Review: Chance the Rapper – The Big Day (2019)

Ouvir “The Big Day” pode se tornar um trabalho árduo, quase opressivamente otimista. No entanto, ele possui algumas maravilhas escondidas em seu interior. Chance ainda é um dos rappers mais talentosos da indústria, e há sinais desse brilho em metade das músicas.

Chancelor Bennett se casou e quer que todo mundo saiba. Conhecido como Chance the Rapper, o casamento com sua namorada de longa data Kirsten Corley é a atração gravitacional de tudo o que está sendo atrelado ao seu primeiro álbum de estúdio. No início deste ano, os dois finalmente se uniram em um matrimônio sagrado, e essa celebração familiar gerou um registro intitulado “The Big Day”. Parece estranho rotulá-lo como o álbum de estreia do Chance the Rapper. Depois de oito anos ativo, ele já lançou três mixtapes independentemente, um álbum colaborativo e inúmeras funcionalidades em lançamentos importantes de artistas como Justin Bieber, DJ Khaled, Cardi B, Ed Sheeran e Kanye West. Ironicamente, o “Coloring Book” (2016) – uma dessas mixtapes – recebeu uma indicação ao Grammy de “Melhor Álbum do Ano” em 2017. No entanto, “The Big Day” é de fato o primeiro álbum de estúdio do Chance the Rapper.

Com 22 músicas e uma enorme duração de 80 minutos, o álbum nos re-apresenta um homem com uma infinidade de perspectivas da vida; embora quão relevantes e significativas sejam essas perspectivas agora está em debate. Mas com uma tracklist cansativa, o álbum falha na promessa de suas mixtapes.  O “Acid Rap” (2013) continua sendo o ponto de entrada para a maioria de suas músicas – o que lhe rendeu um burburinho inicial.

Entre alegres alucinações com drogas, “Acid Rap” (2013) era caleidoscópico e questionador, explodindo com uma vitalidade surpreendentemente juvenil. Três anos depois, “Coloring Book” (2016) caiu do céu, um resplandecente passo adiante. Com essa mixtape, Chance alcançou um ritmo especialmente potente, entrelaçando o gospel e o rap com alma para fazer o sermão moderno mais propulsivo e ondulado que você possa imaginar. A ideologia cristã espreitava a cada esquina, a cada verso, mas sua escrita era astuta e sem peso. Porém, nada disso aparece no “The Big Day”; é uma celebração, obviamente. Mas é ao mesmo tempo extremamente gentil e impessoal. De muitas maneiras, representa a libertação menos contemplativa do Chance the Rapper, evitando o suspense e o conflito, tanto pessoais quanto sociais, em favor de algo mais leve e dinâmico. Ao contrário de seus trabalhos mais urgentes, não há tensões fervendo sob a superfície. Sua voz, agitada e rouca, continua cativante. Se o álbum é centrado em torno do triunfalismo de um dia de casamento, então a mistura caótica de estilos musicais – hip-hop, trap, R&B e house – não faz sentido.

Como um álbum, as músicas não têm um foco estreito. É tudo muito otimista e animador no papel, e ainda mais afiado que o estilo positivo que ele começou a franzir no ano passado. Não há velocidade na produção e nenhum desejo ardente nas letras. Mas não é frustrante porque as músicas são terríveis. Na maioria das vezes, eles são realmente agradáveis, desenrolando-se como uma pegajosa playlist do Spotify. Bennett é sombrio nos estágios iniciais do “The Big Day” – sua nostalgia o leva a momentos do passado em sua cidade natal. “Do You Remember”, por exemplo, presta homenagem à sua infância. Ao lado de uma produção liderada pelo piano, Chance expressa seu amor pelos verões passados ​​em Chicago.

Após o segundo refrão, o ouvinte é transportado para os dias atuais. Tendo sido pai há quatro anos, as referências ao seu filho logo aparecem. A transição é desanimadora, mas antes do final da música, é evidente que Chance estava pronto para assumir o presente, incluindo a vida de casado e a paternidade. Interpondo o que começa como uma ode suave ao funk tingida de gospel, “Eternal” rapidamente nota que “os manos do lado não podem dançar assim”. Smino, um dos pilares da era do renascimento do hip hop de Chicago, marca o território com um rap em rápida sucessão e quase rouba o show.

