Review: Carly Rae Jepsen – I Really Like You

Álbum: EMOTION
Lançamento: 02/03/2015
Gênero: Dancepop, Synthpop
Produtores: Peter Svensson e Halatrax.
Compositores: Carly Rae Jepsen, J Kash e Peter Svensson.

Carly Rae Jepsen, dona do smash hit “Call Me Maybe” que estourou no verão de 2012, lançou recentemente o primeiro single, intitulado “I Really Like You”, do seu terceiro álbum de estúdio. O álbum está previsto para ser lançado nesse mês de junho, precisamente no dia 24. A música foi escrita por Jepsen, J Kash e Peter Svensson, com produção sendo feito por Svensson e Halatrax. Um vídeo para a mesma já foi lançado com participação do ator Tom Hanks, Justin Bieber e um grande número de bailarinos. “I Really Like You” estreou na Billboard Hot 100 na posição #48, vendendo 38,000 downloads na primeira semana. Até o momento, seu maior pico foi a posição #39, tornando-se o seu terceiro single top 40 nos Estados Unidos. No Reino Unido conseguiu um maior destaque e estreou em #3 lugar na parada de singles do país.

Carly Rae Jepsen, atualmente, com 29 anos de idade (sim, ela realmente tem 29 anos), trilha o seu retorno com uma música que tenta recriar o sucesso de “Call Me Maybe”, que é inegavelmente uma música chiclete e viciante, por mais irritante que tenha sido o seu sucesso (na época, a canção tocou em tudo quanto é lugar por meses e meses). “I Really Like You” é uma canção dancepop e synthpop, que incorpora elementos da música new wave dos anos 1980. Ainda traz muitos elementos açucarados, sendo praticamente uma reminiscência do seu álbum anterior, o “Kiss”. É uma canção de amor inofensivo e meio sem sentido, com uma letra extremamente repetitiva, onde a cantora fala a palavra “really” cerca de 60 vezes ao longo de três minutos e meio.

A atmosfera eufórica da música ajuda a vender essa sensação de estar apaixonada e admitir abertamente seus sentimentos. Ela serve como um retrocesso para os velhos tempos do pop bubblegum. “I really, really, really, really, really, really like you”, ela canta no doce refrãoO refrão não possui um gancho melódico e nem as cordas sincopadas e viciantes de “Call Me Maybe”, por isso prende essa lacuna com essa repetição de palavras. Sua letra é mais voltada para os pré-adolescentes apaixonados, no entanto, a produção consegue passar um ar de qualidade. Peter Svensson  capacitou a cantora canadense para lançar uma música que tem tudo a ver com seu sucesso anterior. Embora não seja tão extravagante e vistosa como “Call Me Maybe”, é uma canção que pode potencializar o lançamento do seu novo álbum.

67

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.