Review: Ariana Grande – 7 rings

Lançamento: 18/01/2019
Gênero: R&B, Trap-pop
Produtores: Tommy Brown, Charles Anderson e Michael Foster
Compositores: Ariana Grande, Tommy Brown, Michael Foster, Charles Anderson, Victoria Monét, Tayla Parx, Njomza Vitia, Richard Rodgers, Oscar Hammerstein II e Kimberly Krysiuk

Ariana Grande vem construindo um grande acompanhamento para o “Sweetener” (2018) desde que lançou “thank u, next”. Sua nova música, “7 rings”, é outro hino para as mulheres! Descrevendo-o como um “hino da amizade”, Ariana Grande fala como uma viagem com suas amigas e sua recente separação de Pete Davidson, inspiraram a criação da música. Em uma nota mais materialista do que de costume, Grande repete a frase “Eu quero, eu tenho, eu quero, eu compro” continuamente ao longo da música, aludindo ao dinheiro que ela ganhou e sua habilidade de conseguir o que quer. No momento, tudo que a Ariana Grande toca se transforma em ouro. Depois de uma campanha bem-sucedida para o “Sweetener” (2018), ela retornou em alguns meses com “thank u, next” – seu primeiro single número #1 nos Estados Unidos. Mas apesar da excelente estreia de “7 rings”, ela foi acusada de plágio por vários rappers. No entanto, seus vocais foram elogiados pela suavidade e vibe refrescante. “Cílios postiços e diamantes, caixas eletrônicos / Eu mesma compro todas as minhas coisas favoritas”, embora a maioria das letras seja sobre seu estilo de vida rico, ela escreveu a faixa depois que comprou sete anéis para ela e suas amigas, a fim de simbolizar sua amizade. Ela também fala sobre os períodos difíceis que teve de suportar nos últimos anos, dizendo: “Passei por tanta coisa ruim, eu deveria ser uma vadia triste / Quem diria que, ao invés disso, me tornaria selvagem?”. “7 rings” é uma canção diferente do restante do seu catálogo, especialmente por ela flexionar na maior parte do tempo. É facilmente uma de suas faixas com maior influência de hip-hop, e o resultado é incrivelmente cativante. A música pega uma série de elementos de pop-trap, além de um fluxo inspirado nos rappers de Atlanta e conduzido por batidas de chimbais.

É confiante, perigosamente divertido, delirantemente intoxicante e um enorme salto para uma artista como ela. A produção temperamental, escura e enigmática pegou emprestado a melodia de “My Favorite Things” do The Sound of Music, a fim de oferecer uma sucessora à altura de “thank u, next”. É um próximo capítulo que vai desde o auto-empoderamento até o fortalecimento que suas amigas lhe dão em momentos mais sombrios. Tem uma pesada influência de trap que lhe deu uma sensação “flexível” e rendeu comparações com “Mine” (Princess Nokia), “Spend It” (2 Chainz) e “Pretty Boy Swag” (Soulja Boy). É uma música sobre elevar as pessoas ao seu redor e celebrar a vida. A cantora é conhecida por fazer músicas sobre relacionamentos e rompimentos amorosos. Em “thank u, next”, ela pagou o respeito aos seus ex-namorados e prometeu se concentrar mais em si mesma. Ela permaneceu fiel a essa promessa em “7 rings”, uma ode ao materialismo onde ela se gaba de suas riquezas. É um hino feminino e empoderador no qual Grande faz questão de salientar que os relacionamentos não são a única coisa que faz uma garota feliz. Na ponte, ela reforça que é rica e não há nada que a impeça de comprar o que quer. O fluxo de rap apenas reforça a confiança em si mesma. “Pego meus recibos, eles parecem números de telefone / Se não é dinheiro, então número errado”, ela diz. “Não se preocupe, eu tenho dinheiro / Fazemos apenas jogadas perfeitas / Olhe o meu pescoço, olhe meu jatinho / Não há dinheiro que compre meu respeito / Não há limite de gastos quando eu tô gravando / Se eu gosto, então é isso que eu vou ter, sim”. A música é principalmente sobre independência financeira, enquanto ela apresenta uma postura muito mais maliciosa. Ao longo da batida gelada e ameaçadora, o refrão é instantaneamente viciante e eficaz.

São Paulo, profissional de Recursos Humanos, apaixonado por músicas, filmes, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.