Resenha: Weezer – Weezer (White Album)

Lançamento: 01/04/2016
Gênero: Rock Alternativo, Pop Punk
Gravadora: Atlantic Records
Produtor: Jake Sinclair.

Em 01 de abril de 2016, a banda Weezer lançou “White Album”, o seu décimo álbum de estúdio. Formada por Rivers Cuomo, Patrick Wilson, Brian Bell e Scott Shriner, Weezer retorna às suas raízes com este novo lançamento. É difícil falar a respeito da banda sem comentar sobre o enorme impacto que os seus primeiros discos tiveram. O primeiro deles, “Blue Album”, era composto por canções brilhantes, enquanto o outro, “Pinkerton”, é um dos mais aclamados da década de 1990. Entretanto, após o lançamento deles, a banda passou a ser irregular e não conseguiu alcançar o mesmo êxito com os discos seguintes. A única exceção foi o seu último álbum, “Everything Will Be Alright In the End”, lançado em dezembro de 2014. Ele serviu como um projeto reconfortante, que mostrou ao público que o Weezer ainda é capaz de fazer algo brilhante. “Everything Will Be Alright In the End” foi o melhor álbum da banda desde o “Pinkerton” e, consequentemente, exibiu um repertório musical na direção certa.

Com o título “White Album”, esta se torna a quarta vez na história que o Weezer lança um disco auto-intitulado com um cor como base para a capa. Os outros três foram o “Blue Album” (1994), “Green Album” (2001) e o “Red Album” (2008). O disco é muito polido, limpo e bem produzido. Nenhuma instrumentação é enterrada por algum mix eletrônico ou qualquer outro artifício genérico. “California Kids”, faixa de abertura, começa apropriadamente com sons praianos, antes de introduzir um pesado riff de guitarra. Esta canção resume o humor e tom para o restante do álbum, pois é muito cativante. Ela faz uma mistura agradável de guitarra elétrica, xilofone e melodias ensolaradas. Os vocal de Rivers Cuomo continua intenso, enquanto o refrão agita com a sua pesada progressão de acordes. A letra é muito otimista e calmante, conforme Cuomo canta no refrão: “Vai ficar tudo bem / Se você está num barco que está afundando / As crianças da Califórnia / Vão te jogar uma boia salva-vidas”.

É uma canção simples, porém, uma introdução sólida e efetiva. Não é particularmente inovadora para a banda, mas é uma faixa de abertura promissora. “Wind In Our Sail” é uma canção completamente refrescante e divertida, embora possua algumas referências líricas estranhas. Aqui, a banda utiliza várias metáforas para dois marinheiros, um menino e uma menina. É, aparentemente, uma canção de amor, sobre esses dois personagens principais. “Temos o vento em nossa vela / E nós podemos fazer tantas grandes coisas juntos, juntos”, Cuomo canta. A instrumentação é o ponto alto, pois é enraizada em uma agradável melodia de piano. Por causa disso, ela tem um toque muito interessante e acaba fornecendo um som adequado para o verão. Os tambores e a guitarra elétrica distorcida, também são proeminentes. Piano e bateria também são o centro das atenções durante a canção “Thank God for Girls”. O contraste criado por esses instrumentos, juntamente com o refrão peculiar, transmite uma sensação bem diferente para a banda.

Weezer

Musicalmente, entra em conflito com o restante do repertório, uma vez que faz experimentação de outros gêneros. Lançada como primeiro single, essa canção provavelmente se encaixaria melhor em álbuns como “Raditude” e “Red Album”. Ela abrange um tom escuro, ousado e riffs mais nervosos que as duas primeiras faixas, enquanto as letras são meio sem sentido. Tematicamente, “(Girl We Got A) Good Thing” flui com uma batida saltitante e algumas mudanças de tempo. Além disso, possui uma ruptura agradável, junto com um solo de guitarra, por volta dos dois minutos de duração. Assim como “Wind in Our Sail”, também é uma canção de amor muito bonita e sincera. É uma música que pisa na fronteira do pop e fornece uma melodia muito cativante. Sua atmosfera ensolarada é algo que você já ouviu antes, mas não sabe exatamente onde. Não há nada de memorável nesta canção, porém, não é necessariamente uma faixa ruim. O rock alternativo de “Do You Wanna Get High?” foi lançado como segundo single oficial.

