Review: James Blake – Mile High (feat. Travi$ Scott & Metro Boomin)

Lançamento: 17/01/2019
Gênero: Trap
Produtores: James Blake, Metro Boomin, Dre Moon e Wavey
Compositores: James Blake, Leland Wayne e Jacques Webster

Nos últimos meses, James Blake tem visto colaborando cada vez mais com artistas de hip-hop, incluindo em “King’s Dead” – faixa da trilha sonora de “Pantera Negra”. Portanto, não é surpreendente saber que seu novo single, “Mile High”, é uma colaboração com Travi$ Scott e Metro Boomin. O corte arejado e influenciado pelo trap prova, mais uma vez, o quanto James Blake é um cantor flexível. “Nós em uma unidade, em loop / Passeio de dois lugares”, Scott canta na linha de abertura. “Quem vai deslizar? Quem está?”. Em outros lugares, a presença do James Blake é mais sutil e sempre palpável. “Não quero ver você sozinha, sozinha”, ele repete de maneira vertiginosa. A produção é despojada e você pode sentir os movimentos de ambos vocalistas. “Miles High” chega antes do lançamento de seu aguardado quarto álbum de estúdio, intitulado “Assume Form”, previsto para ser divulgado em 18 de janeiro pela Republic Records. Embora não esteja claro como esse improvável trio surgiu, geralmente é o inesperado que gera os melhores resultados. Nessa faixa, Travi$ Scott paga o favor que Blake lhe concedeu em “STOP TRYING TO BE GOD” do “ASTROWORLD” (2018). A faixa carrega mais do DNA do James Blake do que de seus colaboradores. “Mile High”, em contraste, é um exercício de contenção. Ela apresenta a percussão pela qual Metro Boomin é conhecido, mas nunca explode em algo que não seja um poema desequilibrado. A música tem alguns encantos, embora seja um pouco mais do que um registro de trap formado por chimbais.

O canto auto-sintonizado do Travi$ Scott acrescenta uma dimensão extra ao som meditativo de “Mile High”. Enquanto isso, a co-produção do Boomin, ao lado de Wavey e Dre Moon, nos dá uma sensação de urgência que é mascarada pela tranquilidade e tons melódicos do Blake e Scott. Liricamente, “Mile High” é mais moderada do que qualquer coisa encontrada no catálogo do Scott. Porém, é uma brincadeira excepcionalmente animada para um disco do James Blake – certamente essa será única vez em um dos seus álbuns que ouviremos frases como: “Bunda mais gorda que um pêssego”. Resumidamente, trata-se de uma peça tola e excitada sobre transar em um avião. “Assista ao ventilador enquanto ele gira / Nos meus braços fingir / Não sei onde você começa / E onde eu começo”, Blake canta fora de sua zona de conforto. A produção influenciada pelo hip-hop parece uma progressão natural para ele – que já havia colaborado com artistas como Kanye West e Kendrick Lamar. Mas o estilo pesado do baixo do Metro Boomin supera a música. “Mile High” tem um humor temperamental, uma frequência baixa, batida confortavelmente entorpecida e graves profundos. Em alguns momentos, a batida me lembra muito “Kevin’s Heart” do J. Cole e fornece uma ótima tela para as melodias. Elas são mais proeminentes neste caso, mas isso provavelmente é desnecessário considerando os artistas envolvidos. Em suma, “Mile High” é uma das músicas mais obscuras e estimulantes que o James Blake lançou nos últimos anos.

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.