Review: Deerhunter – Death in Midsummer

Lançamento: 30/10/2018
Gênero: Indie rock, Pop Psicodélico, Noise rock
Produtores: Deerhunter e Ben H. Allen
Compositor: Bradford Cox.

Deerhunter é uma banda de Atlanta, Georgia, formada em 2001. Ela é composta por Bradford Cox, Moses Archuleta, Lockett Pundt, Josh McKay e Javier Morales. Bastante cultuada entre os fãs de rock alternativo, o Deerhunter, acabou de anunciar o lançamento de seu oitavo álbum de estúdio. “Why Hasn’t Everything Already Disappeared” será lançado em 18 de janeiro de 2019, mas antes temos uma pequena amostra chamada “Death in Midsummer”. Vale lembrar que este disco vem quatro anos após a publicação do “Fading Frontier” (2015), um álbum em que eles voltaram à performance total, focando em seu lado mais pop. Cada álbum do Deerhunter mostra uma nova faceta da banda, e com este álbum parece que não será diferente. “Death in Midsummer” é um retorno à forma com seu estilo barroco que gira em torno de uma linha em específico, enquanto o vídeo completo toca em imagens da mitologia ocidental. Bradford Cox aparece tentando entender o insensato, procurando direção, andando em torno de estradas poeirentas e um lar abandonado no meio do nada. É hora de descobrir novos horizontes! “Venha para baixo dessa nuvem / E deixe seus medos de lado”, Cox canta ingenuamente nas primeiras linhas.

E quando ele toca o cravo, suas letras também invocam imagens religiosas: “Que a vontade de Deus seja feita / Nestas colinas envenenadas / E deixe o diabo ser lançado em sua prisão”. Neste single podemos ver como a banda continua incansável quando se trata de explorar o som de suas guitarras. Passando por diferentes fases, onde um certo grau de tensão é misturado às vezes, a banda faz uma caminhada serena em direção à incerteza. O vocalista questiona o objetivo de qualquer coisa em um mundo virado de cabeça para baixo. “Seus amigos morreram e suas vidas simplesmente desapareceram”, ele canta sobre os tons do cravo. “Alguns trabalhavam nas colinas, alguns trabalhavam nas fábricas, trabalhavam em suas vidas e com o tempo você veria sua própria vida desaparecer”. Embora seja reconhecidamente sombrio, Bradford Cox não tira conclusões reais. Enquanto “Death In Midsummer” não possui algumas das aventuras sonoras do trabalho anterior do Deerhunter, ela sinaliza um período de profunda introspecção, dado as rupturas políticas e culturais dos últimos anos. É uma balada suave e misteriosa que exige repetidas escutas. O som é vintage, mas a progressão é familiar. Há até mesmo um solo de guitarra que é absorvido por uma mistura de sintetizadores.

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.