Resenha: Tim McGraw – Sundown Heaven Town

Lançamento: 16/09/2014
Gênero: Country
Gravadora: Big Machine Records
Produtores: Byron Gallimore e Tim McGraw.

“Sundown Heaven Town” é o décimo terceiro álbum de estúdio do cantor americano de country Tim McGraw. É o seu segundo trabalho pela gravadora Big Machine, sendo lançado dia 16 de setembro de 2014. Atualmente com 48 anos, Tim McGraw é marido da cantora Faith Hill e filho do jogador de beisebol Tug MGraw. É certamente um dos cantores mais premiados da música country americana, possuindo em seu currículo 3 Grammy Awards, 14 Academy of Country Music Awards, 11 Country Music Association (CMA) e 10 American Music Awards. Para esse álbum, McGraw trabalhou novamente com Byron Gallimore, produtor responsável por todos os seus trabalhos anteriores.

Em entrevista a Country Weekly, o cantor afirmou que o disco “é um bom microcosmo do que tem sido os meus 20 ou mais anos na música, em diversas maneiras. Você certamente pode ouvir partes da minha carreira em todas essas músicas, bem como o futuro e para onde minha música está indo”. “Sundown Heaven Town” estreou em #3 na Billboard 200, vendendo mais de 71 mil cópias em sua primeira semana de lançamento. Não é o seu melhor álbum, mas é um esforço sólido guiado por toques suaves, algumas faixas em potencial e outras fillers agradáveis. O registro consegue manter um bom equilíbrio entre o som old-school de Tim McGraw, do qual os fãs estão familiarizados, com sons mais frescos e atuais.

Sem dúvida, “Sundown Heaven Town” oferece alguns momentos criativos e, resumidamente, entrega algo que se espera de um álbum de Tim McGraw. Aliás, ele começa muito bem com a sólida “Overrated”, que abre com uma batida de banjo contagiante e define completamente o tom para o restante do álbum. Sua produção é orgânica e o refrão é forte, ao passo que a letra fala sobre o amor ser a coisa mais importante na vida. Um ritmo mais rápido foi reservado para a segunda faixa, “City Lights”. Uma canção descontraída, mais tradicional e que relembra alguns de seus trabalhos da década de 1990. Lançada como terceiro single do disco, “Shotgun Rider” é a combinação perfeita do old-school de McGraw com um trabalho de violão de aço agitado. É uma canção em homenagem a aquela pessoa especial e um estímulo dentro de uma relação.

Tim McGraw

Parece ter sido lançada para silenciar os tabloides que criaram rumores sobre o seu casamento com Faith Hill. A faixa seguinte, “Dust”, é um country-rock com uma fatia embaraçosa de bro-country. Possui alguns dos mesmos elementos de produção que é utilizado por atos como Florida Georgia Line, Luke Bryan e Jason Aldean. Eu particularmente não curti tanto, porque é uma música que soa fácil demais, demasiadamente segura e um pouco clichê dentro do tema abordado em seu conteúdo lírico. Escolhida como quarto single, a faixa “Diamond Rings and Old Barstools” é um verdadeiro drama emocional, melódico e triste, interpretada junto com sua prima Catherine Dunn. Ela tem uma bela voz e forneceu bons vocais de fundo e uma textura agradável para a música. Musicalmente, é uma canção puramente country, com violões de aço e uma simples instrumentação.

Para McGraw a faixa “Words Are Medicine” é uma das mais importantes do álbum, uma balada poderosa com uma mensagem de como facilmente podemos afetar um ao outro. É um bom número de country-pop, cativante, moderna e uma das melhores performances contemporâneas do cantor no álbum. Embora não seja um destaque, a canção “Sick of Me” oferece uma letra que fala sobre um casal após uma discussão de relacionamento (“Eu quero ser seu tudo, e não apenas uma má recordação / Eu prefiro ser o seu doce sonho tornado realidade / Estou farto de mim também”). Aqui há um tranquilo violão de aço atrás da bateria e guitarras elétricas, fazendo o serviço de misturar uma sonoridade tradicional com um som country-rock moderno.

Tim McGraw

Em “Meanwhile Back At Mama’s” ele se junta com sua esposa, Faith Hill, para entregar uma delicada e sentimental canção. O desempenho vocal de ambos, embalado com letras românticas e acompanhado de um suave violão, é agradável e funcionou muito bem. A faixa seguinte, “Keep On Truckin'”, foi escrita por Tim McGraw e os irmãos Brad e Brett Warren. Seu som lembra as bandas Train e Rascal Flatts no contexto country, e apesar de divertida, assim como muitas músicas comerciais, é um número que leva minutos para não dizer praticamente nada. Embora tenha uma performance vocal um pouco irritante e seja sustentada praticamente pela bateria, a faixa “Last Turn Home” é uma resposta altamente emocional que consegue oferecer uma boa profundidade sobre o amor.

Por sua vez, “Portland, Maine” é uma grande canção acústica sobre desgosto amoroso. É uma música suave, triste, dolorosa e muito ressonante, sobre um homem indeciso entre o que é mais fácil fazer e o que deveria realmente ser feito. O primeiro single, “Lookin’ for That Girl” é bem fora da zona de conforto de Tim McGraw, entretanto, é talvez a pior faixa do disco. Uma canção irritante, com um gancho repetitivo, um tema ruim e repleta de auto-tune. A última faixa da versão padrão do álbum é “Still On the Line”, que traz um dos arranjos mais pop do repertório. Diferentemente da faixa anterior, é uma balada que consegue atingir alguma profundidade. A versão deluxe do disco ainda possui mais 5 faixas, o que o tornou demasiado longo.

No geral, o “Sundown Heaven Town” tem canções que seguem a linha entre as mais modernas tendências musicais e sons tradicionais. Muitas das músicas aqui também apresentam um bom conteúdo lírico e profundidade. Com exceção de “Lookin’ for That Girl”, a versão padrão do álbum é exatamente o tipo de material que TimMcGraw construiu em sua carreira. O cantor ainda tem relevância junto de sua música com público e a crítica especializada, e com esse disco ele manteve esse status. Em última análise, na maioria das músicas do “Sundown Heaven Town” vemos Tim McGraw mantendo um rígido controle sobre sua entrega vocal, que ficou tanto quanto comercialmente viável como autenticamente variado.

63

Favorite Tracks: “Overrated”, “Shotgun Rider”, “Words Are Medicine”, “Meanwhile Back At Mama’s (feat. Faith Hill)” e “Portland, Maine”.

São Paulo, formado em Recursos Humanos, apaixonado por músicas, séries e animes. Fã dos Beatles, amante do futebol e palmeirense fanático.