Review: Jason Aldean – Lights Come On

Álbum: Lights Come On – Single
Lançamento: 01/04/2016
Gênero: Country Rock, Bro-Country, Hard Rock
Produtor: Michael Knox
Escritores: Tyle Hubbard, Brian Kelley, Jimmy Robbins, Jordan Schmidt, Brad Warren e Brett Warren.

Lançada em 01 de abril de 2016, “Lights Come On” é oficialmente o primeiro single do sétimo álbum de estúdio de Jason Aldean. O cantor americano já foi um artista mais sólido, porém, atualmente, costuma ser instável e sempre adaptado ao som que está em alta no mercado. Em seus discos ele já inclui elementos de hip-hop, rap, R&B e bro-country, a fim de apelar para aquilo que é popular. Para tentar mostrar mais de sua capacidade de adaptação, neste novo single Jason Aldean curva-se totalmente ao country-rock. Na verdade, é um número hard-rock que soa como uma música country.

As fortes guitarras elétricas e os potentes tambores preenchem todo o espaço da música e fazem o cantor distanciar-se completamente do country tradicional. Se não fosse pelo sotaque e atmosfera ambiente, essa música seria rock puro. Os riffs crocantes de guitarra, as batidas eletronicamente processadas e o refrão impetuoso não me deixam mentir. Não é uma faixa tão ambiciosa quanto o single “Burn It Down”, do álbum “Old Boots, New Dirt”, mas é um hard-rock sem precedentes e nenhuma substância real. Por trás das guitarras não temos exatamente uma grande história. Aqui, Jason Aldean fala sobre o tempo que passa nos shows ao lado da multidão que o acompanha.

Basicamente, a canção não tem nada a dizer, pois as palavras são jogadas sem um grande propósito. “Quando as luzes se acendem, todo mundo está gritando / Isqueiros no céu, sim, o canto de todos”, ele canta no refrão. A produção geral de “Lights Come On” é muito alta, assim como os vocais de Aldean estão muito processados. Uma coisa surpreendente sobre esta canção é que ela precisou de seis pessoas para ser escrita, entre elas Tyle Hubbard e Brian Kelley do duo Florida Georgia Line. É vergonhoso imaginar que foi necessário tanta gente para escrever letras como estas, enquanto Jason Aldean não colaborou com o processo criativo. Enfim, “Lights Come On” é incoesa, desequilibrada e oferece pouquíssimos pontos positivos.

52

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.