Review: Gesaffelstein – Hyperion (2019)

Lançamento: 08/03/2019
Gênero: R&B alternativo
Gravadora: Columbia Records
Produtor: Gesaffelstein

Apesar de alguns pontos positivos, Gesaffelstein não é capaz de recriar glórias passadas ou mesmo de se reinventar com sucesso. No final de tudo, você fica completamente confuso e decepcionado.

Gesaffelstein é o apelido de Mike Lévy, DJ francês e produtor de música eletrônica da cidade de Lyon, mais famoso por co-produzir algumas faixas do esplêndido “Yeezus” (2013) do Kanye West. Enquanto o gênio de “Black Skinhead” é eterno e formidável, pelo menos três ou quatro faixas possuem a marca de Gesaffelstein. Desde então, ele lançou sua própria coleção de estreia, “Aleph” (2013), e, posteriormente, uma série de EPs, remixes e colaborações com Phoenix, Jean-Michel Jarre, A$AP Rocky e The Weeknd. É claro que Gesaffelstein busca se encaixar na elite do impressionante panteão da dance music francesa, e suas músicas eletrônicas – ligeiramente sombrias, cheias de sintetizadores pulsantes, batidas metálicas e melodias sinistras – lembram os momentos mais sombrios de atos lendários como Daft Punk e Justice. No entanto, a luta é para que Gesaffelstein se diferencie dos outros em vez de se enfraquecer no line-up de dezenas de produtores franceses que vieram antes dele. É um ato de equilíbrio complicado, e seu novo álbum de estúdio, o ainda desigual “Hyperion”, oferece uma série de aparições de alto perfil e melodias genuinamente acessíveis. No entanto, acaba lembrando os grandes do passado, em vez de cimentar uma identidade única para o seu criador. Dado o talento A-list recrutado para o “Hyperion”, seu primeiro single é, surpreendentemente, “Reset” – uma paisagem sonora instrumental cuja finalidade parece evocar alguma trilha sonora dos anos 80, ou até mesmo o clássico “Axel F” de Beverly Hills Cop. “Reset” acrescenta uma batida de hip-hop e uma linha de sintetizador que imita uma sirene policial, mas algo sobre isso parece vazio.

Embora possa parecer injusto para Gesaffelstein fazer esses paralelos óbvios, ainda há um forte senso de dejà-vu por toda parte. “Reset” vai direto para o que só poderia ser chamado de a joia da coroa do “Hyperion”, o single “Lost in the Fire” – uma fatia cintilante de pop e R&B dos anos 80 com participação de The Weeknd. Após a natureza empolgante de “Reset”, “Lost in the Fire” começa com um estrondo, literalmente: “Eu quero te foder devagar com as luzes acesas”, Weeknd canta nas primeiras linhas. A abertura é tão direta que é quase involuntariamente ridícula; pois canaliza um machismo sexual muito franco. A produção é sólida e legante, embora não tenha nada de novo ou impressionante. Os sintetizadores são o cenário perfeito para Weekend cantar. Como sempre, ele soa vocalmente soberbo e exibe seu tenor superior. Quanto às letras, a música não é repleta de sexo, mas possui suas linhas controversas. “Você disse que pode curtir garotas / Você disse que está passando por uma fase (…) / Bem, amor, você pode trazer uma amiga / Ela pode sentar em seu rosto / Enquanto eu te fodo direito”, ele canta. A pergunta que fica é: podemos perdoar Weeknd por essa representação horrível de uma relação bissexual? A especulação é que “Lost in the Fire” é baseada em torno do relacionamento entre ele e Bella Hadid. Possíveis controvérsias à parte, o restante da música se desenrola como algo simples e direto, pisando em uma linha entre o amor e a luxúria neurótica. Ele está lamentando a perda de um parceiro, sob um brilhante trabalho de sintetizador e um ritmo de condução que ele adotou anteriormente no “Starboy” (2016).

Embora eu não possa dizer que estou desapontado com essa música, também não estou impressionado. O padrão de bateria é extremamente similar à “Starboy” e faz com que “Lost in the Fire” perca um pouco do seu brilho para mim. A última vez que Pharrell Williams participou de um álbum francês foi no “Random Access Memories” (2013) do Daft Punk, que rendeu o grande sucesso “Get Lucky”. Aqui, ele flexiona suas habilidades em “Blast Off”, outro single do “Hyperion” e sua segunda faixa mais envolvente depois de “Lost in the Fire”. Sua linha de baixo gaguejante infunde um riff de disco com uma dose copiosa de codeína. Gesaffelstein também recrutou HAIM para “So Bad” e The Hacker e a banda de synth-pop canadense Electric Youth para “Forever”, para completar as faixas vocais. É interessante ouvir esses artistas díspares trabalhando dentro da casa de leme do Gesaffelstein, e isso faz com que você deseje que todas as dez faixas apresentem esse tipo de vocalista de alto nível. Assim, Gesaffelstein tenta preencher os espaços em branco: a faixa homônima de abertura do “Hyperion” consiste quase exclusivamente de uma oscilação de sintetizador instável, um tema que se repete em todo álbum para amarrar seus momentos mais reflexivos. Dito isto, é difícil não sentir que essas faixas foram um pouco negligenciadas. Eles trabalham dentro do enquadramento do registro, mas há o problema do semi-anonimato de Gesaffelstein. “Hyperion” tem momentos de conexão, onde as referências, influências e homenagens se juntam. Entretanto, o seu trabalho era manter essa magia de forma coesa; e continuar encantando de uma maneira que ele obviamente é capaz de fazer, embora não tenha feito.

  • 50%
    SCORE - 50%
50%

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.