Best New Track: Florence + the Machine – Ship to Wreck

Álbum: How Big, How Blue, How Beautiful
Lançamento: 08/04/2015
Gênero: Folk Rock, Pop
Produtor: Markus Dravs
Compositores: Florence Welch e Kid Harpoon.

“Ship to Wreck” foi lançada como segundo single do álbum “How Big, How Blue, How Beautiful” de Florence + the Machine em 08 de abril de 2015. Assim como o primeiro single, “What Kind of Man”, essa canção foi muito aclamada pela crítica em geral. Não é pra menos, pois é uma música que oferece incríveis vocais da vocalista Florence Welch, bem como possui uma ótima produção de Markus Dravs. Musicalmente, é uma faixa de folk-rock e pop, que carrega um som inquieto e fala sobre comportamento auto-destrutivo. “Ship to Wreck” é uma bela canção que realmente exala um conflito interno em seu conteúdo lírico. Welch faz diversos questionamentos na letra, como por exemplo: “O que foi que eu fiz? / Eu bebi demais? / Estou perdendo o contato? / Construí este navio para quebrar?”. Alguns versos são confusos, mas o pré-refrão e o refrão são incrivelmente cativantes, assim como os vocais de apoio de influência gospel. Essa pista cimentou ainda mais o fato da banda estar reinventando o seu som.

Uma coisa muito curiosa a respeito deste single é que, apesar de seu tema, ele transmite uma sensação divertida, otimista e refrescante. Ele inegavelmente possui a assinatura da banda, no entanto, é um pouco mais radio-friendly que os singles dos seus álbuns anteriores. “Ship to Wreck” incorpora um ligeiro som rock, mas não é tão intenso e pesado como “What Kind of Man”, por exemplo. É uma faixa que equilibra as percussões rápidas com uma sonoridade mais suave. Desde o seu primeiro segundo, possui uma guitarra dedilhando e uma batida acelerada que soam acústicos. Os versos são cheios de metáforas e referências marinhas, como: “Agonizando de dor, os tubarões brancos / Nadando na cama / E aí vem uma baleia assassina / Que canta para eu dormir / Arrebentando as cobertas / Me prendeu em seus dentes”. Metáforas que falam sobre noites sem dormir e auto-destruição estão por toda parte, mas de alguma forma a música mantém-se arejada o tempo todo.

Instrumentalmente, a canção começa com uma mistura de guitarras melódicas, bateria e uma percussão adicional. Essa combinação de instrumentos carregam o rápido ritmo com facilidade e constroem a base para os vocais impecáveis de Florence Welch. Ela alterna sua voz entre os vários intervalos da faixa com facilidade, combinando notas altas com inferiores sem perder a energia. A banda, por sua vez, atinge algo surpreendente ao mostrar habilmente a emoção crua das letras, enquanto ainda cria uma faixa que você pode dançar junto. Em suma, “Ship to Wreck” é impressionante, sofisticada e fresca, em comparação com alguns dos números mais antigos de Florence + the Machine. Singles como esse e “What Kind of Man” foram eficazes ao mostrar a mudança artística e o real alcance da banda. Por fim, é uma faixa incrível assim como todo o álbum “How Big, How Blue, How Beautiful”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.