Resenha: Troye Sivan – WILD (EP)

Lançamento: 04/09/2015
Gênero: Eletropop, Dream Pop
Gravadora: EMI Music Australia / Capitol Records
Produtores: Alex Hope, SLUMS, Alex JL Hiew, Inscore, Pip Norman, Caleb Nott e Dann Hume.

“WILD”, sucessor do “TRXYE”, é o segundo EP de Troye Sivan lançado através de uma grande gravadora. Foi lançado em 04 de setembro de 2015 pela EMI Music Austrália e Capitol Records nos Estados Unidos. O EP está sendo acompanhado pelo lançamento de alguns videoclipes, eles seguem uma mesma história de dois amigos de infância do sexo masculino que acabam envolvidos em um relacionamento amoroso. Além de cantor e ator, Sivan também é uma personalidade muito popular no YouTube, atualmente, ele possui mais de 3,6 milhões de inscritos em seu canal. Mas ele não é um YouTuber que teve sorte na música, pelo contrário, é um cantor e compositor astuto que leva a arte de cantar muito a sério. Depois de cativar a todos com o maravilhoso “TRXYE”, ele retorna em 2015 com um EP similar e tão bom quanto. “WILD” é uma coleção composta por seis boas faixas pop e colaborações apropriadas com o duo neozelandês Broods e a jovem cantora/rapper Tkay Maidza.

Como um todo, “WILD” é um EP fantástico e mais um grande indicador do talento promissor de Troye Sivan. Liricamente, o EP fala principalmente sobre a transição para a idade adulta e as lutas dentro de relacionamentos. Em termos vocais, Troye Sivan parece ter um talento especial para saber o que melhor se encaixa com a sua voz. Ele não tem um amplo alcance vocal, mas consegue adequar-se muito bem ao estilo e instrumentação de cada canção. A faixa-título, “WILD”, produzida por Alex Hope e co-escrita por Troye, abre o EP da melhor maneira possível. A música foi a acompanhada pelo videoclipe dirigido por Tim Mattia e lançado como parte inicial da trilogia intitulada “Blue Neighbourhood”. Musicalmente, é uma faixa proficiente de eletropop e dream-pop sobre um amor proibido e o desejo por ele. “Deixe este bairro azul / Nunca soube amar poderia doer tão bem / Isso me deixa selvagem”, ele canta no início do refrão.

Esta linha, em especial, é a melhor parte da música e vai ficar em sua cabeça por dias. A canção abre perfeitamente em torno de um coral de crianças, que serve para situá-la no período da vida do qual o lirismo retrata. Concomitantemente, temos uma percussão apaixonada e boas linhas melódicas que elevam a canção e a faz captar perfeitamente a essência de um amor proibido. “WILD” é extremamente cativante, cheia de confiança, uma música pop realmente brilhante. Ainda possui uma grande sensibilidade comercial e, na minha opinião, um dos mais fortes singles pop lançados este ano. A próxima música, “BITE”, toma uma direção completamente diferente da primeira faixa. O seu início é assustador, fascinante e vulnerável, com os primeiros 30 segundos apresentando apenas os sedutores vocais de Troye Sivan acapela. Aqui, os efeitos vocais são a primeira coisa que captura a atenção do ouvinte.

Na verdade, toda a vibração enigmática de “BITE” serve como uma experiência auditiva estimulante. Suavemente, os vocais levam a música para vários sons eletrônicos, sintetizadores e um suave piano de cauda. Aqui Sivan canta: “Beije-me na boca e me liberte / Mas por favor não morda”. A letra leva a crer que ele está querendo experimentar o amor, porém, está com medo de se machucar. Segundo o próprio, a música é inspirada em sua primeira experiência em uma boate gay, algo que o fez sentir-se como um simples pedaço de carne. Em seguida, temos a magnífica “FOOLS”, uma das minhas faixas favoritas do EP e uma das melhores de sua curta carreira. Os seus dois primeiros versos são deslumbrantes, enquanto entrega uma produção melancólica excepcional. Ela possui uma grande dose de doçura e vulnerabilidade, bem como equilibra perfeitamente a voz de Sivan ao grosso instrumental.

