Review: Ariana Grande – blazed (feat. Pharrell Williams)

Entre as músicas do novo álbum da Ariana Grande, uma das que mais chama atenção é “blazed”. Um aceno para o recente noivado da cantora com Pete Davidson – logo depois do relacionamento tóxico com Mac Miller. A produção do Pharrell Williams está deliciosa e se sente renovada, com uma batida forte e um contrabaixo jazzístico. Todo o espaço permite que os vocais da Ariana Grande façam o trabalho pesado, empilhando sua voz em harmonias alegres e dividindo as responsabilidades com um Pharrell digitalizado. Ela geralmente não canta em seu registro mais baixo – com exceção da esquisita “the light is coming” – mas sua voz continua robusta em “blazed”. Sua potência vocal brilha, mesmo que não seja de forma tão angelical como em “no tears left to cry”. Liricamente, Grande faz referências a reencarnação, enquanto menciona o despropósito de tudo isso: “Porque eles estão tirando sarro disso na TV / Eles não ririam se estivessem dentro da minha vida passada”. Ela já teve seus grandes momentos pop, e aqui está tentando se inclinar para uma produção mais nervosa e jazzística. Na instrumentação, há guitarras funky, teclas ascendentes, linhas de baixo escaldantes e uma percussão consistente. O som característico do Pharrell, oscilando entre o saltitante e juvenil, é elevado por sons distintos.

É uma canção de amor auto-consciente que exala uma felicidade descuidada. E também não deixa de ser uma música com um romance alucinante: “Eu pensei que estava sonhando até o meu amor chegar / Agora eu só me aproximo, te mostro como nós fazemos”. Apesar de “the light is coming” ser ultrapassada e irritante, trabalhar com Pharrell Williams foi uma jogada inteligente da Ariana Grande, uma vez que sua escrita realmente combina com ela. “Eu não posso acreditar que você está aqui / Eu não posso acreditar que isso está acontecendo / Quais eram as chances de você aparecer? / O universo é tão vasto para mim / Sete bilhões de pessoas na Terra / Poderia estar em qualquer lugar, mas você está aqui comigo”, ela canta no primeira etapa. Grande fala sobre a possibilidade de duas pessoas serem almas gêmeas, uma união tão improvável que ela até pensa em jogar na loteria: “Devo jogar na loteria? Valeria a pena? / Eu devo estar com sorte, é tão claro para mim”. “blazed” é um número otimista e contido em determinados pontos, que nos oferece vocais em camadas e uma batida muito divertida. Embora as letras sejam repetitivas, sua natureza de R&B é bem cativante. E, mesmo que o estilo corriqueiro do Pharrell possa cansar alguns ouvintes, a produção é animada, borbulhante e permanece sofisticada graças às harmonias vocais.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.