Review: Drake – Care Package (2019)

Certamente, há alguns momentos datados, mas as melhores músicas são compatíveis com a discografia do Drake. A variedade de sons e batidas prova que é um dos álbuns mais satisfatórios que ele já lançou. 

Longe estão os dias em que os fãs do Drake tinham que vasculhar o YouTube e o SoundCloud para encontrar versões ilegais de suas músicas. Em 02 de agosto, ele lançou o “Care Package”, uma coleção com dezessete músicas criadas nos estágios iniciais de sua carreira, que finalmente foram compartilhadas nos serviços de streaming. Boa parte dessas músicas foram fundamentais para a ascensão do Drake à proeminência. A principal atração são quatro músicas antigas lançadas em antecipação ao “Take Care” (2011), que se tornaram clássicos entre os fãs de longa data, apesar de nunca terem visto um lançamento oficial. O objetivo do álbum parece tanto promocional quanto artístico – embora o primeiro não exclua necessariamente o último. Apesar de toda a hipérbole em torno do Drake, ele é realmente um MC de primeira linha. E, apesar de sete anos de diferença, há uma surpreendente coerência entre as músicas.

Juntas, elas equivalem a um álbum quase tão bom quanto alguns dos seus melhores trabalhos. Um fã casual pode até confundir o “Care Package” com um material novo. As faixas não são classificadas cronologicamente e, pelo que parece, possui uma fluidez impressionante. Isso ocorre porque, grande parte da produção, é baseada em samples atemporais. No “Care Package”, ele mostra diferentes gradações de suas habilidades, mas há pouca evolução.

Mas independentemente do que você ouve, no entanto, parece um momento apropriado para ele lançar um projeto como esse. A maneira como uma música sangra sob a outra, apesar de estarem separadas por alguns anos, me fez pensar sobre o quão onipresente a voz nasal do Drake e os sintetizadores obscuros do 40 são. Mas seu rap não mudou muito com o passar dos anos: talvez um pouco menos inventivo e mais plagiador. “Dreams Money Can Buy” é uma introdução interessante com uma linha em particular: “Meus rappers favoritos perderam ou não estão vivos / E eles tentam nos derrubar, eu, Weezy e Stunna”. A letra é um pouco diferente em 2019, especialmente após Drake ter se desentendido com um certo rapper que inspirou ele no início de sua carreira. Há alguns destaques que chamam nossa atenção imediatamente; “5AM in Toronto” é uma música icônica com linhas implacáveis ​​entregues uma após a outra, sem um refrão para interromper o fluxo ou quebrar o ritmo. Há uma incrível agressividade em sua voz que não ouvimos com frequência – ele definitivamente parece faminto. “4PM in Calabasas” investiga a história de sua carreira com muitas referências esclarecedoras, incluindo o conselho de seu pai.

Também adiciona perspectiva ao vitríolo contra seu pai em “Worst Behavior”. Embora não seja tão assustadora, ele desdenha o Diddy, Joe Budden e Meek Mill. Além de dirigir sutilmente suas palavras para outros rappers, Drake adota uma abordagem arrogante e gabaritada. Comparada à música anterior, é um pouco mais melódica e cativante. “Paris Morton Music” mostra perfeitamente sua abordagem multifacetada – tanto cantando quanto flexionando. Essa capacidade confere à música uma profundidade estelar e diversidade singular. A letra fala sobre viver a vida apenas para dar seu coração a uma mulher no refrão. “É preciso um certo tipo de homem para ensinar / To longe do bairro, mas entendo as ruas / Eu nunca joguei fora o papel com o meu discurso do Grammy / Porque eu não atingi os pináculos que pretendo alcançar”, ele diz. Drizzy já recebeu críticas por ter uma educação mais privilegiada em comparação com outros rappers, mas ele transforma isso em uma força de caráter. A última parte das letras mostra sua confiança e determinação para chegar ao topo. “Paris Morton Music” deriva de uma colaboração com o Rick Ross apresentando um verso usado em “Aston Martin Music” de 2010. Em “How Bout Now”, Drake lembra uma ex-namorada sobre todas as coisas que ele fez por ela. Ele se orgulha do seu status elevado, perguntando-lhe: “Que tal agora garota, que tal agora?”.

