Review: blink-182 – NINE (2019)

É surpreendente o quão bem o novo som do blink-182 funciona, embora a voz do Skiba nem sempre esteja confortável com a produção. Como sempre, angústia e afeições não correspondidas são temas frequentes, mas tudo parece complacente demais.

Oblink-182 abriu caminho para muitas bandas de pop punk que chegaram à fama no início do século XXI. No entanto, colocá-lo na mesma frase que maturidade pode causar confusão. Além de sua idiotice e auto-depreciação, a banda sempre esteve em um processo de amadurecimento profundamente adolescente. Seja no álbum de mesmo nome ou no “Take Off Your Pants and Jacket” (2001) – sim, isso é uma piada sobre masturbação grosseiramente velada como título -, a banda sempre procurou lidar com o envelhecimento e a dor de cabeça em termos distintos da adolescência. Afinal, eles podem ser mais velhos e sábios, mas com certeza não eram nos primeiros anos de carreira.

A alegria de sua música mais pensativa residia na amargura da emoção (“Stay Together for the Kids”) ou em alguma onda de tristeza (“Miss You”). Eles se divertiam com a estupidez e a emoção da juventude, independentemente de quão fugaz possa ser. Músicas como “All the Small Things” e “What’s My Age Again?” não definiram o gênero pop punk, mas serviram de inspiração para outras bandas. “NINE”, o título sem imaginação do seu mais recente LP, é menos sutil – curiosamente, é o oitavo álbum de estúdio da banda. É o tipo de material estressado que praticamente grita: nos leve a sério! Seriedade e maturidade são as novas regras. Aqui, o grupo tenta se colocar no cenário musical sempre em mutação de 2019. Entre os produtores, há nomes conhecidos como Pharell Williams, Tim Pagnotta, Andrew Watt e The Futuristics. Atingido por desgostos amorosos, Mark Hoppus assume a liderança – em determinado sentido, é um movimento astuto.

“NINE” é uma representação crível de uma banda que precisa enfrentar a confusão e a perda da meia-idade. No entanto, a grande questão não é o conceito explorado, mas a execução. Hoppus e Skiba são rotineiramente reflexivos, mas o mesmo não se pode dizer dos arranjos, que parecem ecos vazios de antigas glórias ou cenas estranhas do pop moderno. A maior preocupação não é tanto a experimentação, apesar de todo o seu endividamento, é realmente uma tentativa ousada de enfrentar a rejeição a longo prazo. Hoppus e Skiba estão descobrindo suas almas e o melhor que podem reunir como pano de fundo é uma semelhança sem fim. As guitarras raramente se sobressaem, elas são projetadas para combinar com uma correia transportadora de refrões infecciosos. Grande parte do “NINE” parece estranhamente reminiscente de “Adam’s Song” – e parte do problema está nas letras exageradas. O blink-182 está pensando em sua tristeza e, como tal, há pouco espaço para humor ou ironia. Em vez de oferecer brutalidade e desolação, a banda optou por uma sensação de melancolia. Essa escolha tonal pode colocá-los como estadistas pensativos, mas exala pouquíssima emoção. Quem conhece o blink-182 do final dos anos 90 pode não reconhecer todos os membros de hoje. O teórico da conspiração extraterrestre, Tom DeLonge, saiu em 2003 após seu álbum auto-intitulado para buscar novos horizontes no Angels & Airwaves. Anos depois, DeLonge retornou para criar o “Neighborhoods” (2011), mas desde então, seus vocais foram substituídos por Matt Skiba, do Alkaline Trio. Felizmente, o baterista Travis Barker escolheu ficar. Ele continuou trabalhando com o blink-182, além de se se envolver na produção de inúmeros projetos de hip hop durante sua carreira.

Com quinze faixas no total, o álbum fornece uma retrospectiva pouco formulada da carreira musical do blink-182. A tracklist está repleta de referências autobiográficas à saúde mental e aos desafios da vida artística, servindo como uma jornada cronológica de sua história. Um dos principais ingredientes para o sucesso do blink foi a dinâmica vocal entre o registro mais baixo do Mark Hoppus e o grito estridente do Tom DeLonge. Dito isto, Matt Skiba parece que está apenas imitando o Hoppus, tornando as músicas estranhamente parecidas. Isso torna o “NINE” mais “funcional” do que “emocionante”. Até a precisão dinâmica do baterista Travis Barker parece mundana neste ponto. E certamente não há nada de memorável nas letras.

