Resenha: Tove Lo – Queen of the Clouds

Lançamento: 24/09/2014
Gênero: Pop, Eletropop, Indie Pop
Gravadora: Island Recods
Produtores: The Struts, Klas Anlund, Mattman and Robin, Lucas Nord, Ali Payami, Alx Reuterskiold, Mike ‘Scribz’ Riley, Kyle Shearer e Captain Cuts.

Tove Ebba Elsa Nilsson, mais conhecida por seu nome artístico Tove Lo, é uma cantora sueca que ganhou atenção em 2013 pelo single “Habits” e, posteriormente, pelo sucesso do remix da mesma, produzido por Hippie Sabotage, intitulado “Stay High”. Seu EP de estreia, “Truth Serum”, foi lançado em março de 2014 com as duas versões da música, bem como as faixas “Out of Mind” e “Not On Drugs”. Tove Lo também já escreveu canções para vários artistas, incluindo Icona Pop, Girls Aloud e Cher Lloyd. O seu primeiro álbum de estúdio foi lançado em setembro de 2014 e chama-se “Queen of the Clouds”. Para esse trabalho, Lo trabalhou com vários produtores, como The Struts, Klas Ahlund, Alx Reuterskiöld e Captain Cuts.  Na Suécia, terra natal de Tove Lo, o “Queen of the Clouds” estreou em #6 lugar na parada de álbuns.

Nos Estados Unidos, o álbum entrou na décima quarta posição, com vendas na primeira semana de 19 mil cópias. Tove Lo conseguiu uma estreia satisfatória com “Queen of the Clouds”, o conteúdo lírico está bom, fornece letras bem formuladas e canções pop brilhantemente arranjadas. “A paixão no início sempre vai ser a melhor parte dele”, diz ela na abertura do álbum, que divide-se em três seções: o sexo, o amor e a dor. Liricamente, o álbum é centrado em falar de relacionamentos e paixões, girando, dessa forma, em torno de um rompimento e fornecendo uma história completa de suas lutas românticas. Ela descreve sua música como uma terapia, onde ela pode cantar sobre coisas que normalmente não se atreveria a falar. O título do álbum veio do sentimento de “flutuando no topo do mundo”, um disco refrescante que lança Tove Lo como uma grande artista pop que transmite honestidade em suas letras.

Tove Lo

Faixas como “My Gun” e “Like Em Young” encaixam esse sentimento rítmico de luxúria que se desdobra em amor. Ela zomba em “Like Em Young” dizendo que prefere homens mais jovens, e fica um pouco vulgar na produção irresistivelmente cativante de “Talking Body”. A louca “Timebomb” é uma das melhores, com um refrão que explode como se fosse um canhão de confetes. Já na segunda seção temos a faixa “Moments” que, por sua vez, é ostensivamente uma linda canção de amor. Aqui, Tove Lo sente-se confortável e consegue demonstrar o quanto é uma artista interessante. A faixa “The Way That I Am” é bem elegante, enquanto “Got Love” é um eletropop de ótimo alcance. E para todas as suas tendências de auto-medicação, ela facilmente se transforma em uma artista melancólica em “Not On Drugs”“I’m not on drugs / I’m just in love”.

Essa é um verdadeiro diamante de música, que possui um excelente e profundo refrão. “That’s been a rough / All of these thousand miles / To get you back / Coming for you, baby, I’m coming now”, esse é um trecho de “Thousand Miles”, a incrível faixa que abre a seção “dor”. Em seguida, temos “Habits (Stay High)”, o debut single do álbum e, com certeza, a melhor faixa. Uma canção super pegajosa que é uma exclamação de um amor perdido. Um hino sombrio, onde Lo usa sua voz de garotinha maravilhosamente bem em um perfeito eletropop nebuloso. “This Time Around” é bastante emocional, provavelmente a parte mais pesada dessa seção, graças ao seu toque realista. E, fechando a versão padrão do álbum, temos os movimentos EDM de “Run On Love”. Essa é uma canção dançante onde a cantora fica um tanto quanto cínica.

O “Queen of the Clouds” é realmente um álbum muito agradável, que descreve com bastante precisão o que é ser uma jovem apaixonada. Um trabalho que possui um conceito em vez de faixas aleatoriamente incluídas no repertório. Como já mencionado, possui um bom conteúdo lírico e uma ótima produção que vai nos “lugares escuros” que o atual mundo pop tende a evitar. As canções dançantes, a energia frenética e bêbada, leva Tove Lo um passo adiante como uma verdadeira rainha das nuvens. A cantora também se juntou com Katy Perry, na turnê “Primstic World Tour”, como artista de abertura e demostrou que, suas canções são comerciais o suficiente, para dar-lhe a chance de lutar pelo estrelato no mundo pop. Letras afiadas e uma produção bem trabalhada, dois pontos cruciais que fizeram do “Queen of the Clouds” um dos mais fortes lançamentos pop de 2014.

72

Favorite Tracks: “Talking Body”, “Timebomb”, “Moments”, “Not On Drugs” e “Habits (Stay High)”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.