Seu canto mais suave aparece em várias faixas do “Care Package”, algumas das quais possui um estilo semelhante ao The Weeknd. “The Motion”, por exemplo, é uma faixa melódica onde ele fala de pessoas que só ligam para pedir favores. Sua produção excepcionalmente suave o encontra em um estado mental equilibrado e descontraído. “Free Spirit”, a colaboração de 2011 com Rick Ross, ainda é tão exigente hoje como há oito anos. “Coloque meu nome nessa porra, então eu sei que é real”, ele cospe aqui. E depois há a mística “Girls Love Beyoncé”, que consegue ser comovente de uma maneira que apenas o Drake sabe fazer.

O toque de “Say My Name” do Destiny’s Child a transforma em um apelo, e não em uma demanda – algo que a própria música reforça com as histórias pessoais. Drake expõe sua vulnerabilidade, falando sobre o desejo de ter alguém ao seu lado para que ele possa colocá-la em primeiro lugar. A própria Beyoncé aparece na faixa final do álbum, embora apenas cante apenas alguns trechos – Drake pretendia incluir “Can I” no “Views” (2016), mas optou por lançá-la sozinha após o vazamento. “Trust Issues”, por sua vez, é um número lento e melódico na qual a semelhança com o Weeknd é inconfundível. Ela pode soar familiar para o ouvinte porque o refrão é o mesmo de “I’m On One” – sua parceria com DJ Khaled lançada em 2011. A diferença entre as duas é que “Trust Issues” é mais atenuada e cantada apenas pelo Drake. Aqui, ele se vangloria: “Tudo o que me interessa é dinheiro e a cidade de onde sou”.

O lançamento coincidente de “Days In the East” o vê utilizando uma voz inchada e latejante, soando como uma criança frustrada quando entra em detalhes autobiográficos. Em um ponto particularmente comovente, ele relata a visita de Erykah Badu a fim de receber conselhos amorosos. “Draft Day” recebe influências da uma grande música da Lauryn Hill, “Doo Wop (That Thing)” – anos depois Drake usaria outro sample da Ms. Hill em “Nice for What”. Com seu estilo extravagante à moda antiga, é dedicada ao jogador de futebol Johnny Manziel, que é de Toronto e até exibe uma tatuagem da OVO. “I Get Lonely”, um remake de “Fanmail” do TLC, é a peça mais viciosa do conjunto, principalmente pelo refrão em loop. E depois, há “Jodeci Freestyle” – um dos números favoritos dos fãs incondicionais, em grande parte não reconhecido, intitulado em homenagem ao quarteto Jodeci. Entre outras finalidades estranhas está “My Side”, uma versão mais ousada da mixtape “If You’re Reading This It’s Too Late” (2015), que os fãs podem reconhecer de um trecho do curta-metragem de “Jungle”. “Club Paradise”, por sua vez, alterna entre um rap descontraído e o canto, com vocais de apoio do The Weeknd. Aqui, um representante de sua cidade natal aparece no título – é o mesmo nome do seu clube de strip-tease favorito de Toronto.

Eu recomendo fortemente ouvir o “Care Package” – ele fornece muitas informações sobre a carreira do Drake e as razões pelas quais ele se tornou tão popular. O projeto pode não gerar algum hit, mas tenho certeza que as pessoas ficarão surpresas ao ouvir a diversidade do repertório. É um grande testemunho de como ele melhorou e evoluiu desde que tais músicas foram gravadas. Todo o álbum parece semelhante em um certo aspecto, mas isso não interfere no andamento das coisas. E, como o próprio título sugere, é um LP para os fãs mais dedicados. Drake sabe como se promover, e é difícil não ver este lançamento como uma manobra de marketing. Dito isto, a compilação contém um número impressionante de faixas que merecem atenção.

  • 81%
    SCORE - 81%
81%

Favorite Tracks:

“” / “” / “”.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.