Review: Frank Ocean – In My Room

Novamente, Frank Ocean lançou um single repentinamente sem qualquer anúncio. “In My Room” mostra a nova direção musical que ele está perseguindo – em vez de apresentar o mesmo vocal suave, Ocean decidiu se concentrar no rap. Liricamente, as letras acenam para um sexo violento, uma vida luxuosa e os efeitos da fama dentro de um relacionamento. Aparentemente, serão temas comuns no seu tão aguardado terceiro álbum de estúdio. “Você não vacilará quando a câmera estiver piscando, piscando / Não é falso, não é natural”, ele diz. Linhas como essas enfatizam os efeitos da fama em um artista que é conhecido por ser tímido. Muitas vezes, ele preferiu evitar publicidade e atenção; no entanto, mentalmente, sua música é incrivelmente estimulante, abordando questões como corrupção, fama, sexualidade e saúde mental. À medida que “In My Room” se desenrola, o rap é subitamente difundido na ponte por sua voz suplicante: “Pare de ser violento comigo”.

A canção foi co-produzida por Michael Ozuwuru, um colaborador conhecido que também foi responsável pela criação de “Chanel”. Musicalmente, há uma linha sutil de bateria e sintetizador que desfocam o rap enigmático. Em essência, resume sua capacidade de transmitir imagens às vezes preocupantes, que geralmente refletem sua experiência pessoal e equilibram um entendimento universal para seu público. “In My Room” mantém as coisas breves, marcando uma modesta duração de 2 minutos e 13 segundos. Sua abordagem está em algum lugar entre o R&B e o rap alternativo. Mas comparado ao seu melhor, não atinge o mesmo nível de grandeza, no entanto. Inicialmente, há uma melodia de piano sintetizada pontuada por um baixo suave. Embora a simples batida não pareça inicialmente tão boa, a mudança está longe de ser indesejável.

A produção é limpa e espaçosa, ao passo que os efeitos sonoros ocasionais impedem que a batida se torne repetitiva demais. Pode não ser o single mais atraente que ele lançou, mas definitivamente é um bom presságio para o que está por vir. Em outubro, Frank Ocean lançou “DHL”, o que desencadeou a discussão anual sobre o lançamento de um novo álbum. Mas se “In My Room” marca a perspectiva futura de um registro, é incerto – tudo o que sabemos é que ele continua imprevisível e versátil como sempre.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.