Review: Ariana Grande – Sweetener (2018)

Lançamento: 17/08/2018
Gênero: Pop, R&B
Gravadora: Republic Records
Produtores: Ariana Grande, Scooter Braun, Charles Anderson, Brian Malik Baptiste, Tommy Brown, Michael Foster, Hit-Boy, Ilya Salmanzadeh, Max Martin e Pharrell Williams.

“Sweetener” é coerente de uma forma diferente dos outros álbuns da Ariana Grande – ela passou por momentos difícies, mas está mais forte e melhor do que antes.

Ariana Grande voltou mais forte do que nunca no início deste ano, quando lançou novas músicas pela primeira vez desde o trágico ataque terrorista em seu show em Manchester. A partir do momento em que ela compartilhou “no tears left to cry” com o público, parecia que ela estava prestes a entrar em sua fase imperial. Quando “God is a woman” foi divulgada, incluindo o ótimo videoclipe, não parecia haver mais dúvidas de que Ariana Grande estava consolidando seu status como uma das maiores estrelas pop do mundo. Em agosto de 2018, ela finalmente lançou seu quarto álbum de estúdio, intitulado “Sweetener”. Pela primeira vez, desde que surgiu definitivamente na cena musical em 2013, Ariana Grande lançou um álbum divisivo. “Sweetener” não depende da influência EDM que ajudou o “My Everything” (2016) e o “Dangerous Woman” (2016). Em vez disso, Grande se acomoda em um álbum literalmente mais doce, sábio e muito mais sensual. Enquanto “Sweetener” pode não se encaixar no cenário atual do hip-hop, ele pode ser a graça salvadora que a música pop precisava em 2018. Grande resolveu desviar de uma fórmula confiável com hits pronto para as rádios, e soa muito mais confiante e feliz do que nunca. Tudo somado, “Sweetener” é exatamente o que o título propõe que seja.

Isso não mascara completamente o gosto amargo da vida, nem tenta – mas quando você está com bom humor, pode ser exatamente o que você estava procurando. De um modo geral, as músicas têm uma vibração diferente: elas são leves e arejadas, mas ainda são poderosas. Há muitos momentos que valem a pena, mesmo que esse não seja um esforço perfeito. Na maior parte, Ariana Grande abraça o pop, hip-hop e R&B contemporâneo. “Sweetener” é uma tentativa ousada de se afastar de suas raízes e, ao invés disso, apresentar algo que igualmente otimista, edificante e estranho. É um LP minimalista, com notas limpas e letras comoventes. Ao longo do repertório, Grande faz questão de não complicar as mensagens de força e solidariedade que ela envia aos seus ouvintes. A abordagem limpa do trabalho também injeta um clima íntimo e relaxado, com o peso de um gênero como o trap se sentindo refrescante quando comparado ao som fortemente pop de seus trabalhos anteriores. No entanto, o que mais se beneficia com essa abordagem limpa é, sem dúvida, o vocal da Ariana Grande. À primeira vista, sua união com o Pharrell Williams não parecia uma boa ideia. Mas felizmente seu estilo se adaptou facilmente aos vocais da Ariana Grande. Ao produzir a maior parte do “Sweetener”, Williams obteve resultados maravilhosos.

Nas sete faixas que produziu, ele permite que a cantora trabalhe sobre novos estilos de produção e experimente cadências e vibrações que ela nunca tocou antes. Nas faixas não produzidas por Williams, Grande permanece mais fiel ao seu antigo som, e às vezes parece até mais confiante do que de costume. A introdução do álbum, “raindrops (an angel cried)”, quase faz você pensar que tudo será uma experiência sombria – um cover parcial de uma música do The Four Seasons. É uma canção lenta, assombrosa e completamente acapela que mostra algumas acrobacias vocais da Ariana Grande. A música define o humor do álbum perfeitamente e mostra seu alcance vocal pela primeira vez. “blazed” é um aceno para o recente noivado da cantora com Pete Davidson – logo depois do relacionamento tóxico com Mac Miller. A produção do Pharrell Williams está deliciosa e se sente renovada, com uma batida forte e um contrabaixo jazzístico. Todo o espaço permite que os vocais da Ariana Grande façam o trabalho pesado, empilhando sua voz em harmonias alegres e dividindo as responsabilidades com um Pharrell digitalizado. Sua potência vocal brilha, mesmo que não seja de forma tão angelical como em “no tears left to cry”. Nas letras, Grande faz referências a reencarnação, enquanto menciona o despropósito de tudo isso: “Porque eles estão tirando sarro disso na TV / Eles não ririam se estivessem dentro da minha vida passada”.

