Review: David Guetta – Don’t Leave Me Alone (feat. Anne-Marie)

Lançamento: 27/07/2018
Gênero: Synthpop
Produtores: David Guetta e Lotus IV
Compositores: David Guetta, Linus Wiklund, Noonie Bao e Sarah Aarons.

Destinada a ser um hit no verão do Hemisfério Norte, “Don’t Leave Me Alone” é um synthpop colorido e futurista que apresenta Anne-Marie. A estrela britânica passou a ser requisitada depois do sucesso de “Rockabye”, hit da banda Clean Bandit e Sean Paul. Depois de lançar seu primeiro álbum, “Speak Your Mind” (2018) no início deste ano, ela também apareceu em singles do Rudimental, Major Lazer e Marshmello. Agora, Anne-Marie resolveu se juntar com o David Guetta. “Don’t Leave Me Alone” é uma canção radiofônica que combina uma rápida percussão com um sintetizador efervescente, a fim de criar um refrão entusiasmado pontuado por palmas e teclas de piano. Para o DJ francês, “Don’t Leave Me Alone” segue uma tendência de singles lançados em 2018, que inclui músicas como “Mad Love” (com Sean Paul e Becky G), “Like I Do” (com Martin Garrix e Brooks) e “Flames” (com Sia). Guetta está quase finalizando seu sétimo álbum de estúdio, previsto para ser lançado ainda este ano. Enquanto isso, Anne-Marie está programando uma turnê pela América do Norte para este verão.

Por mais que seja radio-friendly, esta música não soa como David Guetta. Para ser honesto, considerando o envolvimento dos dois artistas eu esperava algo diferente. “Nunca me deixe, nunca se vá / Eu vi na TV, eu sei como funciona / Mesmo quando você está com raiva, mesmo quando sou grossa / Nunca me deixe, não me deixe sozinha”, Anne Marie canta no refrão cheio de auto-tune. Liricamente, esta canção fala sobre não ser capaz de terminar um relacionamento por medo de ficar sozinha. É algo bem relativo, mas também bastante simplista e clichê. Você já esteve tão apegado a uma pessoa que não conseguia imaginá-la deixando sua vida? É exatamente essa sensação que o David Guetta e a Anne-Marie querem captar. É uma música bem animada, mas com um humor lírico sensível e sentimental. Inesperadamente, o efeito auto-sintonizado em sua voz provoca uma sensação emotiva. Mas apesar da melodia edificante e do refrão envolvente, “Don’t Leave Me Alone” possui um drop muito genérico. Enfim, não é uma música inovadora ou ousada, mas possui um refrão demasiadamente viciante.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.