Review: Drake – God’s Plan / Diplomatic Immunity

Lançamento: 19/01/2018
Gênero: Trap, Hip hop
Produtores: Boi-1da, Cardo, Yung Exclusive e Nick Brongers
Escritores: Aubrey Graham, Ronald LaTour, Daveon Jackson, Matthew Samuels, Noah Shebib e Nick Brongers.

Certamente, Drake está no auge de sua carreira, não é a toa que “God’s Plan” estreou em #1 na Billboard Hot 100. Em 19 de janeiro de 2018, ele lançou um EP com apenas duas músicas, intitulado “Scary Hours”. A primeira faixa, intitulada “God’s Plan”, é um excelente exemplo da força de Drake como rapper. Embora tenha a mesma veia de “Hotline Bling”, é um lembrete necessário de que ele ainda pode criar um rap comercial. Drake se tornou muito mais popular cantando hits como a citada “Hotline Bling”, “One Dance” e “Passionfruit”, entretanto, não deixou de ser um rapper por causa disso. Produzida por Cardo, Yung Exclusive, Boi-1da e Noah “40” Shebib, “God’s Plan” é um hino essencialmente cativante e poderoso. Embora seja algo que poderíamos esperar do Drake, é uma canção trap de grande qualidade. Ela começa com um sintetizador enigmático, enquanto ele murmura na introdução: “É, eles desejam e desejam e desejam e desejam / Eles desejam pra mim, é”. Liricamente, é uma faixa sobre tentar ganhar a vida e ignorar os haters que aparecem no seu caminho. “Ela diz: Você me ama? / Eu digo a ela ‘só em partes, eu só amo minha cama e minha mãe, sinto muito'”, ele recita na linha mais hilária da música. A programação de tambor que aparece na segunda metade do primeiro verso, auxilia o canto em oposição ao fluxo do Drake. O refrão acaba sendo um pouco mais pop-orientado do que o restante da música. Enquanto isso, a segunda parte possui uma abordagem mais agressiva. Apesar do conteúdo lírico não ser inovador para Drake, o que distingue “God’s Plan” de outras faixas é a forma como ele aborda tal assunto. Ademais, é difícil resistir as incríveis batidas dessa música!

E se “God’s Plan” é uma prova de suas habilidades como rapper, “Diplomatic Immunity”, é uma evidência ainda maior. Mais uma vez, ele pisa num território familiar sobre uma batida lúdica e maravilhosamente melódica. Produzida por Boi-1da e Nick Brongers, “Diplomatic Immunity” soa como outro clássico do Drake e é mais linda sonoramente. Mesmo falando sobre os mesmos temas, como sucesso, haters, dinheiro, mulheres e fama, ele não soa desinteressante ou chato. Basicamente, “Diplomatic Immunity” o vê falando de coisas que a fama lhe concedeu, assim como queixas repletas de sarcasmo. “Imunidade diplomática, foda-se / Toda aquela paz e essa unidade / Toda essa merda fraca vai me arruinar”, ele resmunga nas primeiras linhas. A produção é impressionante, graças à maravilhosa seção de cordas em looping, pesadas batidas de tambor, metais sinistros e ao chocalho. É uma música mais concentrada e orgânica do que “God’s Plan”. Ambas são interessantes e bem-sucedidas em seus próprios termos, porém, “Diplomatic Immunity” me cativou um pouco mais. “Eu tenho anéis multicoloridos como as olimpíadas, é claro / Em shows de prêmios, cortando a tensão, é claro / Meninas que me abraçam, perguntando-me: que talento é esse, garoto?”, ele diz em outro momento. Seja divertido ou inconveniente, não há como negar que músicas como esta proporcionam um drama muito cativante. Em comparação com “God’s Plan”, esta faixa possui um tom mais consciente. Sem um refrão real, “Diplomatic Immunity” oferece letras que contam uma história. Ademais, a produção é reforçada por cordas de sintetizador e tons melodramáticos. Pode não ser inovadora, mas é muito bem produzida e executada!

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.