Ela já teve seus grandes momentos pop, e aqui está tentando se inclinar para uma produção mais nervosa e jazzística. Na instrumentação, há guitarras funky, teclas ascendentes, linhas de baixo escaldantes e uma percussão consistente. O som característico do Pharrell, oscilando entre o saltitante e juvenil, é elevado por sons distintivos. É uma canção de amor auto-consciente e confiante, que exala uma felicidade descuidada. E também não deixa de ser uma músicas de amor que insinua um romance alucinante: “Eu pensei que estava sonhando até o meu amor chegar / Agora eu só me aproximo, te mostro como nós fazemos”. Ariana Grande fala sobre a possibilidade de duas pessoas serem almas gêmeas, uma união tão improvável que ela até pensa em jogar na loteria: “Devo jogar na loteria? Valeria a pena? / Eu devo estar com sorte, é tão claro para mim”. “blazed” é um número otimista e contido em determinados pontos, que nos oferece vocais em camadas e uma batida muito divertida. Embora as letras sejam repetitivas, sua natureza de R&B é bem cativante. E, mesmo que o estilo repetitivo do Pharrell possa cansar alguns ouvintes, a produção é animada, borbulhante e permanece sofisticada graças às harmonias vocais. A terceira faixa, “the light is coming”, é lenta e rápida ao mesmo tempo e causa uma estranheza no ouvinte. A faixa começa com um homem gritando no fundo: “Você não deixava ninguém falar e em vez disso”.

Essa mesma frase é repetida diversas vezes ao longo da música. Uma amostra aborrecida retirada de um confronto entre o senador da Pensilvânia, Arlen Spector, e uma pessoa da platéia que estava presente numa reunião pública de 2009. Essa amostra, provavelmente, tentou inserir um teor político sobre a positividade das letras, que falam sobre superar a escuridão. Durante o refrão, Grande deixa claro que tempos difíceis podem ser superados: “A luz está vindo para devolver tudo que a escuridão roubou”. O instrumental de “the light is coming” é uma das coisas mais complexas e peculiares da carreira da Ariana Grande. A produção, também encomendada pelo Pharrell, possui uma natureza experimental. No geral, “the light is coming” parece um avião que nunca decola! E Pharrell Williams é um cara muito imprevisível. Ele acertou na produção de “blazed”, porém, errou feio aqui. A pesada batida flui sem grandes problemas e o refrão poderia ter funcionado se não fosse tão simples e repetitivo. Pharrell exagerou na dose e o transformou em pura monotonia. Nicki Minaj introduz a canção, mas não acrescenta em nada. A música teria sido a mesma coisa sem ela! Mas a pior parte de “the light is coming” é o homem gritando ao fundo exaustivamente. A amostra foi arrastada desnecessariamente e é repetida numa frequência extremamente irritante. Não adianta dizer que Ariana Grande tentou algo diferente.

Porque essa faixa peca pelo exagero e dificilmente consegue envolver o ouvinte com sua estranheza. As influências de techno, disco e hip-hop é apoiada por uma bateria descontrolada e alguns sintetizadores. Os efeitos eletrônicos em segundo plano funcionam bem, mas não dão o gás que a música precisa. Ademais, eu senti muito falta dos clássicos riffs das produções da Ariana Grande, que ficam na cabeça logo depois da primeira escuta. “R.E.M.”, baseada em uma demo de uma faixa inédita da Beyoncé, é uma ode ao amor jovem e delirante. Com esta canção, Grande move-se para um território mais sensual. Mas é tão sensual quanto romântico e seus vocais brilham mais uma vez. Essa terceira faixa produzida pelo Pharrell contém elementos sutis do popular R&B dos anos 2000 e é um esforço digno de nostalgia. “Eu poderia comprar qualquer coisa para você, mas não posso comprar você”, ela canta, aceitando sua riqueza financeira, mas triste por não ter o que mais gostaria. “God is a woman” oferece um tema religioso e inesperados acenos sexuais. Nesta música, ela diz que uma experiência sexual faria seu pretendente “acreditar que Deus é uma mulher”. É mais uma música que mostra o poder vocal da Ariana Grande, apoiada por um riff de baixo sensual, batidas de trap e algumas sutis influências de reggae. Apesar da sexualidade explícita e referências religiosas, essa canção explora o empoderamento e a capacitação feminina.

