Resenha: Union J – You Got It All: The Album

Lançamento: 08/12/2014
Gênero: Pop
Gravadora: Sony Music / Epic Records
Produtores: Simon Katz, Red Triangle, Phil Cook, James F. Reynolds, Josh Wilkinson, Jon Maguire, Matt Rad, Jamie Scott, Toby Smith, Ricky Reed, Joe London, Peter Steengard, Duck Blackwell, Oh Hush, Tim Powell e Matt Schwartz.

Union J é uma boyband britânica composta pelos membros Josh Cuthbert, JJ Hamblett, Jaymi Hensley e George Shelley. Foi formada em 2011, originalmente como um trio (Cuthbert, Hamblett e Henseley), com Shelley sendo adicionado ao grupo em 2012 na nona temporada do The X Factor. Após terminarem em quarto lugar na competição eles assinaram um contrato com a gravadora RCA Records, subsidiária da Sony Music, e lançaram seu auto-intitulado álbum em outubro de 2013. Mais tarde, em abril de 2014, Union J deixou a RCA e assinou com a Epic Records, gravadora através do qual eles lançaram o seu segundo álbum de estúdio, “You Got It All – The Album”. Lançado dia 08 de dezembro de 2014, o disco contém 14 faixas e estreou no número #28 da parada de álbuns do Reino Unido, vendendo 15 mil cópias em sua primeira semana. Refletindo sobre o álbum, um dos membros disse: “Temos colaborado com alguns dos maiores nomes da música e fizemos um álbum que estamos incrivelmente orgulhosos. Esperamos que todos amem tanto quanto o que fizemos”.

Antes do lançamento desse álbum os quatro rapazes tinha falado muito sobre “encontrar o seu som” e “escolher o seu caminho”. Mas, particularmente, não achei que eles conseguiram fazer isso com esse segundo disco. Em comparação com sua estréia de 2013, “You Got It All – The Album” é um pouco mais orgânico e foi construído por compositores e produtores mais conhecidos no Reino Unido, como Jamie Scott (One Direction, The Vamps, 5 Seconds of Summer, Jessie J), Red Triangle (Little Mix, One Direction), Eric Frederic (Jason Derülo, Cee Lo Green) e a lendária Diane Warren (Beyoncé, Mariah Carey, Aerosmith). Outro ponto notável em relação ao seu antecessor, é que esse disco realmente possui um som e vocais melhores trabalhados. O grupo também revelou que sentiam que havia uma certa pressão sobre eles para obterem o mesmo sucesso de outros atos que originaram-se do The X Factor, como One Direction, JLS, Little Mix, Olly Murs e Leona Lewis. Dentro da indústria fonográfica essa competição acaba sendo normal, embora muitas vezes não seja saudável.

Ao longa das 14 faixas do registro temos uma sonoridade totalmente pop e exatamente o que poderíamos esperar de uma boy-band. Em alguns momentos o álbum até consegue se sobressair, por conta de tanta energia e o carisma do grupo. O primeiro single e faixa de abertura é “Tonight (We Live Forever)”, uma canção que arranca com boas batidas, alegre, energética e bem otimista. Seu refrão é contagiante e apresenta um quinhão de “ooohs”, que acabam por grudar na cabeça. Enquanto sua mensagem é direta, simples e um tanto quanto clichê. A faixa-título, “You Got It All”, foi lançada como segundo single e chegou a atingir a posição #2 da parada de singles do Reino Unido. É uma balada onde os garotos tentam mostrar mais de suas habilidades vocais. Foi escrita por Nasri, vocalista da banda MAGIC!, que também ajudou na construção de uma cativante melodia. É uma canção simples, doce, aparentemente, sincera, com belas palavras e um apelo universal. É tudo sobre amar uma determinada garota que tem tudo o que um cara precisa (“Algumas pessoas tem alma / Algumas pessoas tem paixão / Algumas pessoas tem coração / Mas você tem tudo”).

Union J

Com um ligeira sensação de hit de verão, temos a terceira faixa chamada “All About a Girl” (uma das poucas escritas pelo grupo). Além de ser alegre e otimista, ainda acena um pouco para o country-pop, por causa da sua melodia, inclusão de banjos e palmas em sua composição. Os vocais estão frescos, ao passo que a letra conta a história de um garoto apaixonado. É quase uma reminiscência dos anos de ouro das boybands, graças as suas batidas e os chicletes “na na na na na”. A quarta faixa, “One More Time”, é uma música pop bastante típica, com a mesma vibe festeira do primeiro single. A inclusão de uma linha de baixo funky foi agradável e a deixou com uma vibração ainda mais alegre. Já “Together” é bastante derivada das músicas presentes no álbum de estreia do grupo. Em sua letra, onde falam sobre ficarem juntos de suas garotas, o grupo faz referências as canções “Teenage Dream” de Katy Perry e “22” de Taylor Swift. Sua batida mais contundente e a guitarra ajudaram na construção de um refrão poderoso, embora nenhum integrante consiga se destacar individualmente.

