Review: Iggy Azalea – In My Defense (2019)

Iggy Azalea retorna com seu primeiro álbum em cinco anos – soando pouco arrependida e tediosamente desinteressante. Infelizmente, ela não demonstra qualquer tipo de crescimento ou amadurecimento.

Depois de cinco anos repletos de manchetes sobre apropriação cultural, você pensaria que Iggy Azalea aprenderia com os erros do passado. No entanto, a australiana voltou com a mesma falsa falácia que ganhou acusações de apropriação cultural e músicas sem nada de novo para oferecer. Em 2014, Azalea alcançou um pico inimaginável em sua carreira quando “Fancy” chegou ao topo da Billboard Hot 100. Infelizmente, o interesse pela sensação do rap diminuiu rapidamente após o lançamento de seu álbum de estreia, “The New Classic” (2014). O tempo e a internet não foram gentis com ela. Ela enfrentou duras críticas ao seu estilo – com muitos acusando-a de imitar artistas negros – e de suas fracas habilidades de composição. Embora ambos pontos sejam válidos por si só, Iggy foi quase instantaneamente eliminada do mainstream pelo mesmo público que a acolheu. Com o passar dos anos, ela tentou se recuperar lançando um punhado de singles medianos, como “Team”, “Mo Bounce”, “Switch”, “Savior” e “Kream”. Mas durante todo esse tempo, os esforços para um possível segundo álbum continuaram sendo adiados e, eventualmente, descartados – “Digital Distortion”, por exemplo, nunca veio à vida. Sem novidades até 2018 – quando ela anunciou sua saída da Island Records e a ideia inicial do que se tornaria seu segundo álbum. Estreando quase um ano depois, “In My Defense” é ciente do seu passado ressentido, embalado por uma Iggy Azalea mais limpa e focada. Isso não quer dizer que seja um registro  profundamente introspectivo, de qualquer forma; ela preferiu manter seu estilo supérfluo. “In My Defense” não parece tentar restabelecê-la ao status de rapper de destaque.

Ela sabe que seu breve momento no topo ficou para trás e os danos à sua reputação provavelmente o manterão lá. Mas agora, Iggy está navegando em um novo reino: atendendo a um nicho específico de audiência. Sua coragem e a atitude estão presentes, mas outros ingredientes insignificantes, como as batidas chatas e rimas desajeitadas, fazem com que o álbum deixe um gosto amargo em sua boca. “In My Defense” é um registro simples de hip hop em suas fundações e permite que a rapper cuspa sua verdade sem tentar apontar para a rotação principal dos seus hits do passado. É apenas ela reencontrando seu amor pela música novamente e lançando um material do qual se orgulha. Mas “In My Defense” poderia ter sido uma oportunidade de iluminar sua carreira, mas ao invés disso, adicionou uma camada de ferrugem ao seu legado. Alguns recursos, como Lil Yachty, Kash Doll e Juicy J, não foram suficientes para causar algum impacto. O álbum começa com Iggy abordando a reação que ela recebeu ao longo dos anos. Ela coloca essas alegações em “Thanks I Get” e “Clap Back”, contando como ela ressurgirá de volta à cena. “Clap Back” tenta responder as acusações de apropriação cultural e racismo com frases como: “Porque eu falo assim e minha bunda é gorda, eles dizem que Iggy tenta agir como negro”.

