. De forma hilária, ele explica que se cobrasse menos pelo Yeezy 350, sua família poderia passar fome, ou ele seria forçado a aparecer no programa “Dancing with the Stars”.

Seu fluxo é intermediário, nem angustiado nem especialmente urgente. Quando ele faz uma pausa sobre Jesus, aborda a questão do alto preço da sua linha de moda acima mencionada. Mas em outros lugares, West menciona novamente a controvérsia sobre escravidão que ele iniciou no ano passado, sem realmente esclarecer nada. “A décima terceira emenda, tenho que terminar, é por minha conta”, ele diz. Além do rap desleixado, sua capacidade como curador de estúdio não diminuiu completamente. Ele inseriu um arpejo de teclado nauseante e sintetizadores espaciais que parecem vir do futuro. Vale a pena mencionar “On God”, porque é a exibição mais descarada do potencial desperdiçado do álbum. Mas algumas escutas depois, ainda é impossível decidir se é hipnoticamente irritante ou uma peça realmente inteligente.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.