Troye Sivan

Liricamente, é uma canção que pinta um amor não correspondido e fala sobre cometer o erro de se apaixonar pela pessoa errada. No empolgante refrão ouvimos o cantor retratar a si mesmo como um tolo: “Só os tolos se apaixonam por você, só os tolos / Só os tolos fazem o que faço, só os tolos se apaixonam”. Inicialmente, a faixa começa como uma balada de piano, mas, rapidamente, muda o seu cursor, com ajuda de excelentes sintetizadores, e transforma-se em um verdadeiro hino eletrônico com direito a um final absurdamente explosivo. Em comparação com as faixas anteriores, uma batida mais rápida nos leva para “EASE”, primeira das duas músicas do EP que apresenta outro artista. Para esta faixa, ele colaborou com o duo neozelandês Broods, formado por Georgia Nott e Caleb Nott. A batida e a sensação geral dessa pista, inclusive, soa como algo que a dupla faria, uma mistura perfeita entre música eletrônica e indie-pop. A escrita é madura, vulnerável e se traduz como uma combinação entre o som de Troye Sivan e Broods.

As letras conflituosas concentram-se nas dificuldades de lidar com situações onde se está sozinho. Ela fala sobre a carreira agitada de Troye, das viagens onde ele precisa estar fora de casa e longe de sua família e amigos. Sonoramente, possui uma bela melodia, ao passo que a maneira como Troye e Georgia entrelaçam suas vozes é totalmente relaxante. Os vocais de ambos combinaram lindamente e fazem esta canção sentir-se muito confortável para o ouvido. “THE QUIET”, por sua vez, é uma canção de término, mas que tende a seguir pela mesma produção eufórica e selvagem das demais. Nesta canção, Troye Sivan fala sobre momentos onde um casal tem problemas, mas um deles não quer falar sobre a situação. As linhas mais significativas da música dizem: “Eu preferia estar cuspindo sangue / Do que ter esse silêncio me fodendo”, “Eu prefiro ter ossos quebrados / E sentir-me transformar em pedra” e “Diga qualquer coisa / Tudo dói menos do que o silêncio”. Linhas como estas definem completamente a frustração de Troye Sivan.

Assim como “FOOLS”, esta faixa abre lentamente, porém, com um toque mais obscuro. Ela possui uma instrumentação mínima ao longo dos versos, permitindo a voz de Troye Sivan assumir a liderança. “THE QUIET” continua a ser lenta e escura na medida que o refrão se aproxima, quando os vocais sobem ainda mais. Um baixo tumultuado e uma linha de percussão tentam impulsionar o sentimento de traição e angústia da letra. A sexta e última faixa do EP, “DKLA”, é íntima e apresenta um verso cheio de precisão da convidada australiana Tkay Maidza. A sua introdução é tão mágica que soa como uma chuva caindo delicadamente em uma janela. Nesta canção, há um pouco mais de experimentação sonora, a começar pelas gotas de chuva, sirenes e sinos. É uma música que mostra mais do vocal de Troye, mas de uma maneira ainda mais sensual. É enigmática, misteriosa, tem uma produção escura e ainda pisa em um território R&B. É uma conclusão realmente ideal para o EP.

“WILD” é um impressionante segundo lançamento para a carreira de Troye Sivan. É um projeto confiante, intrigante, brilhante e, de fato, demonstra claramente que ele é um artista com uma visão futura muito clara. No geral, eu fiquei bastante satisfeito com este EP. Desde seus instrumentos, até os temas e ótimos vocais. Os sintetizadores, o piano ocasional e a percussão sempre soam fantásticos, enquanto os artistas convidados trouxeram mais variedade. “WILD” ainda é embalado com letras que evocam medo, juventude e consciência, todas escritas de forma completamente crua e sincera. Outro ponto que dá ainda mais honestidade para o seu trabalho, é que Troye não esconde sua sexualidade em suas músicas. Ele, sem dúvida, já estabeleceu-se no mundo da música e seu primeiro álbum de estúdio, previsto para ser lançado em dezembro, promete ser ainda mais auto-confiante que os dois EPs. Simplificando, “WILD” foi o começo de algo grande para ele. Como um todo, manteve minhas expectativas e me deixou ainda mais ansioso para ouvir o “Blue Neighbourhood”.

82

Favorite Tracks: “WILD” e “FOOLS”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.

  • Vitim Hooligan

    Perfeito EP

    • Leo

      Verdade, e o álbum tem tudo para ser ainda melhor 🙂

      • Vitim Hooligan

        Eu espero que ele fassa muito sucesso, ele é mt talentoso

        • Leo

          Tomara mesmo, ele merece.

  • Samuel Abu El Haje Furlan

    Adorei a resenha!

    • Leo

      😀