É uma música que realmente lembra os antigos trabalhos da banda, em especial, o excelente “Pinkerton”. Ela soa muito familiar tanto que, em alguns momentos, parece uma canção antiga que teve suas letras modificadas. Mas, mesmo assim, consegue ser única e faz o álbum tomar um rumo um pouco mais obscuro. “White Album” prova que não é todo ensolarado, graças a faixas como “Do You Wanna Get High?”. Uma música que explora relacionamentos marcados por drogas e discussões. Sua letra possui um tom sinistro e melancólico em sua própria maneira, assim como as guitarras distorcidas e crocantes. “King of the World”, sexta faixa, consegue ser realmente edificante por conter algumas das letras mais pessoais do álbum. À primeira vista, parece uma simples canção de amor, porém, é dirigida para a esposa de Rivers Cuomo. Aqui, de forma bastante honesta, o vocalista do Weezer demonstra todo o amor por sua amada esposa: “Se eu fosse o rei do mundo / Você seria minha garota / Você não teria que derramar uma única lágrima / a menos que quisesse”.

Weezer

Sonoramente, essa canção tem todas as peças que fizeram a banda ser quem eles são. Um som old-school com fortes progressões de acordes, uma contundente bateria e pesadas guitarras, que soa como uma grande canção dos anos 1990. Em seguida, Cuomo canta sobre uma sereia durante a faixa “Summer Elaine and Drunk Dori” (“Ela nadou para longe, e flexionou sua cauda de sereia / Ela estava tão profunda, quando um raio atingiu a baía”). É outra canção de verão boa o suficiente para fazer parte do repertório. Uma música power-pop que apresenta o melhor que o Weezer pode oferecer. Uma faixa realmente sólida com letras que conseguem resumir o conceito do “White Album”. Sua melodia é mais orientada para o pop, enquanto começa de forma despojada sob algumas batidas de tambor e licks de guitarra. O seu verdadeiro ápice acontece na passagem do segundo refrão para a ponte. Aqui, sintetizadores entram em ação, os vocais ficam mais intensos e um ótimo solo de guitarra marca presença.

O último refrão entra mais forte e termina deixando o ouvinte querendo mais. Apesar de mau intitulada, “L.A. Girlz” é uma das melhores faixas do álbum. Uma agradável surpresa que pode ser ligeiramente comparada com algumas canções do “Blue Album”. Sua letra é um pouco imatura, mas não deixa de ser uma grande canção. Há um pouco mais de teatralidade aqui do que nas outras músicas do álbum. O refrão é simples, mas também irresistível, dançante e com uma melodia muito contagiante. Os versos são construídos em cima de excelentes harmonias e pesadas guitarras, enquanto a ponte desempenha um acúmulo muito interessante. Ele é embalado por um incrível solo de guitarra e rápidos licks. “Jacked Up” faz o Weezer voltar a experimentar diferentes estilos musicais, ao lado de composições típicas de Rivers Cuomo. O conteúdo lírico, desta vez, não possui nada de especial, mas, a melancólica melodia, prende a atenção. Nesta música, o piano é o principal foco, embora esteja demasiado alto. Tanto que, em certos momentos, ele chega a abafar a voz de Cuomo.

Ao lado dos fortes acordes de piano, temos uma ótima batida e boas harmonias em falsete. “Endless Bummer”, por sua vez, é uma balada acústica e uma boa maneira de terminar o álbum. A letra é tematicamente relevante, visto que fala sobre o verão, enquanto a melodia é boa o suficiente para atrair o ouvinte. É uma canção que consegue ser auto-reflexiva e reconfortante ao mesmo tempo. Inicialmente, ela começa com riffs de guitarra acústica e vocais bem harmonizados. Depois de algumas linhas, que falam sobre o verão da Califórnia, alguns tambores juntam-se a guitarra. O ritmo fica um pouco mais rápido, até que um solo de guitarra entra em ação e deixa as coisas ainda melhores. Mesmo com alguns erros ao longo do caminho, “White Album” é um bom disco. É bom ver Weezer criar tantas melodias cativantes e retornar às suas raízes. Ele definitivamente fornece vibrações que nos remete aos seus melhores trabalhos do passado. Em última análise, é um álbum realmente sólido para a discografia da banda.

68

Favorite Tracks: “California Kids”, “Do You Wanna Get High?”, “King of the World”, “Summer Elaine and Drunk Dori” e “L.A. Girlz”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.