Review: Ed Sheeran & Justin Bieber – I Don’t Care

Oque acontece quando você coloca Ed Sheeran e Justin Bieber na mesma música? Normalmente, o resultado é um sucesso. Não é apenas um hit, mas um grande hit. A ideia de junta-los é um marketing de ouro. É algo que as rádios vão tocar exaustivamente e ficará nas paradas por muito tempo. Mas isso é apenas por causa do seu gigantesco poder de estrela. E para eles, “I Don’t Care” representa um retorno aos holofotes depois de um tempo longe. Além disso é a terceira vez que eles trabalham juntos, afinal quem não se lembra de “Love Yourself” – música escrita por Sheeran que se tornou o single mais vendido nos Estados Unidos em 2016? O mesmo sucesso foi seguido por “Cold Water”, uma colaboração entre o Major Lazer e o Bieber, também escrita pelo britânico. Mas se você não contar os backing vocals do Ed Sheeran em “Love Yourself” ou o fato de que ambos participaram de “Earth” do Lil Dicky, “I Don’t Care” é o primeiro dueto oficial entre os dois. É um emparelhamento inteligente que funciona em escala global e mostra o talento do Sheeran para melodias crescentes. Dessa vez, ele abandonou os riffs acústicos e chamou o produtor Max Martin – nunca é uma má ideia se você quiser um grande hit – para criar um ritmo vagamento influenciado pelo dancehall e pelos sons eletrônicos de “Shape of You”. Também mostra o talento do Ed para um refrão impermeável. Inquieta, alegre e com uma melodia agitada, a música capta uma sensação de estranheza que poderia dar lugar ao abandono.

“Eu estou em uma festa que eu não quero estar”, Sheeran começa em uma rápida cadência. “E eu nunca uso terno e gravata / Me pergunto se daria pra sair de fininho”. Então ele muda para algo pseudo-soulful, cantando: “Não acho que eu me encaixo nessa festa / Todo mundo tem tanto a dizer / Eu sempre me sinto como se fosse um ninguém / Mas afinal, quem quer se encaixar?”. Mais tarde, Bieber reduz o leve desconforto de seu amigo dizendo: “Com todas essas pessoas ao redor, fico louco de ansiedade” – uma admissão surpreendente para uma música pop, se não para alguém que tem falado sobre depressão com franqueza nas redes sociais. “Você está me fazendo sentir como se eu fosse amado por alguém”, eles cantam com as vozes entrelaçadas. A música continua descrevendo um cenário em que ambos artistas estão em uma festa. Mas este não é o tipo de festa que eles podem desfrutar. Portanto, as letras tocam levemente na ansiedade social que Sheeran já comentou em entrevistas. O refrão fica definitivamente cativante após algumas escutas, mas ao mesmo tempo não há muita coisa acontecendo nessa canção. Musicalmente, “I Don’t Care” é uma recriação virtual de “Shape of You”, enfeitada com vocais mais rápidos e uma batida vagamente tropical. As letras sobre querer fugir de uma festa para estar com quem você ama são bastante previsíveis, enquanto a produção não evolui ou experimenta um clímax. Em vez disso, é mais focada na mudança de harmonia, que só pode ser interessante por um tempo. Em outras palavras, “I Don’t Care” é cativante o suficiente para se tornar um grande sucesso, porém, uma aposta muito segura de ambos artistas.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.