Sua letra contém uma maturidade que provavelmente as pessoas não esperavam da Ariana Grande. Inicialmente, “God is a woman” começa apenas com sua voz sobre uma guitarra, mas logo em seguida uma batida de trap aparece. A batida é o elemento responsável por tornar essa música tão sedutora. Ariana espalha seus falsetes através do refrão e apresenta excelentes acrobacias vocais. “Você, você ama o jeito que eu te mexo / Você ama o jeito que eu te toco / Meu amado, no fim das contas / Você acreditará que Deus é uma mulher”, ela canta no refrão. Basicamente, Grande é tão boa na cama que depois de fazer amor com ela, seu namorado vai acreditar que Deus é uma mulher. Algumas frases podem parecer uma blasfêmia aos ouvidos Cristãos, incluindo “amor, me deite e vamos rezar”, “então pegue minha mão, salve sua alma” e “se você se confessar, poderá ser abençoado”. Destemida e direta, a natureza lúdica e entrega vocal da cantora permitem que a música atinja um ar erótico, mas sem parecer forçada ou inadequada. Enquanto os Cristãos podem se ofender com as letras, os fãs mais abertos e devotos devem ter amado “God is a woman”. Depois que o instrumental cai nos últimos 20 segundos, o coral gospel entra em cena. Em “God is a woman” ela apresenta uma maturidade que faltou em “the light is coming”, enquanto combina uma estética pop radio-friendly com contagiantes batidas de hip-hop.

Enquanto a espetacular “Sweetener” coloca mais ênfase nos virtuosos vocais da Ariana Grande, ela é tão doce quanto o título sugere. Dessa vez, ao invés de cantarolar suavemente no refrão, ela inseriu um coro repetitivo que diz: “E então você pega, pega, pega, pega / Bate, bate, bate, bate / Vira, vira, vira / Você me faz dizer: oh, oh” / Torce, torce, torce, torce / Mistura e mistura e mistura e mistura / Beija, beija, beija”. As letras são sobre a mentalidade, conforme Ariana usa “adoçante” como uma metáfora para afastar o amargo da vida. A faixa começa como uma linda balada de soul, mas tem um refrão inspirado no hip-hop e com elementos de electro-funk, obviamente produzido por Pharrell Williams. “Sweetener” soa como duas músicas diferentes costuradas entre si. Os versos soam como balada de piano enquanto o refrão agita as coisas na sua cabeça. Da mesma forma, “successful” vai para um território sonoro similarmente inesperado. O título da música dá a impressão de que será algo como uma continuação da subestimado “Greedy” do “Dangerous Woman” (2016), mas é um peça de R&B escrita e produzida inteiramente pelo Pharrell. É um esforço cativante que serve para tirar Ariana Grande de sua zona de conforto, mas, ironicamente, é uma das músicas menos bem-sucedidas do álbum. É uma canção que tenta inspirar outras jovens garotas, no entanto, nunca decola e apresenta algumas frases quase infantis.

Em termos de melodia e produção, também não vai muito longe. Depois de tantas faixas produzidas pelo Pharrell, uma mudança na produção chega em cima da hora em “Everytime”. Produzido por Max Martin, o som trap e pop é agradável e apresenta algumas notas mais agudas, embora não leve as coisas para um novo nível. Sua melodia é bastante cativante e traz de volta o R&B dos seus primeiros álbuns. Liricamente é tudo uma questão de se perguntar por que você continua sendo atraído por uma pessoa da qual você tenta se afastar. Portanto, a música explora o conceito de retrocesso contínuo com um ex-namorado que provou ser uma pessoa tóxica. “Você fica chapado e me liga sem parar / Eu fico fraca e caio como uma adolescente / Por que, oh, por que Deus continua me trazendo de volta para você?”, ela canta. A melodia do refrão é inegavelmente fácil de decorar, enquanto Grande serve uma ampla gama de ad-libs. Em “breathin'”, ela desliza sobre uma vibe melancólica dos anos 80 e nos entrega uma das melhores faixas do álbum. Nesta canção, Grande fala abertamente sobre saúde mental após os recentes ataques de Manchester, entregando uma mensagem de simpatia e apoio. As linhas de abertura não são apenas inesperadas, mas profundamente comoventes. Apesar de sua produção lembrar uma tendência popular dos últimos anos, “Breathin” é uma experiência dance-pop muito empolgante.

Ela foi criada pela mesma equipe de “no tears left to cry” e, portanto, tem o mesmo tipo de refrão crescente – com uso de sintetizadores – que gruda na cabeça. Sua melodia é tão delicada, mas ao mesmo tempo tão poderosa. O hit “no tears left to cry”, por sua vez, é uma maravilhosa e melódica canção dance-pop com agradáveis elementos de disco. É uma daquelas músicas que te agarram logo depois da primeira nota. Sua voz está angelical e a produção esplêndida. Inicialmente, parece uma balada, conforme Ariana Grande canta sobre um pano de fundo inspirado pelos anos 80: “Neste momento, estou em um estado de espírito / Em que eu quero estar tipo o tempo todo / Não tenho mais lágrimas para derramar”. Entretanto, logo depois uma batida se instala e de repente o ritmo muda completamente. É uma canção inesperadamente nostálgica com uma entrega vocal melódica e muito bem polida. Sua voz está chamativa como sempre, enquanto ela apresenta uma maturidade recém-descoberta. “no tears left to cry” é um hino de superação que mostra que, apesar do passado não ser esquecido, ele pode moldar o presente. Depois do início moderadamente dramático e abundante, um sulco dançante se instala e Ariana Grande canta com seu registro mais baixo. Os versos fornecem uma batida mais rítmica e sintetizadores influenciados pela música house e disco.

