Review: Drake – Summer Sixteen

Álbum: Views from the 6
Lançamento: 30/01/2016
Gênero: Hip-Hop, Rap
Produtores: Noah “40” Shebib, Boi-1da, Cubeatz, Brian Bennett e The Winans
Compositores: Aubrey Graham, Matthew Samuels, oah “40” Shebib, Brian Bennett e Kevin Gomringer.

A faixa “Summer Sixteen” é oficialmente o primeiro single do quarto álbum de estúdio do rapper Drake. Depois de dominar 2015 com o lançamento de duas mixtapes, “If You’re Reading This it’s Too Late” e “What a Time To Be Alive” (com Future), e o hit “Hotline Bling”, Drake está de volta com um novo material. “Summer Sixteen” foi lançada em 30 de janeiro de 2016 e, após vender 215 mil downloads na primeira semana, estreou em #6 lugar na parada da Billboard Hot 100 dos Estados Unidos. A faixa foi produzida por Noah “40” Shebib e Boi-1da, colaboradores frequentes do rapper, e contém amostras de “The Question Is” (The Winans) e “Glass Tubes” (Brian Bennett). Se você acha que a treta entre Drake e Meek Mill acabou, você está completamente enganado. Porque em “Summer Sixteen”, Drizzy manda várias indiretas para Meek Mill, rapper que já o acusou de possuir “escritores fantasmas”.

É basicamente uma continuação da disputa entre ele e Meek Mill. Em 2015, Drake já havia ganhado a rixa contra ele, após lançar uma série de diss tracks, mas, novamente, o rapper resolve contra-atacar. O primeiro verso é claramente destinado a Meek Mill, onde Drake diz: “Eu mando a música que incomoda / Por que vestir um colete se espero que mirem na cabeça? / Poderia ter te matado na primeira vez / Não precisa dizer mais alto, cara / Confie em mim, eu te ouvi da primeira vez / Não é nada pessoal, eu faria com qualquer um / E eu culpo o lugar de onde vim”. Aparentemente, Drizzy tenta ridicularizar Meek por sua entrega, muitas vezes, excessivamente agressiva e barulhenta. “Summer Sixteen” é realmente uma faixa onde temos um Drake prepotente e ofensivo, que se acha majestoso e intocável. No segundo verso, por exemplo, ele reflete sobre sua ascensão meteórica ao estrelato no mundo do hip-hop.

Ele diz que pode rimar de igual para igual com grandes nomes, como Jay-Z e Kanye West (“É, é o que todo mundo diz / Eu queria ser da Roc-A-Fella mas recusei o Jay / Ah, é a sua hora agora / E olha cara, a piscina do Ye é legal / A minha só é grande, é o que quero dizer / Eu sou o cara, é o que quero dizer / Fazendo as coisas acontecerem por aqui / Como deixaram eu reinar aqui embaixo?”). Por último, mas não menos importante, ele grita com o presidente Obama, dizendo: “Diga ao Obama que meus versos são como seus carros / São à prova de balas”. Uma referência ao presidente que votou em Kendrick Lamar durante uma batalha de rap. Em outros momentos, o rapper também faz algumas brincadeiras ao mencionar os movimentos de dança de Chris Brown, em referência ao vídeo da música “Hotline Bling”. Para finalizar, DJ Khaled aparece na faixa através de uma conversa para nos informar que “eles não querem que a gente tenha uma piscina maior que a do Kanye”.

Igualmente a fórmula de algumas faixas apresentadas na mixtape “If You’re Reading This it’s Too Late”, “Summer Sixteen” possui uma batida escura e esquelética, e é mais orientada para o rap. Tem uma entrega forte, agressiva, arrogante e destaca-se por ser uma faixa que os fãs realmente esperavam. Sua batida também possui um ar descontraído, juntamente com um sintetizador latejando ao fundo. O instrumental é hipnótico, amplo e bastante minimalista, na mesma veia de faixas como “Star67” e “The Catch Up”. Drake, certamente, encontrou um estilo único, enquanto “Summer Sixteen” parece manter a mesma sonoridade apresentada nos seus últimos números. Aqui, o seu fluxo permanece confiante, rápido e frio, e, no geral, é uma boa canção para Drizzy começar o ano. Embora não seja tão ambiciosa ou um verdadeiro banger, é um esforço admirável que mostra com propriedade a confiante lírica de Drake.

69

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.