Mais tarde, ela se dirige com uma linha infame, dizendo: “Eles me chamam de racista, a única coisa que eu gosto são caras verdes e azuis”. Ela não consegue aceitar as condenações plausíveis e os comentários sociais dos afro-americanos de forma sensata. Ela aborda a controvérsia simplesmente dizendo que as pessoas não concordam com quem ela é. Da mesma forma, “Thanks I Get” é uma dissensão amarga para aqueles que a deixaram de lado. Ela explora todo o ódio que recebeu e o impacto que causou ao longo de sua carreira, que ela acredita que merece mais respeito. “Sally Walker” é uma das poucas faixas interessantes do repertório – um número twerkable construído em torno de uma batida direta. O que a diferencia das demais é a interpolação inteligente de uma rima infantil. “Pequena Sally Walker, andando pela rua / Ela não sabia o que fazer, então ela pulou na minha frente”, ela diz. Sua versão é significativamente mais desenvolvida que a original – além de ser emparelhada com excelentes pancadas de piano e um ótimo videoclipe. Em seguida, “Started” vê a rapper pedindo sangue e se gabando de suas realizações. “Eu comecei do nada e agora eu sou rica”, ela canta. “Eu foquei em mim mesma e desde então não olhei pra trás / Eu comecei a pedir desculpas, mas que se foda”. Os sintetizadores especificamente chamam atenção, parecendo ter alguma intenção maliciosa – uma vingança contra algo ou alguém.

Enquanto isso, a sexualizada “Hoemita”, assistida por Lil Yachty, parece ser adaptada para clubes de stripper. Você pode praticamente ver notas de dólar chovendo enquanto Iggy Azalea canta o refrão. “Estive na minha merda, prestes a fazer twerk neste pau”, ela afirma no primeiro verso. “Spend It” contém momentos líricos estranhos, mas não inoportunos, para refletir sobre um eu menos bem-sucedido. “Eu costumava estar na minha bunda, mas isso é passado”, ela recita antes de voltar à sua rápida iteração. Esse mesmo tipo de repetição lírica prejudica o álbum em outros lugares. Seguindo suas reivindicações de ser rica, Azalea libera seu dinheiro comprando o que ela quer, gastando do jeito que ela quer. Ela faz reivindicações por sua dedicação e trabalho duro na indústria do rap, especialmente usando uma típica linha encontrada em muitas faixas de hip hop. É um ótimo conceito, especialmente por vir depois de “Started”, e, embora as palavras sejam constantemente repetitivas no refrão, é uma música cativante. “Fuck It Up”, outra faixa atrevida, faz fronteira com a insanidade e sobriedade, até que Kash Doll a interrompe. Mas há algumas palavras de sabedoria escondidas no meio das batidas. “Comme Des Garcons” e “Big Bag” também veem Iggy se gabar de seu estilo de vida luxuoso. A primeira, nomeada a partir de uma frase em francês que também faz referência à marca de moda japonesa, é particularmente eficaz. “Roupa por Dior / Essa puta gostosa de quatro”, ela gagueja sobre a produção obscura. “Sapatos com corações / Isso é Comme Des Garcons / Eu tenho gotejamento, eu tenho molho”. “Freak of the Week” é absolutamente imunda e apenas fala sobre sexo, nunca se aproximando de qualquer transcendência. Linhas repetidas compõem o refrão, levando-o a se tornar um pouco cansativo depois de ouvi-lo repetidamente. Musicalmente, contém elementos de “Slob On My Knob” do Tear Da Club Up Thugs, trio do qual Juicy J também fazia parte.

Isso nos leva para “Just Wanna” e “Pussy Pop”. O primeiro interpola inteligentemente elementos de “Superbad” e “Push It” do grupo Salt-N-Pepa. Parece uma receita para o desastre, mas Iggy de alguma forma faz com que funcione, de modo que o resultado final é ridiculamente divertido e atraente. “Pussy Pop”, por sua vez, não precisa de muita imaginação para descobrir do que se trata. Uma produção sem sentido de insinuações sexuais complementada pelo melhor rap da Iggy Azalea. É refrescante vê-la falando com franqueza, mas a maioria dos temas não foi tratada da forma que deveria. Nenhuma faixa por si só é necessariamente horrível, mas sua iteração faz o álbum fluir quase distraidamente. Até mesmo o ouvinte bem-intencionado acaba se perdendo no meio do repertório. Em suma, é o pior lançamento de sua carreira.

  • 39%
    SCORE - 39%
39%

Favorite Tracks:

“Sally Walker” / “Started” / “Fuck It Up (feat. Kash Doll)”.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.