Eventualmente, sua voz sobe para o registro superior quando ela apresenta o lindo e edificante refrão. As vibrações nostálgicas que ele cria são tão mágicas, que eu já considero um dos melhores refrões do ano. Sua voz cresce de uma forma impressionante, à medida que ouvimos tons gospel e sintetizadores de outra dimensão. “Oh, eu só quero que você venha comigo / Nós estamos em outra mentalidade / Não tenho mais lágrimas para derramar”, ela canta de forma emotiva, antes que sua voz seja abafada pela batida rítmica. As harmonias do pré-refrão são lindas, as transições bem-sucedidas e as letras focadas na superação. “no tears left to cry” parece uma progressão de faixas como “One Last Time” e “Be Alright”. É um hino que faz você se sentir emotivo, mas ao mesmo tempo esperançoso! Mais tarde, Grande está mais sensual em “borderline”, sua colaboração com a rapper Missy Elliott. Um híbrido de pop e hip-hop infeccioso com uma batida constante e extremamente infecciosa. Aqui, Pharrell Williams prova que ainda pode criar produções que elevam uma música a um próximo nível. Ainda assim, não podemos deixar de notar as semelhanças entre “borderline” e as faixas que ele produziu para o “Hard Candy” (2008) da Madonna. A balada “better off” lida com a sensação de estar melhor sem alguém com quem você esteve anteriormente em um relacionamento.

Grande deixa muito claro que ela prefere apenas ter encontros sexuais com ele, em vez de estar em um namoro tóxico. “Vamos deixar essa conversa de lado e transar no telhado / Só para dizer que fizemos isso”, ela canta aqui. Inesperadamente produzida por Hit-Boy, esta canção destaca seus vocais e encanta pela delicadeza. Ariana já demonstrou o seu amor ao longo dos anos por Imogen Heap, e embora eles não tenham colaborado oficialmente em uma música, seus mundos finalmente colidiram em “goodnight n go” – uma atualização para a música de mesmo nome da cantora inglesa. Felizmente, Grande fez de tudo para transformar esta faixa em algo completamente seu. Embora ela tenha mantido a melodia original, sua versão é muito mais solta, para se dizer o mínimo. Aqui, a encontramos colocando seu próprio ritmo em um novo verso e apresentando belos falsetes. “goodnight n go” é uma balada rítmica que incorpora alguns elementos eletrônicas e equilibra-se perfeitamente entre o pop e o R&B. Em última análise, é um cover muito bem-sucedido e uma canção de amor irresistivelmente doce. “pete davidson” é exatamente o que parece – uma carta de amor para o comediante do Saturday Night Live. Esse interlúdio fofo e delicado nos mostra como Ariana cresceu pessoalmente enquanto gravava esse álbum.

A última faixa, “get well soon”, brilha graças a mistura de gospel e R&B, liderada pelo brilhante uso de um piano, baixo, sintetizadores e crescentes harmonias. Essa canção apresenta a produção mais esparsa do Pharrell no álbum. O final da música inclui 40 segundos de silêncio, trazendo o tempo de execução para 5 minutos e 22 segundos, uma dedicação às vítimas do ataque de Manchester, que ocorreu em 22 de maio. Liricamente, ela aborda a ansiedade que experimentou após o ataque terrorista em seu show. Ao descrever os tempos sombrios que ela passou, a faixa também parece servir de apoio para os fãs que perderam alguém próximo, experimentaram o ataque ou lidaram com qualquer outro trauma. É um número de fechamento comovente e convincente que certamente deixa uma boa impressão. Tudo somado, há muitas delícias ao longo do repertório do “Sweetener”. Ariana Grande continua brilhando como uma das vocalistas mais talentosas de sua geração. Certamente existem falhas; às vezes certas faixas não decolam e as colaborações deixaram a desejar. Mas no geral os pontos negativos são negligenciadas, porque em sua essência, este álbum é um excelente e inspirador corpo de trabalho. A mensagem de positividade e encorajamento da Ariana Grande, inserida na onda de sons e estilos tão envolventes, é realmente muito boa.

  • 81%
    SCORE - 81%
81%

Favorite Tracks:

“God is a woman” / “breathin'” / “no tears left to cry”.

São Paulo, 22 anos, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas e séries. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.