Resenha: Willie Nelson – God’s Problem Child

Lançamento: 28/04/2017
Gênero: Country
Gravadora: Legacy Recordings
Produtor: Buddy Cannon.

Lançado em 28 de abril de 2017, “God’s Problem Child” é o 61º álbum de estúdio do cantor e compositor Willie Nelson. O disco apresenta novas músicas co-escritas por Nelson e o produtor Buddy Cannon. Ambos escreveram as músicas trocando letras através de mensagens de texto, enquanto Nelson mais tarde gravou seus vocais no estúdio. A excelente recepção crítica do álbum “Shotgun Willie” (1973), combinado com o sucesso comercial dos discos “Red Headed Stranger” (1975) e “Stardust” (1978), fez Nelson se tornar um dos mais reconhecidos artistas country da história. Ele foi uma das principais figuras do country-fora-da-lei, um subgênero da música country que se desenvolveu no final da década de 60, como uma reação às restrições conservadoras de Nashville. Durante a sua carreira, Nelson atuou em mais de 30 filmes, co-escreveu vários livros e se envolveu com o ativismo pelo uso de biocombustíveis e a legalização da maconha. Willie Nelson é uma verdadeira lenda e o seu novo álbum é, certamente, a sua coleção mais pensativa e reflexiva. É facilmente o seu registro mais substancial e significativo.

Ele soa abatido e melancólico, mas sem perder o seu espírito inspirado e cheio de sentimentos. Não há como negar que a melancolia que reside nesse LP, sente-se mais dolorosa do que de costume. “God’s Problem Child” é um disco sombrio e desolado, mas nunca é lamentável ou auto-piedoso. Em vez disso, é um material sincero, honesto e emocional. Uma coisa é certa, Willie Nelson ainda não está morto. Na verdade, ele pode estar mais vivo do que nunca, considerando a quantidade de material que ele está produzindo hoje em dia. Aos 84 anos, Nelson poderia optar por uma merecida aposentadoria, mas, em benefício da música country e de seus fãs, ele continua escrevendo e gravando. Como produtor, Buddy Cannon deu todo o espaço para Nelson brilhar e emocionar. Dito isto, o repertório é composto por humor, sabedoria, fé e muita aceitação. Sonoramente, temos arranjos clássicos e graciosos, pontuados por seu distinto trabalho na guitarra acústica. O disco abre com “Little House on the Hill”, uma música nostálgica escrita por Lyndel Rhodes, a mãe de Buddy Cannon.

A composição lírica de Willie Nelson é profundamente arraigada e inspirada nesse LP. Tanto que ele explora a campanha eleitoral de 2016 na faixa “Delete and Fast Forward”. A música de Nelson é tão natural neste novo álbum, e não há um momento desperdiçado nesse registro de 45 minutos. Tudo sente-se verdadeiro. Com a apropriadamente intitulada “Your Memory Has a Mind of Its Own”, ele fornece uma inesperada e pesada introspecção. Nelson não está com raiva de sua iminente morte, ele está tentando deixá-la entrar em seus próprios termos, com toda gentileza e sabedoria que adquiriu ao longo do caminho. Na linda “Butterfly” o canto de Nelson está em alta, pois seu faseio distinto e vocalização suave eleva toda a música. Em seguida, uma prova do individualismo firme de Nelson pode ser visto em “Still Not Dead”, uma faixa que cobre os falsos rumores de sua morte que surgiu na internet. Aqui, Nelson corre um risco perante a mente dos conversadores do country, uma vez que a instrumentação clássica não parece se misturar bem com a tecnologia moderna.

A faixa-título, “God’s Problem Chid”, também merece uma atenção especial. Escrita por Jamey Johnson e Tony Joe White e apresentando os vocais deste último, bem como os de Leon Russell, é um clássico digno de ser adotado como título do álbum. A inteligência e o encanto de Nelson ainda é muito bem exibido na faixa “I Made a Mistake”. A vibração do seu violão de nylon dá uma sensação muito especial aos preenchimentos dessa canção. Apesar da idade, Nelson ainda toca com a mesma energia, delicadeza e paixão que sempre teve. A última faixa, “He Won’t Ever Be Gone”, é uma ode ao seu amigo recentemente falecido, Merle Haggard. É um tributo emocionante e amoroso para alguém que tanto colaborou com Nelson. “God’s Problem Child” é um álbum de peso e grande significado. Willie Nelson é um artista que consegue trabalhar a música com uma paixão verdadeiramente selvagem. Se este for sua despedida, ele com certeza deu o seu melhor. É um disco que provavelmente satisfez todos os seus fãs. Enquanto isso, aqueles que ainda não o conheciam poderão ter a oportunidade de apreciar o trabalho de uma lenda da história da música.

Favorite Tracks: “Old Timer”, “Delete and Fast Forward” e “He Won’t Ever Be Gone”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.