A faixa seis, “I Can’t Make You Love Me”, é um cover da canção escrita por Mike Reid e Allen Shamblin, gravada pela americana Bonnie Raitt em 1991 para seu décimo primeiro álbum de estúdio, “Luck of the Draw”. Famosa também na voz de George Michael, é uma linda balada no piano sobre compreender os sentimentos do coração. Por incrível que pareça, a versão do Union J ficou admirável, eles conseguiram colocar sua própria marca na música, mas mantendo-se fiel a original. A faixa seguinte, “She’s In My Head”, é impulsionada por uma incrível energia e uma borda que parecia faltar nas músicas anteriores. Ela também é mais rápida, alta, fornece boas harmonias e traz guitarras e fortes tambores em sua estrutura. Foi co-escrita e co-produzida por Jamie Scott, responsável por várias faixas do disco “Midnight Memories” e “FOUR” do One Direction. É definitivamente uma música mais ousada do que a normalidade dos rapazes, parecendo peculiar no papel, mas que funcionou e encaixou-se bem ao restante do repertório.

Union J

Os vocais de Josh Cuthbert domina a faixa “Midnight Train”, uma canção sobre uma garota que está distante e os meninos estão tentando chegar até ela. Ela começa lentamente com palmas e sinos, parecendo uma canção natalina, mas conforme avança e chega no refrão, fica um pouco mais atraente. Escrita por Diane Warren, “I Love to Watch You Sleep” acaba por ser outra balada de amor, quase uma canção de ninar, com vocais suaves e guiada por uma guitarra acústica. Aqui, o Union J cantarola versos xaroposos como: “E eu espero que você esteja sonhando comigo / E eu espero que eu sou o que você vê / E eu espero que possamos viver este sonho para sempre”. Igualmente impulsionada por uma guitarra acústica, “Central Park” parece ter sido inspirada por “Hey There Delilah” da banda Plain White T’s. Essa é um pouco mais lenta, fala sobre desgosto amoroso e é talvez a oferta mais madura do disco. O resultado foi mostrar um lado mais emocional da boyband, com letras explicando uma história triste (“Oh, eu vou fazer o meu caminho de volta para o Central Park / Trace os pedaços do meu coração partido”).

Nos vocais de “Girl Like You” temos Jaymi Hensley abrindo e depois Josh seguindo na liderança. Outro número pop efervescente, otimista e com uma atmosfera demasiadamente alegre. A guitarra elétrica fornece um ambiente mais descontraído à ela, mas no geral, não traz nada de diferente das outras faixas mais agitadas do registro. A seguir temos a faixa “YOLO” (abreviação de “You Only Live Once”), mais um número energético e divertido, com um grande bater de palmas e elementos de rock, que também não oferece nada de novo. Aqui quem começa é George Shelley (único deles que ajudou na escrita), mas que canta a maior parte é, novamente, Josh Cuthbert. “Get It Right”, penúltima faixa, é sólida e tem uma grande quantidade de “hey, heys” que cooperou para deixá-la com um som mais infeccioso. Fora isso, é como a maioria das outras músicas do álbum, uma faixa alegre, destinada a divertir e elevar o espírito jovial.

“Song for You and I”, por sua vez, possui uma batida um pouco mais acústica e folk, proporcionando outro som que exala felicidade e contagia. Com metáforas e letras amáveis, a música tem uma ligeira batida, além de uma agitada guitarra e grande riffs de sintetizador. Na versão Deluxe do álbum temos um cover de “It’s Beginning to Look a Lot Like Christmas”, uma canção natalina que serviu como faixa bônus. “You Got It All – The Album” é inteiramente inofensivo, traz letras e vocais comuns e é divertido ao que se propõe. Certamente, é um material que foca no público adolescente, como percebemos por suas letras. Ou seja, é basicamente uma coleção de canções pop-chicletes otimistas. É um registro que possui algumas melodias cativantes e radio-friendly, além de ter uma vibe bem descontraída. Sua produção foi jogada totalmente pelo lado seguro, o que seria óbvio, no entanto, acho que a inclusão de 14 faixas foi um pouco exagerado. É difícil um grupo pop manter a originalidade com um repertório tão grande.

56

Favorite Tracks: “You Got It All”, “All About a Girl”, “I Can’t Make You Love Me”, “She’s In My Head”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.