É perceptível até o final de “Eternal” que Chance encontrou seu relacionamento ideal; fornece tudo o que ele quer e excede fundamentalmente qualquer coisa que ele possa obter de outras mulheres. Isso parece ótimo, mas começa a se desgastar à medida que o tempo de execução do álbum aumenta mais e mais. Em números como “Big Fish”, obtemos algumas dicas sobre como a auto-análise do Chance evoluiu. Tendo o privilégio de ser um dos artistas independentes de maior sucesso da indústria, fica claro que o proprietário do selo agora se vê como um grande MC. Gucci Mane encerra ao relembrar suas experiências não-musicais e destaca a jornada de ambos. Felizmente, ele acrescenta alguma humildade ao que pode ser facilmente interpretado como arrogância. 

No entanto, o fato de Gucci Mane, dentre todas as opções, adicionar um senso de fundamentação, ilustra o quão inchado o escopo do “The Big Day” é. A experimentação é espalhada com cuidado por todo o repertório, juntamente com a incorporação de uma ampla variedade de fluxos e cadências. Infelizmente, quando apresenta faixas como “Hot Shower”, ele erra o alvo. Igualmente bem-sucedidos ou errados são os recursos do álbum. Chance parece estranhamente caricatural e incapaz de nos convencer em algumas músicas. Esse tipo de confusão reina no “The Big Day”, levantando a questão de por que o projeto precisa ter uma enorme quantidade de faixas.

Mas mesmo na primeira metade do álbum, números como “We Go High”, apesar de ótimas em sentimentos, não vêem Chance the Rapper no seu melhor momento lírico. Linhas como “foda-se indo direto para os profissionais, sou professor” deixam “We Go High” meio esquisita e uma opção desconcertante. No entanto, essa distorção não está presente em todas as músicas e, quando ele acerta, consegue ser bem-sucedido. Parece que a assistência familiar traz o melhor do Chance, como quando colocado ao lado do seu irmão Taylor Bennett em “Roo” – onde a dupla se eleva ao enfrentar o classismo e a saúde mental.

“Found a Good One (Single No More)” é Chance no seu momento mais repetitivo e boring. “Eu não sou mais solteiro”, ele repete cerca de vinte vezes. “Acontece que ela é do tipo que se casa”, ele sorri para a esposa com um brilho nos olhos e borboletas no estômago. “Me dê beijos em seu tempo livre / E ela é muito minha / Com o cabelo preso em um coque, ela me surpreende com o almoço”.

“Ballin Flossin”, com participação de Shawn Mendes, é uma house beijado pelo sol que flutua sem causar nenhum impacto genuíno; enquanto isso, a faixa-título é um pop-rap irritantemente tedioso, cuja guitarra sem alma e bateria sombria arrastam-se pelo que parece uma eternidade. Em determinados momentos, Chance é capaz de desenhar arcos parecidos com o “Acid Rap” (2013) e o Coloring Book (2016), já que os problemas sociais e a religião se encontram com a meia-idade. Esse aceno para épocas passadas está gravado no tecido do “The Big Day”, particularmente a incorporação de Deus e adoração – que formava uma parte fundamental do “Coloring Book” (2016).

“Town on the Hill” forma literalmente uma oração direta, enquanto ele canta “obrigado pai, pai” no refrão e reconhece o amor que o Senhor lhe deu. Talvez a maior questão que nos resta depois de ouvir o álbum seja exatamente o que realmente é “o grande dia”. Mais amplamente, o LP inteiro parece concordar com amor e união, embora holisticamente seja anti-climático. Mesmo com seu foco em espaços reservados da vida, musicalmente erra bastante e falha na tentativa de envolver o ouvinte. Nos poucos momentos em que ele ganha nossa atenção, demonstra um realismo e autenticidade que formaram sua base de fãs. “The Big Day” é o trabalho mais fraco do Chance the Rapper até agora. Quando um álbum se aproxima dos 90 minutos, você espera que pelo menos metade do projeto seja marcante ou memorável. Mas, em vez de buscar a massificação, na tentativa de fazer uma grande declaração sobre ser um marido amoroso, ele peca pela repetitividade e cansaço. Em vez de falar sobre o mesmo tema, ele devesse nos contar sobre seus medos no casamento, expectativas de vida ou mesmo sobre algo sórdido – ou sobriamente engraçado – da curta união deles.

  • 69%
    SCORE - 69%
69%

Favorite Tracks:

“All Day Long (feat. John Legend)” / “I Got You (Always and Forever) [feat. En Vogue, Ari Lennox & Kierra Sheard]” / “Town on the Hill”.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.