Na primeira escuta, a faixa de abertura do álbum, “The First Time”, evoca a incerteza de um novo relacionamento. “Primeiro amor, não há nada como a primeira vez”, eles cantam. Expressões de desilusão e incerteza aparecem sobre camadas de sintetizadores, bateria e, claro, muita guitarra elétrica. Em termos musicais, há uma sensação pop punk tradicional definida, mas ouça mais atentamente e os sinais da produção moderna serão mais aparentes. Tudo soa como se tivesse sido limpo, não há como negar o esforço envolvido; no entanto, suas arestas eram inegavelmente parte de seu apelo inicial. “Happy Days” é uma meditação enganosamente otimista sobre “acordar e sentir-se perdido no mundo”, de acordo com uma declaração de Mark Hoppus. Apesar do tema sombrio, sua principal chave é a batida propulsora. O mesmo tema aparece no interlúdio “Darkside”; “Vou para o lado sombrio com você”, que pode ser interpretado como uma canção de amor sobre um relacionamento tóxico. O tiroteio em massa em Thousand Oaks no ano passado, apenas alguns quilômetros da casa do baterista Travis Barker, o obrigou a memorizar as vítimas em uma música.

O resultado é “Heaven”, uma condenação solene e resoluta da violência armada e do aumento do perigo da vida cotidiana dos americanos. Singles como “Generational Divide” e “Blame It on My Youth” também destacam mudanças na sociedade, lançando dúvidas sobre a extensão do progresso da humanidade. “Juramos que seríamos melhores do que da última vez”, eles gritam sobre acordes de guitarra em “Generational Divide”. Antes de fazer uma pergunta ao ouvinte: “Estamos melhores agora?”. “Black Rain” é uma das faixas mais ásperas do repertório com uma forte programação de bateria eletrônica. Mesmo com novos elementos e influências, não há dúvida de que você está ouvindo o blink-182. Aqui, há um contraste óbvio entre a parte afiada da guitarra e o colapso eletrônico que pode ser confundido com uma música do Coldplay. No entanto, a justaposição de novos e antigos sons nem sempre é uniforme. As duas músicas do álbum sobre relacionamentos românticos, “I Really Wish I Hate You” e “Darkside”, são indiscutivelmente os exemplos mais flagrantes do uso exagerado de sintetizadores e auto-tune. Em ambas músicas, a distorção e a bateria eletrônica distraem a emoção dos vocais.

Os sintetizados são mais eficazes em conjunto com a instrumentação esparsa, como na última faixa, “Remember to Forget Me”. Durante grande parte da música, que assume a forma de um telefonema de Mark Hoppus para sua mãe, enquanto ele descreve a vida na turnê, apenas o violão acompanha a mensagem sincera. Os floreios eletrônicos ocasionais a pontuam em vez de interrompê-la. Contemplativa, a canção oferece um final satisfatório para um álbum que mais uma vez não atingiu o status do blink-182 como uma força do pop punk contemporâneo. Não há nada absolutamente terrível ou ruim no “NINE”. O blink-182 é uma banda muito restrita e ainda sabe criar uma boa música pop punk. Mas o que quer que eles podem fazer agora não parece mais impressionante.

“NINE” não traz nada de novo à mesa e a maioria das tentativas de se sentir relevante é embaraçosa. É incrível que o blink-182 tenha permanecido dedicado por tantos anos, mas os novos álbuns parecem mais obrigatórios do que interessantes. Fazer um videoclipe nu poderia ter sido estúpido, mas pelo menos era alguma coisa. Infelizmente, com exceção da estranha apresentação do Travis Barker, a banda não consegue encontrar maneiras de emparelhar esses sentimentos com algum arranjo impactante. O blink sucumbiu aos meandros, no meio da suavidade e previsibilidade da estrada. Há um registro brilhante escondido dentro do “NINE”, estou convencido disso, mas em uma sombria busca por significado, a banda esqueceu como se divertir.

  • 52%
    SCORE - 52%

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.